secretaria da cultura do estado de são paulo

Museus

MCB promove Bazar da Cidade apostando na diversidade de 100 expositores

O Museu da Casa Brasileira (MCB), instituição da Secretaria da Cultura do Estado, gerido pela Sociedade Civil através da A Casa Museu de Artes e Artefatos Brasileiros, realiza a 9ª edição do Bazar da Cidade nos dias 17 e 18 de agosto, sexta e sábado, das 10h às 21h, com programação cultural especial e gratuita.

O evento, que ocupa pela primeira vez o jardim e o terraço do MCB, reunirá cerca de 100 expositores para celebrar a diversidade. Desde sua primeira edição, em 2015, Bel Pereira, curadora do Bazar, preocupa-se com a valorização dos contrastes entre os participantes, sejam de moda, joalheria, casa e decoração, arte e artesanato ou gastronomia​. ​

“Acreditamos muito na diversidade que abraça e respeita o diferente”, afirma Bel Pereira. “Encurtar distâncias e promover o encontro de culturas, ideias e fazeres é o propósito do nosso evento”, complementa a curadora.

“O Museu da Casa Brasileira realiza feiras como o Bazar da Cidade que buscam a diversificação, com o intuito de propiciar o contato direto entre o pequeno produtor ou artesão e o consumidor final, na tentativa de garantir a sustentabilidade desta cadeia produtiva”, acrescenta Miriam Lerner, diretora geral do museu.

Haverá também uma vasta programação cultural e de entretenimento, como oficinas gratuitas para adultos e crianças, apresentação de mímico e acrobatas e espaço kids. Um grupo de massoterapeutas atenderá durante os dois dias do Bazar da Cidade em uma tenda especial montada para sessões de massagem thai, com sessões de vinte minutos cobradas à parte.

Na área gastronômica, a diversidade estará presente em mais de vinte expositores participantes, que vão da comida mineira, italiana e portuguesa, até a cozinha de Taiwan.

 

Expositores:
Acessórios: Dafna Edery,​ Estúdio ​Cynthia Nigro, Hayô, Madá Faccio, Myriam Aguiar​​, Rosaly Rezende, Sacola Tropical,​ ​​​Suzana Izuno, Tina Bolsas,​ Vicky Mardegan. Vestuário, Joias e Bijouterias: Acolá, Adedo,​ ​Ateliê​ Alaine Colucci, Aline Vito,​​ ​Ana Maia e Rosa Piatti​, ​Ana Roma Atelier D’Art, Bluni, Clara Tchernobilsky, Claudia Mesquita​,​ Dani Terracini​,​ Paula Curiacos, Estampa​cessórios​, Estúdio Monteferro, FA’s Collection, Fabiana Zerbinatto, Feira Moderna​,​ Edith Pittier, Gerson Aisthesis, Hulda Bretones, Hype ​P​icks, Inês Prado, Juliana Gevaerd, Klatsch, Krixina​,​ Leveza do Ser – Comfortwear​​, Lina Prades, Lucia Higuchi, Mitsuen, Moema Prado, Monika Krexa, Nat Joias, Paula Fabbri Joias, Roxanne Ducchini,​​ ​Schwe, ​Studio Dalzotto, Studio Lica Soares, Susu Bijoux, Tatiana ​​D​e Francisco, Thamy Tsutsui, Vivi Pelo Mundo, Zona de Conforto. Saúde e Bem-Estar:​​ ​Eterea Cosmética Natural,​​ ​Le Diable Sex Joy, Núcleo DesperThai​​/Conexão Tailândia. Casa, Arte e Decoração: Acaia​ (Artesãs da Linha Nove)​, Alê Feola​ Handmade​,​ ​Artezanza,​ ​​Ateliê Tauba​,​ ​Baka Studio, Barini Design, ​BeS​titchy,​ Botanik​os​​ ​Brasil,​ ​​Cobre Caramelo, Collab ​L​2, CR Lacerda, Elen Bruiz Floral Art & Design, Estúdio Aidacass, Estúdio Manitas,​​ ​Flor do Brumado, Ivone Rigobello,​ ​​Atelier ​Panaceia, Popoke, Renata Levi,​​​ ​Studio Garagem​,​ Florinda​&​Matildo, Sandra Rosa Lareiras, Table4Many​, Tati Cerâmicas​. ​Arte Indígena: Cerâmicas Wauja​​ da Aldeia Piyuga, Alto Xingu. Infantil: Andrea Milan Estamparia, Cheeky Boys. Gastronomia: Azeite extravirgem OLIQ, Cantinho de Minas, Empório Dona Mita, Grão Vizir, La Conserveria, Mestiço Chocolates, Pain Vert, Pimentas & Pitadas, ​​Vitamina da Terra. Praça Gastronômica: Aguzzo Cucina, Capucine Cu​i​sine, Cervejaria Los Compadres, Cheers, Delic​i​ss, Espada de Jorge, Farfalla Gelato, Mapu, Mineirices de Colher, Pão d​i​ Queijo da Mineira, Petiscleta, Pracinha de Portugal.

Programação Cultural:

MÍMICO E DUPLA DE ACROBATAS

O Bazar da Cidade estará com artistas circenses animando o evento e interagindo com o público. Os artistas convidados são:
•    Kersons Formis, mímico e palhaço. Fará quatro apresentações de mímica por dia, cada uma com duração de quarenta minutos. Na sexta (17), das 14h às 21h, e no sábado (18), das 11h às 21h.
•    Joy Domingos e Jorge Ribeiro, acrobatas. Eles farão incríveis acrobacias nos dois dias do Bazar. Na sexta (17), às 11h, 13h, 15h e 17h​. No sábado (18), às 12h, 14h, 16h e 18h​.

OFICINAS GRATUITAS PARA ADULTOS​

​Ervas, Especiarias e Masalas: Pitadas afetivas de aromas e sabores
Por Marcelo Nastari, Grão Vizir Masalas & Especiarias
Encontro regado a aromas, sabores e atividades sensoriais. A partir do uso dos sentidos serão abordados:
•    Conceitos de ervas, especiarias e masalas
•    Noções gerais de uso culinário de cinco temperos (ervas, especiaria e masala)
•    Armazenamento e qualidade
​Inclui degustação e material de apoio (temperos e material impresso)
Dia: 17/08​
Horário: ​13h30 às 15h
Inscrição: no local, trinta minutos antes do início
​​Vagas limitadas: 15 pessoas​

​Pães chatos e especiarias: metendo a mão na massa
Por Marcelo Nastari, Grão Vizir Masalas & Especiarias
Inspirada nos milenares pães chatos (chapati, naam, pão folha, pão árabe, tortilla), na oficina serão preparadas rápidas receitas de pães com especiarias que podem servir como acompanhamento ou para serem degustados sozinhos.
A oficina terá:​
•    História e diferença entre os mais conhecidos pães chatos
•    Preparo de pães com especiarias​
​D​ia: 18/08
Horário: 13h30 às 15h​
Inscrição: ​no local, trinta minutos antes do início
Vagas limitadas: 15 pessoas.

Grafismos e Cubismos – Estamparia Manual com Carimbos
Por Ivone Rigobelo, arquiteta e designer de estamparia
O aluno aprende ludicamente a criar seus próprios carimbos. Ao final da oficina, cada aluno leva seu carimbo e tecido estampado por ele.
​​Dias: 17/08, sexta-feira; 18/07, sábado
Horário: 16h às 17h, nos dois dias
Inscrição: no local, trinta minutos antes do início
Vagas limitadas: 10 pessoas.

OFICINAS GRATUITAS PARA CRIANÇAS​

Fábrica de Máscaras​
Pelo grupo “O Que Cabe Aqui?”
Criação de máscaras inspiradas na poética do artista Saul Steinberg.
Dia: 17/08, sexta-feira
Horários: 11h30 às 12h30; e 15h30 às 16h30
Inscrição: no próprio local, trinta minutos antes do início
Vagas: 24 crianças simultâneas
Faixa etária: 5 a 12 anos

Estamparia
Pelo grupo “O Que Cabe Aqui?”
Impressão de estampas em tecidos a partir de diferentes matrizes.
Dia: 18/08, sábado
Horários: 11h30 às 12h30; e 15h30 às 16h30
Inscrição: no próprio local, trinta minutos antes do início
Vagas:​ 24 crianças simultâneas​
Faixa etária:​ 5 a 12 anos​

​Espaço Kids​
Com​​ monitores do grupo “O que cabe aqui?”
​​Dias: 17/08, sexta-feira; 18/07, sábado
Horários: 11h às 11h30; 12h30 às 15h30; 16h30 às 19h
Tempo máximo de permanência: 45 minutos
Vagas: 15 crianças simultaneamente​
Faixa etária: 5 a 12 anos

Sobre o Bazar da Cidade:​
Compacto, organizado e criativo, o Bazar da Cidade teve sua primeira edição em agosto de 2015, na Rua Texas, no Brooklin. Desde então, foram sete outras edições de sucesso no Espaço Obra de Arte, em Moema. Juntar coisas cheias de bossa e gente descolada em uma espécie de bazar teve início na década de 80, quando Bel Pereira promovia o In Loco 57, nos porões do lendário Bar Bartolo’s, no coração da Vila Madalena.
Sobre o MCB

O Museu da Casa Brasileira, instituição da Secretaria da Cultura do Estado de São Paulo, dedica-se à preservação e difusão da cultura material da casa brasileira, sendo o único museu do país especializado em arquitetura e design. A programação do MCB contempla exposições temporárias e de longa duração, com uma agenda que possui também atividades do serviço educativo, debates, palestras e publicações contextualizando a vocação do museu para a formação de um pensamento crítico em temas como arquitetura, urbanismo, habitação, economia criativa, mobilidade urbana e sustentabilidade. Dentre suas inúmeras iniciativas, destacam-se o Prêmio Design MCB, principal premiação do segmento no país, realizado desde 1986; e o projeto Casas do Brasil, de resgate e preservação da memória sobre a rica diversidade do morar no país.

SERVIÇO
Bazar da Cidade
Dias 17 e 18 de agosto
Sexta e sábado, das 10h às 21h
Entrada Gratuita

Museu da Casa Brasileira
Av. Faria Lima, 2705,
tel: (11) 3032-3727

VISITAÇÃO
De terça a domingo, das 10h00 às 18h00

Ingressos: R$ 10 e R$ 5 (meia-entrada) | Crianças até 10 anos e maiores de 60 anos são isentos | Pessoas com deficiência e seu acompanhante pagam meia-entrada

Gratuito aos finais de semana e feriados

Acessibilidade no local

Bicicletário com 40 vagas | Estacionamento pago no local

Visitas orientadas: (11) 3026.3913 | agendamento@mcb.org.br

www.mcb.org.br

Informações para a imprensa – Museu da Casa Brasileira

Suzana Gnipper – (11) 3026-3910 | comunicacao@mcb.org.br

Jaqueline Caires – (11) 3026-3900 | analistacomunicacao@mcb.org.br

Diane Nascimento – (11) 3026-3900 | estcomunicacao@mcb.org.br

Informações para a imprensa – Secretaria da Cultura do Estado de São Paulo

Stephanie Gomes – (11) 3339-8243 | stgomes@sp.gov.br

Elisabete Alina – (11) 3339-8164 | betealina.culturasp@gmail.com

Informações para a imprensa – Bazar da Cidade
Gabinete de Comunicação
jornalista Arlene Colucci – (11) 98785-8625 | arlene.colucci@gabinete.com.br

MIS exibe filme Um corpo que cai, de Hitchcock, sonorizado ao vivo

Evento, em agosto, integra a programação paralela da exposição Hitchcock – Bastidores do suspense; ingressos podem ser adquiridos a partir de 31 de julho

(mais…)

Advogados músicos realizam apresentação descontraída no MCB

Sob regência do Maestro Antunes, a OABAND – Big Band da OAB-SP, formada por advogados músicos, se apresentará no Museu da Casa Brasileira, instituição da Secretaria da Cultura do Estado, gerido pela Sociedade Civil através da A Casa Museu de Artes e Artefatos Brasileiros, no dia 29 de julho, domingo, às 11h, com entrada gratuita.

Com um repertório que inclui músicas do ABBA, Jorge Ben Jor e Tim Maia, a OABAND se contrapõe ao perfil da advocacia. A frente do grupo desde 2009 está a regência de José Antunes da Silva Filho, graduado em Composição e Regência e músico pela Corporação Musical Imaculada Conceição. Antunes também atua como regente do Coral na OAB-CAASP (Caixa de Assistência dos Advogados de São Paulo).

Formado em 2007, a OABAND foi criada para realizar apresentações dentro da própria OAB. Mas, com o aumento da sua popularidade, a big band alcançou outros segmentos e hoje se apresenta em festivais, como o Revelando São Paulo, encontro de bandas realizado anualmente em Iguape (SP).

Sobre o projeto Música no MCB
Com edições contínuas desde 1999, o projeto Música no MCB já beneficiou mais de 240 mil pessoas, que tiveram acesso gratuito a shows de grupos como Pau Brasil, Zimbo Trio, Projeto Coisa Fina, Orquestra Bachiana Jovem, Grupo Aum, Mawaca e Traditional Jazz Band, entre outros. As apresentações, que serão realizadas em palco montado no terraço do Museu da Casa Brasileira entre os meses de março e dezembro, reúnem atualmente cerca de 400 espectadores em média a cada domingo.

 

Sobre o MCB
O Museu da Casa Brasileira, instituição da Secretaria da Cultura do Estado de São Paulo, dedica-se à preservação e difusão da cultura material da casa brasileira, sendo o único museu do país especializado em arquitetura e design. A programação do MCB contempla exposições temporárias e de longa duração, com uma agenda que possui também atividades do serviço educativo, debates, palestras e publicações contextualizando a vocação do museu para a formação de um pensamento crítico em temas como arquitetura, urbanismo, habitação, economia criativa, mobilidade urbana e sustentabilidade. Dentre suas inúmeras iniciativas, destacam-se o Prêmio Design MCB, principal premiação do segmento no país, realizado desde 1986; e o projeto Casas do Brasil, de resgate e preservação da memória sobre a rica diversidade do morar no país.

SERVIÇO:

Música no MCB – 19ª temporada

 

JULHO

29/07 – OABAND, Big Band da OAB-SP – Regência Maestro Antunes

 

 

 

AGOSTO

12/08 – Danilo Gonzaga Moura

19/08 – Brazú Quintê

26/08 – Mawaca

 

Dia e Horário: Domingos, sempre às 11h00

Entrada gratuita

Local: Museu da Casa Brasileira

Av. Faria Lima, 2.705 – Jd. Paulistano

Tel.: (11) 3032.3727

VISITAÇÃO
De terça a domingo, das 10h00 às 18h00
Ingressos: R$ 10 e R$ 5 (meia-entrada) | Crianças até 10 anos e maiores de 60 anos são isentos | Pessoas com deficiência e seu acompanhante pagam meia-entrada
Gratuito aos finais de semana e feriados

Acessibilidade no local
Bicicletário com 40 vagas | Estacionamento pago no local

Visitas orientadas: (11) 3026.3913 | agendamento@mcb.org.br | www.mcb.org.br

Informações para a imprensa – Museu da Casa Brasileira

Suzana Gnipper – (11) 3026-3910 | comunicacao@mcb.org.br

Jaqueline Caires – (11) 3026-3900 | analistacomunicacao@mcb.org.br

Diane Nascimento – (11) 3026-3900 | estcomunicacao@mcb.org.br

Informações para a imprensa – Secretaria da Cultura do Estado de São Paulo

Stephanie Gomes – (11) 3339-8243 | stgomes@sp.gov.br

Elisabete Alina – (11) 3339-8164 | betealina.culturasp@gmail.com

Filme Tão forte e tão perto ganha exibição e debate no #CineCiência de Julho

Após a sessão do longa, estrelado  por Tom Hanks e Sandra Bullock, o professor João Paulo Vani analisa as questões apresentadas no filme, que trata do atentado de 11 de setembro

(mais…)

Museu da Casa Brasileira apresenta edição especial de aniversário do Vinho na Vila

O evento acontecerá nos dias 4 e 5 de agosto, sábado e domingo, das 10h às 20h, e unirá expositores da economia criativa, gastronomia, vinho e entretenimento

(mais…)

26 de julho é o Dia dos Avós e os Museus da Secretaria da Cultura do Estado oferecem atividades especiais para vovôs, vovós e netos!

A campanha “É Dia de Museu com os Avós” estimula os netos e avós a comemorarem a data de um jeito diferente, com programação especial nos museus 
(mais…)

Casa Mário de Andrade oferece diversas atividades para a criançada

Nos meses de agosto e setembro, o museu continua com diversas atividades para as crianças a partir dos seis anos. Participe!

(mais…)

Museu Índia Vanuíre apresenta exposição autonarrativa Kaingang durante o Encontro Paulista de Museus

A 10º edição do evento será de 18 a 20 de julho, no Memorial da América Latina, e recebe representantes de instituições culturais do Brasil e do mundo

  (mais…)

Em julho, Museu do Futebol tem programação de férias voltada a outras formas de vivenciar o esporte

Equipe de educadores oferece atividades com diferentes maneiras de se relacionar com essa modalidade esportiva

(mais…)

Mostra LABMIS traz resultados de residência artística em exposição no MIS

Quatro artistas expõem seus trabalhos a partir de 25 de julho; entrada gratuita

 

(mais…)

MCB promove show ‘Retalhos do Brasil – Um piano e onze vozes’ de Christianne Neves

O Museu da Casa Brasileira, instituição da Secretaria da Cultura do Estado, gerido pela Sociedade Civil através da A Casa Museu de Artes e Artefatos Brasileiros, apresenta o show “Retalhos do Brasil – Um piano e onze vozes” com a pianista Christianne Neves, no dia 22 de julho, domingo, às 11h, e entrada gratuita.

Inspirada no álbum “Pure Ella” (1994), da cantora Ella Fitzgerald ao lado do pianista Ellis Larkins, Christianne propôs a realização de um CD autoral, também em piano e voz, porém brasileiro. O resultado se concretizou no projeto “Retalhos do Brasil”, que contou com investimento próprio e na valorização de novos compositores.

Para a apresentação no MCB, Christianne Neves, que além de pianista é compositora, arranjadora, diretora musical e mestre em Música pela Unicamp, será acompanhada pelos cantores Adriana Godoy, Bia Mendes, Carmina Juarez, Cecilia Rezende, Claudio Curi, Daisy Cordeiro, Fernando Janson, Fernanda Porto (artista convidada), Sonia Polonca, Sueli Vargas e Tania Velloso. No repertório estão inclusas músicas autorais do projeto e também canções do sambista Noel Rosa (1910- 1937) e de Johnny Alf (1929-2010), um dos pioneiros da bossa nova.

Em sua trajetória musical, Christianne participou de festivais como o “Nomos Jazz Festival” e “Festival Treterre”, ambos na Itália, e no “Festival de Lapataia”, no Uruguai. A pianista também já se apresentou em países como Escócia, Portugal, Inglaterra e Finlândia.

 

Sobre o projeto Música no MCB
Com edições contínuas desde 1999, o projeto Música no MCB já beneficiou mais de 240 mil pessoas, que tiveram acesso gratuito a shows de grupos como Pau Brasil, Zimbo Trio, Projeto Coisa Fina, Orquestra Bachiana Jovem, Grupo Aum, Mawaca e Traditional Jazz Band, entre outros. As apresentações, que serão realizadas em palco montado no terraço do Museu da Casa Brasileira entre os meses de março e dezembro, reúnem atualmente cerca de 400 espectadores em média a cada domingo.

Sobre o MCB
O Museu da Casa Brasileira, instituição da Secretaria da Cultura do Estado de São Paulo, dedica-se à preservação e difusão da cultura material da casa brasileira, sendo o único museu do país especializado em arquitetura e design. A programação do MCB contempla exposições temporárias e de longa duração, com uma agenda que possui também atividades do serviço educativo, debates, palestras e publicações contextualizando a vocação do museu para a formação de um pensamento crítico em temas como arquitetura, urbanismo, habitação, economia criativa, mobilidade urbana e sustentabilidade. Dentre suas inúmeras iniciativas, destacam-se o Prêmio Design MCB, principal premiação do segmento no país, realizado desde 1986; e o projeto Casas do Brasil, de resgate e preservação da memória sobre a rica diversidade do morar no país.

SERVIÇO:

Música no MCB – 19ª temporada

 

JULHO

22/07 – Christianne Neves e Vozes – Retalhos do Brasil

29/07 – OABAND, Big Band da OAB-SP – Regência Maestro Antunes

 

 Dia e Horário: Domingos, sempre às 11h00

Entrada gratuita

Local: Museu da Casa Brasileira

Av. Faria Lima, 2.705 – Jd. Paulistano

Tel.: (11) 3032.3727

VISITAÇÃO
De terça a domingo, das 10h00 às 18h00
Ingressos: R$ 10 e R$ 5 (meia-entrada) | Crianças até 10 anos e maiores de 60 anos são isentos | Pessoas com deficiência e seu acompanhante pagam meia-entrada
Gratuito aos finais de semana e feriados

Acessibilidade no local
Bicicletário com 40 vagas | Estacionamento pago no local

Visitas orientadas: (11) 3026.3913 | agendamento@mcb.org.br | www.mcb.org.br

Informações para a imprensa – Museu da Casa Brasileira

Suzana Gnipper – (11) 3026-3910 | comunicacao@mcb.org.br

Jaqueline Caires – (11) 3026-3900 | analistacomunicacao@mcb.org.br

Diane Nascimento – (11) 3026-3900 | estcomunicacao@mcb.org.br

Informações para a imprensa – Secretaria da Cultura do Estado de São Paulo

Stephanie Gomes – (11) 3339-8243 | stgomes@sp.gov.br

Elisabete Alina – (11) 3339-8164 | betealina.culturasp@gmail.com

Museu Índia Vanuíre apresenta exposição autonarrativa Kaingang durante o Encontro Paulista de Museus

A 10º edição do evento será de 18 a 20 de julho, no Memorial da América Latina, e recebe representantes de instituições culturais do Brasil e do mundo

 

No dia 19 de julho (quinta-feira), às 8h00, o público do 10º Encontro Paulista de Museus (EPM) poderá conhecer mais sobre a primeira exposição autonarrativa Kaingang, feita pelo Museu Índia Vanuíre – instituição da Secretaria da Cultura do Estado de São Paulo, gerida em parceria com a Organização Social de Cultura ACAM Portinari (Associação Cultural de Apoio ao Museu Casa de Portinari) – e pelo grupo de moradores da etnia na terra indígena Vanuíre, localizada em Arco-Íris (SP).

A mostra “Fortalecimento da Memória Tradicional Kaingang – de Geração em Geração”, produzida em 2015, estará disponível em uma sessão ao vivo de aproximadamente sete minutos para apresentação e outros 30 minutos para interações do público, no Foyer do Auditório Simón Bolívar.

“Fortalecimento da Memória Tradicional Kaingang – de Geração em Geração”

 

A produção do material foi uma demanda do próprio grupo indígena, que buscava expor sua visão sobre a confecção da cerâmica tradicional de sua etnia e, dessa forma, de sua preservação para as futuras gerações. A curadoria foi do indígena José da Silva Campos. e permaneceu em cartaz na instituição de julho a outubro de 2015, retornando em maio de 2016 e permanecendo até junho de 2018.

Todos os textos da mostra “Fortalecimento da Memória Tradicional Kaingang – de Geração em Geração” são bilíngues (Kaingang e português). A exibição da filmagem de todo o processo de construção dos artesanatos, com a narração dos próprios indígenas, faz parte do material exposto. Nele, o público pode conferir desde as ferramentas utilizadas para a confecção das cerâmicas (pilão, cabaça e pinça) até a finalização das peças.

Os objetos e as imagens fotográficas compuseram a montagem e proporcionaram um panorama mais detalhado da especificidade da técnica usada pelos Kaingang e da importância da exposição para preservação e difusão dessa cultura.

 

 

Museu Histórico e Pedagógico Índia Vanuíre, Tupã (SP)

Localizado em Tupã (SP), o Museu Histórico e Pedagógico Índia Vanuíre é uma instituição Governo do Estado administrada pela Secretaria da Cultura do Estado de São Paulo em parceria com a ACAM Portinari (Associação Cultural de Apoio ao Museu Casa de Portinari), Organização Social de Cultura, com sede em Brodowski (SP). Fundado em 1966 e instalado em um prédio construído especialmente para abrigá-lo, o museu possui acervo, com cerca de 38 mil peças, relacionado à história da região onde está localizado e com foco na cultura indígena, possuindo uma das mais importantes coleções etnográficas do país que representam diferentes comunidades indígenas brasileiras.

Associação Cultural de Apoio ao Museu Casa de Portinari – ACAM Portinari, Brodowski (SP)

Fundada em 27 de novembro de 1996, a ACAM Portinari (Associação Cultural de Apoio ao Museu Casa de Portinari) administra, em parceria com a Secretaria da Cultura do Estado de São Paulo, três instituições museológicas no interior pertencentes ao Governo do Estado: Museu Casa de Portinari (Brodowski), Museu Histórico e Pedagógico Índia Vanuíre (Tupã) e Museu Felícia Leirner/Auditório Claudio Santoro (Campos do Jordão). A ACAM, que tem sua sede em Brodowski, tem como principal objetivo o desenvolvimento da área cultural, particularmente a museológica, por meio das colaborações técnico-operacional e financeira. A instituição também apoia as ações do SISEM-SP (Sistema Estadual de Museus), com quem realiza importantes iniciativas como oficinas de capacitação para museus, oficina de ensino à distância e, ainda, o Encontro Paulista de Museus, entre outras.

Serviço:

10º Encontro Paulista de Museus

Datas: 19/07/2018

Local: Memorial da América Latina – Portão 15 (Avenida Auro Soares de Moura Andrade, 145 – Barra Funda – São Paulo/SP)

Horário: 08h00

Museu Histórico e Pedagógico Índia Vanuíre

Endereço: Rua Coroados, nº 521, Centro – Tupã (SP) – CEP: 17 600-010 Telefone: (14) 3491.2333

Funcionamento: de terça a domingo, das 9h às 17h

Entrada: ingresso voluntário

contato@museuindiavanuire.org.br

www.museuindiavanuire.org.br

FACEBOOK: http://www.facebook.com/museuindiavanuire

TWITTER: http://twitter.com/mhindiavanuire

MCB promove show ‘Retalhos do Brasil – Um piano e onze vozes’ de Christianne Neves

O Museu da Casa Brasileira, instituição da Secretaria da Cultura do Estado, gerido pela Sociedade Civil através da A Casa Museu de Artes e Artefatos Brasileiros, apresenta o show “Retalhos do Brasil – Um piano e onze vozes” com a pianista Christianne Neves, no dia 22 de julho, domingo, às 11h, e entrada gratuita.

Inspirada no álbum “Pure Ella” (1994), da cantora Ella Fitzgerald ao lado do pianista Ellis Larkins, Christianne propôs a realização de um CD autoral, também em piano e voz, porém brasileiro. O resultado se concretizou no projeto “Retalhos do Brasil”, que contou com investimento próprio e na valorização de novos compositores.

Para a apresentação no MCB, Christianne Neves, que além de pianista é compositora, arranjadora, diretora musical e mestre em Música pela Unicamp, será acompanhada pelos cantores Adriana Godoy, Bia Mendes, Carmina Juarez, Cecilia Rezende, Claudio Curi, Daisy Cordeiro, Fernando Janson, Fernanda Porto (artista convidada), Sonia Polonca, Sueli Vargas e Tania Velloso. No repertório estão inclusas músicas autorais do projeto e também canções do sambista Noel Rosa (1910- 1937) e de Johnny Alf (1929-2010), um dos pioneiros da bossa nova.

Em sua trajetória musical, Christianne participou de festivais como o “Nomos Jazz Festival” e “Festival Treterre”, ambos na Itália, e no “Festival de Lapataia”, no Uruguai. A pianista também já se apresentou em países como Escócia, Portugal, Inglaterra e Finlândia.

 

Sobre o projeto Música no MCB
Com edições contínuas desde 1999, o projeto Música no MCB já beneficiou mais de 240 mil pessoas, que tiveram acesso gratuito a shows de grupos como Pau Brasil, Zimbo Trio, Projeto Coisa Fina, Orquestra Bachiana Jovem, Grupo Aum, Mawaca e Traditional Jazz Band, entre outros. As apresentações, que serão realizadas em palco montado no terraço do Museu da Casa Brasileira entre os meses de março e dezembro, reúnem atualmente cerca de 400 espectadores em média a cada domingo.

Sobre o MCB
O Museu da Casa Brasileira, instituição da Secretaria da Cultura do Estado de São Paulo, dedica-se à preservação e difusão da cultura material da casa brasileira, sendo o único museu do país especializado em arquitetura e design. A programação do MCB contempla exposições temporárias e de longa duração, com uma agenda que possui também atividades do serviço educativo, debates, palestras e publicações contextualizando a vocação do museu para a formação de um pensamento crítico em temas como arquitetura, urbanismo, habitação, economia criativa, mobilidade urbana e sustentabilidade. Dentre suas inúmeras iniciativas, destacam-se o Prêmio Design MCB, principal premiação do segmento no país, realizado desde 1986; e o projeto Casas do Brasil, de resgate e preservação da memória sobre a rica diversidade do morar no país.

SERVIÇO:

Música no MCB – 19ª temporada

 

JULHO

22/07 – Christianne Neves e Vozes – Retalhos do Brasil

29/07 – OABAND, Big Band da OAB-SP – Regência Maestro Antunes

 

 

 

 

Dia e Horário: Domingos, sempre às 11h00

Entrada gratuita

Local: Museu da Casa Brasileira

Av. Faria Lima, 2.705 – Jd. Paulistano

Tel.: (11) 3032.3727

VISITAÇÃO
De terça a domingo, das 10h00 às 18h00
Ingressos: R$ 10 e R$ 5 (meia-entrada) | Crianças até 10 anos e maiores de 60 anos são isentos | Pessoas com deficiência e seu acompanhante pagam meia-entrada
Gratuito aos finais de semana e feriados

Acessibilidade no local
Bicicletário com 40 vagas | Estacionamento pago no local

Visitas orientadas: (11) 3026.3913 | agendamento@mcb.org.br | www.mcb.org.br

Informações para a imprensa – Museu da Casa Brasileira

Suzana Gnipper – (11) 3026-3910 | comunicacao@mcb.org.br

Jaqueline Caires – (11) 3026-3900 | analistacomunicacao@mcb.org.br

Diane Nascimento – (11) 3026-3900 | estcomunicacao@mcb.org.br

Informações para a imprensa – Secretaria da Cultura do Estado de São Paulo

Stephanie Gomes – (11) 3339-8243 | stgomes@sp.gov.br

Elisabete Alina – (11) 3339-8164 | betealina.culturasp@gmail.com

Em julho, Museu do Futebol tem programação de férias voltada a outras formas de vivenciar o esporte

Equipe de educadores oferece atividades com diferentes maneiras de se relacionar com essa modalidade esportiva

(mais…)

Museu do Futebol realiza festa julina em clima de final da Copa 2018

Arraial terá música ao vivo, comidas típicas, bingo e transmissão dos dois últimos jogos do Mundial da Rússia

(mais…)

Maratona Infantil do MIS entra em clima de suspense na edição de Julho

Evento integra a programação paralela da exposição Hitchcock – Bastidores do suspense, recém-inaugurada. Além das atividades dentro da temática, a Maratona traz música, fotografia, cinema e artes visuais para toda a família

(mais…)

Castello Branco é a atração do Estéreo MIS de Julho

Carioca se apresenta no dia 20 de julho, sexta-feira. Os ingressos podem ser adquiridos a partir do dia 13.07, às 12h, no site da Ingresso Rápido e na recepção do Museu

(mais…)

Museu Felícia Leirner e Auditório Claudio Santoro promovem ações especiais para lançar a FLIMA 2018

O ‘esquenta’ realizado pelas instituições acontece dias 21 e 22 de julho, com três programações envolvendo literatura, poesia, música e teatro, com temas ligados à preservação ambiental

(mais…)

Quinze museus paulistas recebem certificados de qualificação

Cadastro estadual definiu parâmetros técnicos e orienta instituições

(mais…)

Encontro Paulista de Museus trata de soluções em Gestão e Governança

Temas serão apresentados em Painéis Digitais; público participa com perguntas

(mais…)

Valeska Soares aborda as memórias e os afetos em mostra na Pinacoteca

Exposição da mineira radicada em Nova York desde 1990 percorre 30 anos de produção, incluindo pinturas, colagens, objetos, instalações e esculturas

  (mais…)

Férias: Museus-Casas Literários têm programação especial para bebês e crianças

Brincadeiras com os sentidos, aventuras fotográficas e descobertas poéticas são algumas das atividades gratuitas oferecidas para toda a família

(mais…)

Cinema: Casa Guilherme de Almeida oferece cursos gratuitos

Cinema pelo celular, filmografia samurai e cinema italiano são algumas das oficinas dos meses de julho e agosto

(mais…)

Cinema: Guimarães Rosa é homenageado em exibições na Casa das Rosas

As sessões do Jardim Paradiso exibem adaptações cinematográficas de contos e novelas do autor

(mais…)

Obras de Waldisa Rússio serão relançadas no 10º Encontro Paulista de Museus (10EPM)

Títulos fora de circulação foram digitalizados e estarão disponíveis no site do SISEM-SP

(mais…)

10EPM sedia encontro da Rede de Educadores de Museus de São Paulo (REM-SP)

Reunião acontece dia 19 de julho, das 18h às 20h, no Memorial da América Latina

(mais…)

10EPM sedia encontro da Rede de Educadores de Museus de São Paulo (REM-SP)

Reunião acontece dia 19 de julho, das 18h às 20h, no Memorial da América Latina

(mais…)

Programação de sexta-feira (6) do Festival Santos Café sofre alteração

Em função do jogo da seleção brasileira na próxima sexta-feira, dia 6, a programação do Museu do Café para o Festival Santos Café será alterada. Dentre as atividades planejadas para a data, permanecerá na agenda apenas a visitação noturna, que acontece das 18h00 às 21h00. O show musical de Tite Franco e Denis Carvalho, que também ocorreria no dia, será transferido para sábado, às 13h00. Logo após a apresentação, às 14h00, o público poderá conhecer diferentes métodos de preparo de café com harmonização.

O restante das atividades do dia 7, bem como as ações idealizadas para o domingo e segunda-feira (8 e 9), continuam as mesmas. As atrações infantis, que integram a programação do Festival este ano, também não sofrem alterações no período. No sábado, a agenda ainda inclui degustações de café gourmet no Centro de Preparação de Café, que ocorrem às 10h30, 12h00, 15h00 e 17h00, ao valor de R$10,00, e a apresentação do Coro Cênico Céu da Boca, que trará o espetáculo “Raça”, às 17h00.

Já no domingo, no mesmo horário, o barista do Museu do Café dará dicas na Cafeteria do Museu de como se extrair o melhor da bebida em casa. A ação “Dica do Barista” acontece novamente no dia seguinte (9), ocasião em que o Museu abrirá excepcionalmente em uma segunda-feira. Completando a agenda estão as degustações de café, que ocorrem, mais uma vez, na data.

Durante o festival, o valor do ingresso será diferenciado. Na sexta-feira, o público poderá participar da visitação noturna gratuitamente. Como de costume, a isenção é completa no sábado, em horário integral. Nos últimos dois dias, domingo e segunda-feira, será cobrado o valor de meia-entrada para todos os visitantes.

 

 

Serviço:

 

Festival Santos Café

Data: 6 a 9 de julho (sexta a segunda)

Local: Museu do Café

Endereço: Rua XV de Novembro, 95 – Centro Histórico – Santos/SP

Telefone: (13) 3213-1750

 

Agenda

 

Café com Música | Tite Tite Franco e Denis Carvalho

Grátis

7/07 | SÁB | 13h00

 

Apresentação de métodos de preparo de café com harmonização

Grátis

7/07 | SÁB | 14h00

 

Visitação noturna

Sexta-feira e sábado: grátis

Domingo: meia-entrada

6, 7 e 8/07 | SEX, SÁB e DOM | 18h00 às 21h00

 

Degustação de café

Ingresso: R$ 10,00

7 e 8/07 | SÁB e DOM | 10h30, 12h00, 15h00 e 17h00

 

Apresentação do Coro Cênico Céu da Boca – Espetáculo “Raça”

Grátis

7/07 | SÁB | 17h00

 

Dica do Barista

Grátis

8 e 9/07 | DOM e SEG | 17h00

 

Atividades infantis

As inscrições para todas as atividades são gratuitas e as vagas limitadas. Serão distribuídas senhas na bilheteria do Museu do Café uma hora antes do início da ação.

 

Mediação de Leitura

7/07 | SÁB | 15h00

Roteiro Lúdico “Viva o Café”

7 e 9/07 | SÁB e SEG | 16h00

Cine Café com Leite

8/07 | DOM | 15h00

 

Informações Imprensa

Museu do Café

Assessoria de Comunicação Institucional

(13) 3213-1751 / 98153-1666

Caroline Nóbrega / Karina Frey / Barbara Perez

comunicacao@museudocafe.org.br / museudocafe@museudocafe.org.br / barbara@museudocafe.org.br

Secretaria da Cultura do Estado de São Paulo – Assessoria de Imprensa

Stephanie Gomes (11) 3339-8243 | stgomes@sp.gov.br

Bete Alina Skwara | (11) 3339-8064 | betealina.culturasp@gmail.com

Programação de férias agita o Museu Índia Vanuíre

Atividades acontecem de 10 a 27 de julho com entrada gratuita; programação conta com oficinas de artesanato e pintura, cinema, contação de histórias, gincana e passeio ao Museu dos Tropeiros e à Fazenda Orgânica

As férias de julho estão repletas de atrações no Museu Índia Vanuíre (Tupã), instituição da Secretaria da Cultura do Estado de São Paulo, gerida pela ACAM Portinari. De 10 a 27 de julho, de terça a sexta-feira, das 9h00 às 11h00, acontece o projeto Férias no Museu. Os visitantes que não puderem participar das ações pela manhã podem solicitar aos educadores que elas sejam desenvolvidas no período da tarde. A participação é gratuita.

Um planejamento especial para as crianças que estão em recesso escolar foi desenvolvido com o objetivo de mostrar a riqueza cultural do Brasil. Farão parte das atividades oficinas de artesanato e pintura, cinema, contação de histórias, gincana e passeios ao Museu dos Tropeiros e à Fazenda Orgânica.

“Toda a programação tem como objetivo a socialização das crianças durante as férias. Diversão, criatividade, educação e lazer fazem parte da pauta. Nossa ideia é promover o conhecimento de forma dinâmica”, explica Tamimi Borsatto, gerente do Museu Índia Vanuíre.

No dia 10 de julho, terça-feira, a garotada terá a oportunidade de conhecer a Oficina de Adorno Indígena e Confecção de Bandeirinhas do Brasil e da Rússia. Na ocasião, um indígena Krenak da Terra Indígena Vanuíre mediará uma roda de conversa sobre os hábitos e costumes da tribo. Durante o encontro serão produzidos colares e bandeirinhas.

Na quarta-feira, 11 de julho, será feito um cofre com lata de leite em pó e papel E.V.A na Oficina de Confecção de Artesanato. Na sequência, uma Gincana das Bandeirinhas unirá ainda mais os presentes.

Em 12 de julho, quinta-feira, a Oficina de Artesanato Indígena – Chaveiro em Sementes será ministrada por um indígena Krenak da Terra Indígena Vanuíre em um bate-papo sobre os costumes da tribo. A programação também terá Confecção de Artesanato em Argila em 13 de julho, sexta-feira, ministrada por uma artesã Tupãense. A cultura oriental será trabalhada na Oficina de Kirigami e Origami, em 17 de julho, terça-feira. Os participantes conhecerão um pouco mais das técnicas em papel de seda.

A quarta-feira, 18 de julho, será agitada com a Oficina de Pintura Corporal Indígena. Uma índia Kaingang da Terra Indígena Vanuíre destacará seus hábitos e costumes, além de fornecer informações sobre pintura corporal e o material usado no processo. Na sequência, a Gincana do Ovo na Colher movimentará as crianças.

Com o intuito de promover os valores morais, acontece no dia 19 de julho, quinta-feira, o Cine Museu, com a exibição de um filme com a temática da vida social seguida por uma roda de conversa. A sexta-feira, 20 de julho, terá passeio ao Museu dos Tropeiros, em Tupã.

No dia 24 de julho começa a última semana do projeto Férias no Museu com a Oficina de Adorno Corporal Indígena Kaingang. Haverá a confecção de uma Matrioska para ser inserida em um chaveiro em homenagem ao campeonato mundial de futebol 2018.

Uma Oficina de Grafite em 25 de julho, quarta-feira, acontece no Solar Luiz de Souza Leão (Rua Caingangs, 600). O curso será ministrado por André Prado, coordenador de oficinas culturais e grafiteiro ligado ao movimento Hip Hop. Ele ensinará as técnicas básicas do grafite.

No penúltimo dia da ação, 26 de julho, quinta-feira, ocorre a Contação de Histórias e Confecção de Fantoches. Fábulas e lendas sobre a cultura negra farão parte do encontro, em que serão produzidos fantoches para encenação.

Para fechar com chave de ouro, haverá um Passeio à Fazenda Orgânica no dia 27 de julho, sexta-feira. No local, o grupo terá a oportunidade de conhecer melhor a vida no campo e como tudo funciona.

Confira a programação:

Oficina de Adorno Indígena e Confecção de Bandeirinhas do Brasil e da Rússia

Data: 10/07/2018

As crianças terão a oportunidade de participar de uma roda de conversa com um indígena Krenak da Terra Indígena Vanuíre e conhecer os seus hábitos e costumes. Após a conversa, será proposta a confecção de um colar indígena. Depois da atividade, o setor educativo ajudará os participantes na confecção de bandeirinhas do Brasil e da Rússia em papel de seda e varinhas de bambu para a gincana do dia 11/07.

Horário: das 9h00 às 11h00

Entrada: gratuita

Oficina de Confecção de Artesanato e Gincana das Bandeirinhas (Parte Recreativa)

Data: 11/07/2018

Na ocasião, as crianças terão a oportunidade de aprender como se faz um cofre com apenas dois objetos: uma lata de leite em pó e papel E.V.A. Depois de pronto, o cofre poderá ser levado para casa como lembrança. No término acontecerá a Gincana das Bandeirinhas entre Brasil e Rússia.  As crianças serão divididas em dois grupos e farão uma corrida que vai decidir qual o país vencedor.

Horário: das 9h00 às 11h00

Entrada: gratuita

Oficina de Artesanato Indígena – Chaveiro em Sementes

Data: 12/07/2018

As crianças terão a oportunidade de participar de uma roda de conversa com um indígena Krenak, da Terra Indígena Vanuíre e conhecer seus hábitos e costumes. Após o bate-papo, será confeccionado um chaveiro indígena que poderá ser levado como lembrança.

Horário: das 9h00 às 11h00

Entrada: gratuita

Confecção de Artesanato em Argila

Data: 13/07/2018

Ministrada por uma artesã da cidade, a atividade vai ensinar as crianças a produzirem peças em argila como porta trecos e canetas.

Horário: das 9h00 às 11h00

Entrada: gratuita

Oficina de Kirigami e Origami

Data: 17/07/2018

Durante a atividade, as crianças terão a oportunidade de entender o que é Origami e Kirigami. O origami é uma técnica milenar dos japoneses que consiste em dobrar papéis formando lindos enfeites. O Kirigami é a arte de recortar em papel de seda ou dobradura, mostrando em recortes a beleza da arte.

Horário: das 9h00 às 11h00

Entrada: gratuita

Oficina de Pintura Corporal Indígena e Gincana do Ovo na Colher

Data: 18/07/2018

As crianças terão a oportunidade de participar de uma roda de conversa com uma índia Kaingang da Terra Indígena Vanuíre. Na ocasião, saberão sobre seus hábitos e costumes, além de informações sobre pintura corporal e o material usado no processo. Após o bate-papo, será mostrada a pintura corporal. No término será realizada a parte recreativa com a Gincana do Ovo na Colher.

Horário: das 9h00 às 11h00

Entrada: gratuita

Cine Museu                

Data: 19/07/2018

Para que as crianças tenham contato com importantes valores morais, será apresentado no auditório do Museu Índia Vanuíre um filme com assuntos relevantes à vida social. A garotada ganhará pipoca e paçoca. No término da exibição uma roda de conversa discutirá o filme.

Horário: das 9h00 às 11h00

Entrada: gratuita

Passeio ao Museu dos Tropeiros

Data: 20/07/2018

Neste dia, será realizada uma visita ao Museu dos Tropeiros, em Tupã/SP. As crianças terão a oportunidade de conhecer a história do tropeirismo na região.

Horário: das 9h00 às 11h00

Entrada: gratuita

Oficina de Adorno Corporal Indígena Kaingang e Confecção  de uma Matrioska em Chaveiro

Data: 24/07/2018

As crianças terão a oportunidade de participar de uma roda de conversa com uma indígena Kaingang, da Terra Indígena Vanuíre e conhecer seus hábitos e costumes. Após o bate-papo, será realizada a confecção de um adorno corporal indígena. Em seguida, será feita, em E.V.A., a figura de uma Matrioska para ser inserida em um chaveiro em homenagem ao campeonato mundial de futebol.

Horário: das 9h00 às 11h00

Entrada: gratuita

Oficina de Grafite

Data: 25/07/2018

André Prado é coordenador de oficinas culturais e grafiteiro ligado ao movimento Hip Hop há mais de dez anos. Na ocasião, apresentará e ensinará técnicas básicas de grafite, como traços, contornos e degrades utilizando tintas látex e sprays.

Local: Solar Luiz de Souza Leão

Horário: das 9h00 às 11h00

Entrada: gratuita

Contação de Histórias e Confecção de Fantoches

Data: 26/07/2018

Toda história, por mais simples que pareça, transmite algo para o desenvolvimento da criança de forma criativa e reflexiva.

Com os objetivos de promover a reflexão e o conhecimento de uma forma dinâmica, será realizada uma oficina de Contação de Histórias. A confecção de fantoches fará parte da ação. Por meio dos materiais, serão apresentadas para as crianças histórias, fábulas e lendas sobre a cultura negra.

Horário: das 9h00 às 11h00

Entrada: gratuita

Passeio à Fazenda Orgânica

Data: 27/07/2018

Um passeio à fazenda será realizado com o objetivo de mostrar a natureza às crianças. No local, elas terão oportunidade de conhecer melhor a vida no campo e como tudo funciona.

Local de saída: Museu H.P. Índia Vanuíre (Rua Coroados, nº 521, Centro – Tupã/SP)

Horário: das 9h00 às 11h00

Entrada: gratuita

SERVIÇO

Projeto Férias no Museu

Período: de 10 a 27/07/2018

Horário: de terça a sexta-feira, das 9h00 às 11h00

Informações: (14) 3491-2333

Entrada: gratuita

Museu Histórico e Pedagógico Índia Vanuíre

Rua Coroados, nº 521

Centro – Tupã/SP

Telefone: (14) 3491-2333

contato@museuindiavanuire.org.br

www.museuindiavanuire.org.br

Seja nosso parceiro: www.museuindiavanuire.org.br/apoie

Em julho, Casa das Rosas homenageia Dora Ferreira da Silva

No centenário de nascimento da poeta e tradutora Dora Ferreira da Silva, a Casa das Rosas presta sua homenagem à grande escritora paulista no dia 8/7, domingo, das 10h às 17h. O evento Dora – 100 anos terá uma extensa programação artístico-cultural, incluindo palestras, roda de conversa, apresentações musicais, lançamento de livros e performances poéticas. Todas as atividades são livres, gratuitas e abertas ao público do museu.

Dora se dedicou a vida toda à poesia e ao ensaio, além de traduzir a obra de autores como Carl Gustav Jung, fundador da psicologia analítica. Seu primeiro livro de poesias foi Andanças, publicado em 1970, e sua primeira obra prestigiada foi Poemas da estrangeira, que ganhou o Prêmio Jabuti em 1995. Em permanente contato com jovens interessados em mitologia, psicologia e poesia, Dora fundou o Centro de Estudos Cavalo Azul, em 2003, do qual participaram os poetas Cláudio Willer e Rodrigo Petrônio.

 

Onde

Dora Ferreira da Silva - Foto: Reprodução

Assista o documentário “Chega de fiu fiu” no MIS!

No 23/6, o Museu da Imagem e do Som – MIS-SP, exibe o documentário Chega de fiu fiu”. A sessão única – que será seguida de um bate-papo com as diretoras – tem início às 18h e acontece no Auditório LABMIS. A entrada é gratuita, para participar é necessário retirar ingresso com uma hora de antecedência da recepção no Museu.

Dirigido por Amanda Kamanchek e Fernanda Frazão, o longa-metragem trata da participação das mulheres nos espaços públicos, marcada por uma série de violências, em especial o assédio sexual, e examina como campanhas e outras dinâmicas criadas por ativistas e movimentos feministas no período de 2014 a 2017 têm modificado relações de poder entre homens e mulheres nas ruas e na internet.

 

As cidades foram feitas para as mulheres?

A pergunta é motor fundamental do longa-metragem Chega de fiufiu”. Produzido em parceria com a Brodagem Filmes, o documentário foi lançado em maio deste ano e integra campanha homônima criada em 2014 pela organização Think Olga, trazendo ao centro do debate questões como o assédio e o direito das mulheres ao espaço público.

“Chega de fiufiu” explicita como a participação das mulheres no espaço urbano é marcada por insegurança. “Entraves como a falta de iluminação, lugares ermos, a dificuldade de mobilidade, longas distâncias na locomoção de casa ao trabalho, ausência de creches e péssimo atendimento em serviços de saúde e segurança seguem como catracas visíveis e invisíveis do acesso das mulheres às cidades. Tais entraves revelam o quanto as cidades foram construídas sem a perspectiva de gênero e agravam ainda mais as violências sofridas pelas mulheres, como o assédio”diz Amanda Kamanchek, diretora do documentário. “O filme é um retrato dessa violência de gênero em um contexto ainda pouquíssimo explorado: o espaço público. A pergunta que nos fizemos ao longo de todo o filme é ‘qual é o lugar das mulheres nas cidades? ’”.

“Chega de fiu fiu” traça uma narrativa composta de três momentos: a utilização de óculos com uma microcâmera escondida, usado por mulheres em seu dia a dia; a vida de três personagens de diferentes cidades (Brasília, São Paulo e Salvador) e o diálogo com especialistas sobre assédio, identidades, sexualidade, participação e mobilização social e masculinidades.

“Não só a entrevista com personagens, mas a dinâmica de cada uma delas com suas cidades foi nos ajudando a construir o argumento real do filme. Ao longo do projeto, criamos alguns artifícios de filmagem como o óculos-espião, o que nos permitiu explorar de maneira muito forte o modo como o corpo é percebido no espaço público. Dessa forma, as personagens puderam também se utilizar de um instrumento de denúncia. E, em adição, o próprio corpo delas se tornou uma ferramenta dessa narrativa. Em suma, convidamos essas mulheres a colaborar com o documentário de fato e isso nos trouxe ainda mais verdade e emoção”, diz Fernanda Frazão, também diretora do filme.

De acordo com pesquisa da ActionAid de 2016, 86% das brasileiras já sofreram violência sexual ou assédio em espaços públicos. Delas, 77% ouviram assobios, 57% ouviram comentários de cunho sexual, 39% xingamentos, 50% foram seguidas, 44% tiveram seus corpos tocados, 37% tiveram homens que se exibiram para elas e 8% foram estupradas.

Muitos anos se passaram desde que as mulheres começaram a circular nos espaços públicos, mas o respeito nesse território ainda lhes é negado. Pesquisa do Ipea de 2014, “Tolerância social à violência contra as mulheres”, mostrou que 26% dos brasileiros concordam com a afirmação “mulheres que usam roupas que mostram o corpo merecem ser atacadas” e estudo do Fórum de Segurança Pública  de 2016 mostra ainda que uma em cada três pessoas acreditam que “mulheres que se dão ao respeito não são estupradas”. Uma violência baseada na ideia de que quando uma mulher se comporta de determinada maneira, ela deve ser punida.

Tais pesquisas revelam o pensamento atual de muitas pessoas que ainda consideram inaceitáveis certas condutas e escolhas das mulheres, como “ficar bêbada”, “sair de casa sem o marido” e “usar roupas justas e decotadas”.  

“Há alguns anos, assédio era uma palavra não dita, um assunto discutido em algumas bolhas feministas. Houve a necessidade de ampliar essa conversa e, com o tempo, ela foi evoluindo e amadurecendo. Não poderíamos estagnar nessa ideia do assédio como algo micro, a cantada de rua. É necessário olhar que papel ele desempenha dentro da cultura do estupro e como alimenta a roda hostil do machismo”, diz Juliana de Faria, fundadora da ONG Think Olga. “Mais que isso, o filme mostra como somos excluídas sistematicamente do debate sobre a cidade. As personagens do filme têm isso em comum: nenhuma se sente à vontade pra circular no espaço público. Nenhuma delas se sente segura ou pertencente à cidade. Para além da denúncia, vejo o documentário como um projeto educacional. A ideia é transformá-lo em ferramenta junto às universidades e escolas para que possamos pensar em conjunto uma mudança”conclui.

 

Confira o trailer oficial do filme:

"A sociedade nos ensina que não temos que ver isso como um problema. Que é 'legal' a gente sair na rua e, de repente, ser assediada."
Djamila Ribeiro
Pesquisadora na área de Filosofia Política e feminista

Sobre as diretoras

Amanda Kamanchek, brasileira, 31 anos, jornalista e documentarista, trabalha com projetos sociais destinados à prevenção da violência contra mulheres e meninas, educação de gênero nas escolas, assédio sexual e direito à cidade. Foi coordenadora de campanhas da área de enfrentamento à violência da ONU Mulheres Brasil – Agência das Nações Unidas para a Igualdade de Gênero e o Empoderamento das Mulheres. É diretora do documentário Chega de Fiu Fiu, sobre o assédio contra as mulheres em espaços públicos em parceria com a organização feminista Think Olga. Desenvolveu junto ao Departamento de Ciência da Política de Direitos Autorais da Paz, Democracia e Tolerância da USP a plataforma Cartografia de Direitos Humanos. Foi coordenadora de Comunicação do Instituto Pólis, desenvolvendo conteúdos e projetos relacionados aos temas direito à cidade, habitação, segurança pública, democracia e sustentabilidade. É formada em Jornalismo pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo e em Documentário pela AIC (Academia Internacional de Cinema). Eleita uma das 21 mulheres brasileiras que estão fazendo do país um lugar melhor, pelo Brasil Post / Huffington Post, 2014 e como uma das 100 mulheres inspiradoras do mundo em 2014, pelo Think Olga, organização feminista que combate o assédio contra as mulheres.

Fernanda Frazão, brasileira, 32 anos, é fotógrafa e documentarista, formada em Comunicação Audiovisual pela Universidade Estadual Paulista (UNESP) e pela Universidad da Coruña (UDC), Espanha. Trabalha na intersecção de várias mídias como plataformas criativas para contar histórias, com foco em gênero e direitos humanos. Dirigiu seu primeiro longa-metragem “Chega de Fiu Fiu” (2018) sobre o assédio sexual contra mulheres em espaços públicos no Brasil, em parceria com a organização feminista Think Olga.  Em 2011, realizou o curta-metragem “Amai-vos uns aos loucos”, sobre os estereótipos da esquizofrenia e sua relação com a sociedade de consumo. Trabalha como freelancer de desenvolvimento, direção e criação em conteúdo multimídia na O2 Filmes, onde também atua como diretora criativa em novos formatos, conteúdo interativo e digital. Vive e trabalha em São Paulo, Brasil.

Onde

Encontro Paulista Questões Indígenas e Museus será realizado em Tupã

De 26 a 28/6, o Museu Índia Vanuíre realiza a sétima edição do Encontro Paulista Questões Indígenas e Museus – VII EPQIM, em Tupã. O tema deste ano é “Políticas públicas para ampliação da gestão compartilhada” e pretende reunir pessoas envolvidas na gestão pública em debates, com o objetivo de avançar as discussões para o apoio de ações e programas que promovam relações entre a cultura indígena e os museus.

Nos três dias do evento, a bancada será composta por pesquisadores, indígenas e gestores, com a intenção de abordar as boas práticas de construção de políticas públicas voltadas para fortalecer os direitos indígenas ao museu e no museu. Também será abordada a valorização de iniciativas de criação de museus indígenas, incentivando diferentes formas de preservação patrimonial e práticas museográficas.

A abertura, no dia 26/6, contará com autoridades e lideranças indígenas. Representantes da Secretaria da Cultura do Estado de São Paulo estarão presentes na mesa de abertura, para uma apresentação panorâmica de distintos setores da Cultura, discussões sobre aproximações e complementaridade e preservação do patrimônio indígena e construções de memórias por meio dos museus, em face às ações públicas em vigor, muitas delas já configuradas como de larga duração. A mesa será coordenada pelo diretor do Sistema Estadual de Museus (SISEM-SP), Davidson Kaseker.

Na sequência, o debate “Os indígenas no museu, o papel dos museus” mostra as expectativas dos indígenas sobre os museus, quais suas principais preocupações, como pensam as formas de representação de suas culturas e da formação de coleções para as futuras gerações. Os convidados representam os grupos parceiros do Museu Índia Vanuíre Kaingang, Krenak, Terena e Guarani das terras indígenas Vanuíre, Icatu, Araribá Apucarana. A coordenação será da responsável pelo Centro de Referência Kaingang e dos Povos Indígenas no Oeste de São Paulo, Andressa Anjos de Oliveira.

Em 27/6 a agenda começa com o debate “Museus Indígenas em São Paulo” que apresenta iníciativas indígenas de articulação para o desenvolvimento de museus e de suas etnias, como o Akãm Oram Krenak (Krenak) e o Museu Wowkriwig (Kaingang), na T.I. Vanuíre, e o Museu Nhandé Manduá-Aty (Guarani Nhandewa), na Aldeia Nimuendaju (T.I. Araribá). Quem media a ação é a educadora Lilian Budaibes Zorato.

Na parte da tarde, Marília Xavier Cury media a atividade “Os Museus e os Indígenas – buscando caminhos para a valorização indígena nos museus paulistas, apoiando os museus indígenas em São Paulo”. A Ela irá responder questões como “Qual é o lugar para os indígenas nos museus?”, “Onde os indígenas estão, em que museus, quais tipologias, como estão representados e como participam constitutivamente das instituições?”.

No último dia (28/6), entra na agenda a discussão “Em Rede”, conduzida pela coordenadora da Unidade de Preservação do Patrimônio Museológico, Regina Ponte, que busca caminhos para a valorização indígena nos museus paulistas, apoiando os museus indígenas por meio da articulação na gestão, parcerias, sistemas e redes. O tema “Plano Estadual de Cultura – protagonismo indígena: contribuições museais” e a palestra “Os Indígenas no Museu, o Papel dos Museus”, ministrada por Carlos Papá e coordenada pela diretora da ACAM Portinari, Angelica fabbri, encerram a programação.

Mais informações sobre as inscrições e sobre a programação no site https://museuindiavanuire.org.br/

Museu Índia Vanuíre apresenta mostra autonarrativa do povo Krenak

O Museu Índia Vanuíre apresenta, a partir de 26/6, a primeira exposição autonarrativa do povo Krenak da terra indígena (T.I.) Vanuíre, em Arco-Íris (SP). O lançamento faz parte da programação do VII Encontro Paulista Questões Indígenas e Museus (EPQIM), que acontece de 26 a 28/6, na instituição cultural.

A mostra “Ató Jagí Burum Krenak – Tecendo Saberes do Povo Krenak” aborda a presença desse povo no Estado de São Paulo que, em decorrência de sua história de dispersões ocasionadas por disputas de terra com os não indígenas, estão presentes em diversas áreas no Brasil, entre elas na T.I. Vanuíre. Os Krenak são os últimos sobreviventes da nação “Botocudo” e as primeiras notícias deles remontam ao século XVI.

Serão exibidos em vitrines, painéis, vídeos e fotos o processo de produção de 28 objetos confeccionados especialmente para a ocasião e que são uma representação dos Krenak que habitam a região. Entre eles estão lança, arco e flecha, zarabatana, rede de caça, rede de descanso, adornos corporais, manto de penas e  jarreteiras. A curadoria é de Helena Cecílio Damaceno e João Batista da Silva, indígenas que recordam os costumes e ensinam seus conhecimentos para as novas gerações, e a coordenação é de Lidiane Damaceno Cotuí Afonso.

As dimensões das peças são variadas, sendo a menor delas uma presilha de cabelo que cabe na palma da mão e é feita com casca de coco. Já o maior objeto da mostra é uma lança, que alcança a altura de 1,82 metros, feita em madeira de aroeira e decorada por grafismos trançados, os mais escuros são de embira de casca de uma árvore popularmente conhecida como Unha de Vaca e as mais claras são fibras retiradas do bambu.

O objetivo é ressaltar e valorizar o trabalho que vem sendo feito pelos próprios indígenas – há mais de duas décadas – na revitalização de sua cultura, costume e língua materna. Enquanto, no passado, os anciões foram obrigados a viver o anonimato e opressão de sua cultura. Hoje a comunidade busca através das memórias deles, da riqueza de conhecimento e saber que eles guardam, dar continuidade as suas tradições e transpor pré-conceitos.

Entre os itens expostos, o que guarda maior valor para os curadores e para a comunidade é a reprodução de um manto tradicional usado pelos homens em dias frios no momento da caça. O exemplar é feito em couro e penas coloridas, coladas com cera de abelha.

 

Onde

Jogos do Brasil: confira o horário de funcionamento dos nossos espaços

17|6 – DOMINGO – BRASIL x SUÍÇA – 15h

 

MUSEUS

Museu do Futebol – horário normal (9h às 18h)

Museu Afro Brasil, Museu da Imigração, Museu do Café (Santos) e Museu da Diversidade Sexual – 10h às 13h

Museu Catavento – 9h às 13h

Pinacoteca de São Paulo, Estação Pinacoteca, Memorial da Resistência, Casa das Rosas, Casa Guilherme de Almeida, Casa Mário de Andrade, Museu da Casa Brasileira, MIS-SP e Paço das Artes – 10h às 14h

Museu de Arte Sacra – 9h às 12h

Museu Felícia Leirner (Campos do Jordão), Museu Índia Vanuíre (Tupã) e Museu Casa de Portinari (Brodowski) – 9h às 14h

 

BIBLIOTECAS

Biblioteca de São Paulo e Biblioteca Parque Villa-Lobos – 9h30 às 13h30

 

TEATROS E SALAS DE CONCERTO

Sala São Paulo – 9h às 13h; bilheteria das 9h às 12h; haverá Concerto Matinal normalmente; não haverá Visita Monitorada

Theatro São Pedro – não estará aberto ao público

Teatro Sérgio Cardoso – funcionamento normal; bilheteria para o Espetáculo do dia – das 14h até o início do espetáculo

 

FORMAÇÃO

Fábricas de Cultura da Zona Leste (Sapopemba, Cidade Tiradentes, Itaim Paulista, Vila Curuçá e Parque Belém) – fechadas

Fábricas de Cultura das Zonas Norte e Sul (Vila Nova Cachoeirinha, Brasilândia, Jaçanã, Jardim São Luis e Capão Redondo) – 9h às 12h

Oficina Cultural Oswald de Andrade – fechada

Oficina Juan Serrano – aberta para o público em horário normal. Durante os jogos, o público poderá assistir na Oficina

Conservatório de Tatuí – escola sem expediente; teatro aberto das 8h às 13h

Polos do Projeto Guri (capital, interior e litoral) – não há expediente

EMESP Tom Jobim – não há expediente

SP Escola de Teatro – Sede Roosevelt aberta das 18h às 23h | Sede Brás fechada

22|6 – SEXTA – BRASIL x COSTA RICA – 9h

 

MUSEUS

Museu do Futebol – horário normal (9h às 18h)

Pinacoteca de São Paulo, Estação Pinacoteca, Memorial da Resistência, Museu Afro Brasil, Museu da Imigração, Museu do Café (Santos) e Museu da Diversidade Sexual – 13 às 18h

Museu Catavento – 13h às 17h

Casa Guilherme de Almeida, Casa Mário de Andrade e Museu da Casa Brasileira – 12h às 18h

Museu de Arte Sacra – 14 às 17h

Casa das Rosas – 12h às 22h

MIS-SP e Paço das Artes – 13h às 21h

Museu Felícia Leirner (Campos do Jordão)e Museu Casa de Portinari (Brodowski) – 12h às 18h

Museu Índia Vanuíre (Tupã) – 12h às 17h

 

BIBLIOTECAS

Biblioteca de São Paulo e Biblioteca Parque Villa-Lobos – 12h30 às 18h30

 

TEATROS E SALAS DE CONCERTO

Sala São Paulo – a partir das 13h; bilheteria a partir das 13h; haverá concerto normalmente; não haverá Visita Monitorada

Theatro São Pedro – funcionamento normal – haverá récita às 20h – bilheteria aberta 2h antes do espetáculo

Teatro Sérgio Cardoso – funcionamento normal; bilheteria para o Espetáculo do dia – das 14h até o início do espetáculo

 

FORMAÇÃO

Fábricas de Cultura da Zona Leste (Sapopemba, Cidade Tiradentes, Itaim Paulista, Vila Curuçá e Parque Belém) – 13h às 17h

Fábricas de Cultura das Zonas Norte e Sul (Vila Nova Cachoeirinha, Brasilândia, Jaçanã, Jardim São Luis e Capão Redondo) – 12h às 20h

Oficina Cultural Oswald de Andrade – 13 às 22h

Oficina Juan Serrano – aberta para o público em horário normal. Durante os jogos, o público poderá assistir na Oficina

Conservatório de Tatuí – escola e teatro abertos das 13h às 22h

Polos do Projeto Guri (capital, interior e litoral) – a partir das 13h

EMESP Tom Jobim – 13h às 21h

SP Escola de Teatro – Sedes Roosevelt e Brás abertas das 13h às 23h

27|6 – QUARTA – BRASIL x SÉRVIA – 15h

 

MUSEUS

Museu do Futebol – horário normal (9h às 18h)

Museu Afro Brasil e Museu da Diversidade Sexual – 10h às 13h

Museu da Imigração, Museu Catavento e Museu do Café (Santos) – 9h às 13h

Pinacoteca de São Paulo, Estação Pinacoteca, Memorial da Resistência, Museu da Casa Brasileira, Casa das Rosas, Casa Guilherme de Almeida e Casa Mário de Andrade – 10h às 14h

Museu de Arte Sacra – 9h às 12h

MIS-SP e Paço das Artes – 12h às 13h

Museu Felícia Leirner (Campos do Jordão), Museu Casa de Portinari (Brodowski) e Museu Índia Vanuíre (Tupã) – 9h às 14h

 

BIBLIOTECAS

Biblioteca de São Paulo e Biblioteca Parque Villa-Lobos – 9h30 às 13h30

 

TEATROS E SALAS DE CONCERTO

Sala São Paulo – 9h às 13h, e das 18h30 ao final do concerto; bilheteria das 10h às 13h, e das 18h às 21h; haverá concerto normalmente; não haverá Visita Monitorada

Theatro São Pedro – funcionamento normal – haverá récita às 20h – bilheteria aberta 2h antes do espetáculo

Teatro Sérgio Cardoso – funcionamento normal; bilheteria para o Espetáculo do dia – das 14h até o início do espetáculo

 

FORMAÇÃO

Fábricas de Cultura da Zona Leste (Sapopemba, Cidade Tiradentes, Itaim Paulista, Vila Curuçá e Parque Belém) – 9h às 13h

Fábricas de Cultura das Zonas Norte e Sul (Vila Nova Cachoeirinha, Brasilândia, Jaçanã, Jardim São Luis e Capão Redondo) – 9h às 12h

Oficina Cultural Oswald de Andrade – 9 às 13h

Oficina Juan Serrano – aberta para o público em horário normal. Durante os jogos, o público poderá assistir na Oficina

Conservatório de Tatuí – escola e teatro abertos das 8h às 13h, e das 18h às 22h

Polos do Projeto Guri (capital) – até às 12h

Polos do Projeto Guri (interior e litoral) – até às 13h

EMESP Tom Jobim – 8h30 às 12h

SP Escola de Teatro – Sede Roosevelt aberta das 8h30 às 12h30, e das 18h às 23h | Sede Brás aberta das 8h30 às 12h30

Mês do Futebol: confira a programação especial da #CulturaSP

Em junho, os museus, salas de concerto e bibliotecas da Secretaria da Cultura do Estado capricharam em atividades sobre dois temas: futebol e cultura russa. São jogos, exposições, oficinas e muito mais. Confira o que fazer quando o Brasil não estiver jogando a aproveite!

MUSEUS

 

O Museu do Futebol terá um mês repleto de atividades relacionadas ao campeonato. Já está em cartaz a exposição “A Primeira Estrela: o Brasil na Copa de 1958”, que conta a história da primeira conquista da seleção brasileira no mundial. Durante todo o mês, o museu também exibirá 39 jogos do campeonato em um espaço decorado especialmente para a competição. No dia 23 de junho, às 10h00, inicia-se a 1ª Feira Foot, evento gratuito que vai reunir uma feira retrô de itens de futebol, venda de memorabília, bate-papo sobre memórias do esporte e troca de artigos colecionáveis. Para fechar o mês, o 3º Arraial do Charles Miller, com entrada gratuita, vai juntar festa junina e futebol na Praça Charles Miller nos dias 30 de junho e 1º de julho (sábado e domingo).

No Museu Afro Brasil, está em cartaz a exposição “Isso É Coisa de Preto – 130 Anos da Abolição da Escravidão”, que ressalta a competência, o talento e a resistência negra nos esportes e em outros campos, como a arquitetura e as artes. Entre os jogadores homenageados na mostra estão alguns dos principais responsáveis pelas três primeiras conquistas mundiais do Brasil, como Pelé, Djalma Santos, Garrincha e Jairzinho. No acervo de longa duração, há esculturas, fotografias, ilustrações, bolas e outros objetos que contam a história do futebol brasileiro. Já na área externa, um grande painel reúne fotografias e ilustrações de Pelé, Leônidas, Chocolate, Didi, Djalma Santos, Zizinho, Garrincha, Paulo César Caju, Barbosa e Baltazar, além de uma série de caricaturas feitas pelo cartunista baiano Miécio Caffé.

O Museu de Arte Sacra vai celebrar o mundial com atividades para todas as idades no dia 16 de junho, à partir das 15h00. O público terá a oportunidade de participar de uma brincadeira sobre a relação entre os santos padroeiros e o futebol, jogar uma partida de futebol de botão ou de mini pebolim entre Brasil e Croácia e aprender o significado das camisas destes times. Para participar é necessário realizar inscrição no site http://museuartesacra.org.br.

No Museu da Imagem e do Som – MIS, a família toda vai poder aproveitar a “Maratona Infantil”, no dia 24, das 10h00 às 17h00, com atividades que envolvem o mundo do futebol e as festas juninas. Em “Intervenção Futebolando”, às 10h30, 12h30 e 14h00, dois palhaços futebolísticos vão convidar o público a praticar atividades físicas utilizando jargões do esporte. Das 10h00 às 16h00, as crianças também poderão expressar a paixão pelo esporte nas oficinas temáticas “Flipbook Bola no Gol”, para criação de livretos animados com o tema futebol, e “Compactor de Pintura”, na qual serão feitas pinturas temáticas do campeonato.

No Museu Índia Vanuíre, em Tupã, os visitantes vão curtir oficinas culturais gratuitas em todos os sábados e domingos de junho, das 9h00 às 16h00. Especialmente neste mês, as oficinas terão como tema o país sede do mundial, com a proposta de confeccionar um chaveiro em formato de matrioska, representando a colônia russa, que tem importante contribuição na identidade de Tupã.

bibliotecaS

 

Na Biblioteca Parque Villa-Lobos, em todas as sextas-feiras de junho, das 16h30 às 18h00, a atividade “Chute de Letra” oferece jogos e brincadeiras com o tema futebol. Nas sextas, sábados e domingos, de 1º de junho a 2 de julho, das 14h00 às 17h00, o espaço será ponto de troca de figurinhas para colecionadores. Nas sextas-feiras, de 1º a 22 de junho, o “Brincando e Aprendendo” terá brincadeiras temáticas. E nos dias 23 e 25 de junho, das 10h00 às 17h00, o “Festival de Jogos Antigos” disponibiliza pebolim e futebol de botão para o público. Todas as atividades são gratuitas e não é necessário realizar inscrição.

A Biblioteca de São Paulo também realiza a atividade “Chute de Letra” em todas as quintas-feiras de junho, das 16h00 às 17h30. A troca de figurinhas será nas sextas, sábados e domingos, de 1º de junho a 29 de julho, das 14h00 às 17h00, e o “Festival de Jogos Antigos” nos dias 15 e 16 de junho, das 10h00 às 17h00. No dia 17, a “Hora do Conto” será às 12h30, com a apresentação do conto russo “Formosa Vassilissa”, sobre uma menina que perdeu a mãe e ganhou uma boneca para ajudá-la a lidar com sua madrasta e irmãs postiças. No dia 20, das 15h00 às 16h00, todos poderão jogar o “Futebol de Cego”, e no dia 21, no mesmo horário, visitantes serão convidados a confeccionar bandeiras de diversos países. Todas as atividades são gratuitas e não é necessário realizar inscrição.

Quem gosta de ler encontrará nas bibliotecas diversas obras de autores russos, como “Os Demônios”, de Fiódor Dostoiévski, e livros sobre a história do futebol, como “O planeta Neymar: um perfil”, de Paulo Vinícius Coelho e “O Brasil nas Copas”, de Marcos Sérgio Silva. O catálogo e a programação das bibliotecas pode ser conferido nos sites: https://bsp.org.br e https://bvl.org.br/.

sala são paulo

 

Durante o mês, a Temporada 2018 da OSESP apresentará na Sala São Paulo diversas obras de compositores russos, como Prokofiev, Shostakovich e Tchaikovsky. Haverá Concertos Sinfônicos Osesp nos dias 21 e 22, às 20h30, e no dia 23, às 16h30, sob regência de Neil Thomson e Fabio Martino no piano. O programa inclui “Romeu e Julieta, Op.17: Romeu só – Grande Festa na Casa dos Capuletos”, de Hector Berlioz, “Peça de Concerto para Piano em fá menor, Op.79”, de Carl Maria von Weber, “Fantasia Brasileira nº 4”, de Francisco Mignone e “Romeu e Julieta – Abertura-fantasia”, de Pyotr Il’yich Tchaikovsky.

E no dia 24, às 19h00, o Coro da Osesp se apresenta sob a regência de Valentina Peleggi, com “Crucifixus pro nobis, Op.38: Drop, drop, slow tears”, de Kenneth Leighton, “Concerto para Coro: Ó mestre de tudo o que vive”, de Alfred Schnittke, “Miserere Mei, Deus”, de Gregorio Allegri, “Miserere, Op.44: Miserere nobis” e “Totus Tuus, Op.60”, de Henryk Górecki e “Canção para Atena”, de John Tavener.

Os ingressos para os concertos estão à venda no site https://www.ingressorapido.com.br

Quem visitar a Sala São Paulo pode aproveitar para conferir os livros, CDs e DVDs de autores e artistas russos disponíveis na Loja Clássicos, localizada dentro do prédio da Sala. Entre os CDs, é possível encontrar a gravação da Osesp sob regência de Marin Alsop das Sinfonias de Serguei Prokofiev. Na seção de livros, encontram-se “Crime e castigo”, de Fiódor Dostoiévski e “Anna Karenina”, de Liev Tolstói. Nos DVDs, uma ampla seleção de filmes russos, como o clássico “Alexander Nevsky”, de Serguei Eisenstein, “Dersu Uzala”, de Akira Kurosawa, e “Arca Russa”, de Aleksándr Sokúrov.

fábricas de cultura

 

As Fábricas de Cultura Jaçanã e Vila Nova Cachoeirinha, na Zona Norte, realizam diversas atividades gratuitas sobre futebol e cultura russa no mês de junho.

No dia 27, às 15h00, na unidade do Jaçanã, acontece o bate-papo “O mundial e você: protagonismo negro e marcos históricos”, em que os participantes terão oportunidade de conhecer a história de jogadores e jogadoras de futebol negros – Marta, Formiga, Cafu, Pelé, entre outros. Em seguida, será proposta uma oficina de estêncil para produzir cartazes com a história desses esportistas.

Na Fábrica Vila Nova Cachoeirinha, a instalação “Bandeiras dos países participantes do mundial de 2018” reúne as bandeiras dos 32 países que participam da disputa, de 5 a 30 de junho. A exposição “Diversidade Futebol Clube – No nosso time joga todo mundo” fica em cartaz na unidade de 8 a 30 de junho. A mostra traz fotografias de Roberto Setton, que registrou entre 2008 e 2012 o “Futebol das Drags”, evento de aniversário da boate Blue Space com um jogo de futebol entre drag queens e funcionários nas ruas da Barra Funda (SP). Encerrando a programação, entre 16 e 30 de junho, será exibida a “Homenagem a Mário Américo”, uma mostra de fotografias do ex-massagista da Seleção Brasileira, que acompanhou sete campeonatos mundiais, entre 1950 e 1974.

oficinas culturais

 

A Oficina Cultural Oswald de Andrade vai unir o teatro e o futebol em uma programação gratuita especial. Entre os dias 14 de junho e 19 de julho, às terças e quintas-feiras, às 18h30, o público poderá participar da oficina “Lendo o Jogo” e criar uma cena dramática, ficcional ou informativa, envolvendo teatro e futebol. As inscrições para as atividades devem ser realizadas no site: http://www.oficinasculturais.org.br/oswald-de-andrade.

são paulo companhia de dança

 

A São Paulo Companhia de Dança realiza performance em meio a uma exposição com bonecas de 2,60 de altura por 1,35 de largura, pintadas por artistas brasileiros como Albertina Prates, Simone Michielin, Elisa Vieira Queiroz, Maramgoni, Thuany Kolbach e Wagner da Silva. As apresentações serão nos dias 15, às 12h00, e no dia 16, às 16h00 e às 19h00.

O repertório será formado por Fada do Amor (1993), de Márcia Haydée e Pivô (2016), de Fabiano Lima. Fada do Amor, de Marcia Haydée, une a energia e a delicadeza do amor da fada pelo ser humano. Já Pivô, de Fabiano Lima, faz referência ao basquete, ao hip hop e à dança contemporânea, e traz para a cena o ambiente brasileiro, por meio de sonoridades conhecidas.

A exposição fica em cartaz no Átrio do Shopping Morumbi, na zona sul de São Paulo, no período de 15 de junho a 15 de julho, e reúne réplicas das chamadas Matrioshkas Gigantes, símbolos da Rússia que representam família, felicidade e boa sorte.

Dia dos Namorados na #CulturaSP!

No Dia dos Namorados, os apaixonados – ou quem está a fim de encontrar a cara-metade –  vão ganhar ainda mais opções para aproveitar a data. A campanha “É Dia de Museu”, criada pela Secretaria da Cultura do Estado para apresentar ao público a diversidade da programação dos museus paulistas, entra no clima e ganha um novo mote: “É Dia de Museu com o Crush”.

Para o dia 12 de junho, o site oficial da ação – www.cultura.sp.gov.br/diademuseu – está de cara nova e traz dicas de passeios e presentes para aproveitar a data de maneira original e divertida, mas sem perder o romantismo. E para ajudar os corações apaixonados (e o cupido também), a 99 vai apoiar a ação com o cupom 99DIADEMUSEU, que dará 30% de desconto (limitado a R$10,00 por corrida) a quem solicitar até duas corridas, das 9h às 18h, na categoria Pop com destino aos museus da Secretaria da Cultura na capital. O cupom é válido para pagamento com cartão de crédito cadastrado ou PayPal. Para usá-lo, basta inserir o código na seção “Cupom de Desconto” do aplicativo.

A partir da proposta de oferecer novas experiências aos visitantes, o site do “É Dia de Museu com o Crush” reúne sugestões de presentes das lojinhas dos museus, restaurantes e cafés que ficam nas instituições e até jardins ontem podem ser feitos piqueniques. Quem está sozinho, mas quer uma forcinha para encontrar seu crush no museu, pode fazer o teste desenvolvido especialmente para a ação, também disponível no site e nas mídias sociais da Secretaria da Cultura (@culturasp). Os museus que fazem parte do Sistema Estadual de Museus (SISEM-SP) também participam com sugestões de atividades.

Posteriormente, o site será atualizado tanto com as atividades que já fazem parte do calendário dos museus quanto com as informações das próximas edições da campanha “É Dia de Museu”.

Destaques da programação

 

Dentre os destaques na data, está a gratuidade do Museu da Imagem e do Som (MIS-SP) entre os dias 12 e 17 de junho. É uma boa chance para conferir a programação do Maio Fotografia 2018, com exposições, seminários e oficinas. Já no Museu da Casa Brasileira, os românticos ganham espaço com a “Oficina na Calçada – A Casa Estampada”, no dia 12, das 11h às 12h30, que vai ensinar a técnica da serigrafia a partir da foto de um casal visitante do museu.

Nada como um tranquilo passeio a dois em um jardim. Seis museus da capital (Museu Afro Brasil, Museu da Imigração, Casa das Rosas, Museu Catavento, Museu da Casa Brasileira e Museu de Arte Sacra) e dois no interior (Museu Felícia Leirner, em Campos do Jordão e o Museu Casa de Portinari, em Brodowski) possuem jardins muito procurados para ensaios fotográficos pré casamento. Alguns deles permitem a realização de piqueniques: Museu da Imigração, Museu Catavento, Museu de Arte Sacra e Museu Felícia Leirner.

Há também uma seleção especial de peças dos acervos dos museus que inspiram – ou são inspiradas – no amor. O Museu da Imigração, por exemplo, tem cartas do italiano Manuel Rodrigues Lama escritas em 1915, contando para sua esposa os detalhes da vida no Brasil. Já o Museu Afro Brasil é conhecido por suas esculturas e quadros que inspiram muitos casais na confecção de topos de bolos de casamento, os famosos “noivinhos”. E falando em casamento, no site do Museu Índia Vanuíre, sediado em Tupã, é possível conferir um vídeo de uma cerimônia tradicional da cultura Krenak, da Terra Indígena Vanuíre.

Não faltam dicas de presentes nas lojas dos museus: da gravura de Frida Kahlo no MIS-SP, passando por semijoias inspiradas no acervo do Museu de Arte Sacra, a seleção destacada pela campanha “É Dia de Museu com o Crush” atende todos os gostos e bolsos, com livros, canecas, cadernos, artesanato e até pó de café com blend especial do Museu do Café, em Santos.

Por fim, que tal um almoço ou lanche especial no museu? Boas sugestões não faltam: os restaurantes Santinho (Museu da Casa Brasileira), Flor Café (Museu do Futebol), Caffé Ristoro (Casa das Rosas), Cantina do Museu da Imigração, Cafeteria do Museu do Café e o Lualê, do Museu Felícia Leirner, oferecem um cardápio variado para os visitantes.

Museus da Secretaria da Cultura participantes

 

Na capital

Casa Guilherme de Almeida

Casa Mário de Andrade

Casa das Rosas

Museu Afro Brasil

Museu Catavento

Museu da Arte Sacra

Museu da Casa Brasileira

Museu da Diversidade Sexual

Museu da Imagem e do Som – MIS-SP

Museu da Imigração

Museu da Língua Portuguesa (ações extramuros e no ambiente digital)

Museu do Futebol

Paço das Artes (no MIS-SP e na Oficina Cultural Oswald de Andrade)

 

No interior e litoral

Museu do Café – Santos

Museu Felícia Leirner – Campos do Jordão

Museu Índia Vanuíre – Tupã

Museu Casa de Portinari – Brodowski

 

Museus que fazem parte do SISEM-SP – acesse www.sisemsp.org.br

Nova mostra da Pina Estação reflete sobre definições de arte moderna

Com curadoria de José Augusto Ribeiro, a Pinacoteca do Estado de São Paulo inaugura no dia 19/5 a exposição coletiva Mínimo, múltiplo, comum. A mostra, que ficará no segundo andar do edifício da Pina Estação, reúne mais de uma centena obras de seis artistas de gerações e círculos culturais diferentes: Amadeo Lorenzato (1900-1995), Chen Kong Fang (1931-2012), Eleonore Koch (1926), Marina Rheingantz (1983), Patricia Leite (1955) e Vânia Mignone (1967).

A exposição apresenta trabalhos caracterizados por figurações simples, planas e sintéticas, às vezes no limite da abstração. Essas imagens reproduzem, no geral, cenas de solidão – pelo isolamento de seres e objetos, ou pelos espaços vazios, sem presença humana. Realizados a partir de 1960, os trabalhos compreendem, juntos, quase sete décadas de produção pictórica no Brasil, desde a época em que ocorrem as primeiras mostras de Koch, Fang e Lorenzato, cujas produções foram confundidas com variações do “primitivismo”, até hoje, quando o circuito de arte contemporânea valoriza e acolhe sem mediações obras de artistas antes considerados “populares” e “ingênuos”.

“Muitas dessas obras continuam a ser tachadas de ‘ingênuas’, ou de ‘populares’, por conta de suas construções espaciais estiradas, paralelas ao plano bidimensional do suporte, sem uso da perspectiva; de suas figuras sumarizadas ao essencial da representação e muitas vezes assimétricas e das composições descentradas e com equilíbrios tensos. Estes aspectos descrevem qualidades fundamentais da pintura moderna, desde o final do século XIX, e estão presentes, de maneiras bastante diversas, em obras relevantes de artistas em atividade nos últimos 20 anos.”
José Augusto Ribeiro
Curador da Pinacoteca do Estado

As obras que compõem a mostra pertencem a mais de 60 coleções públicas e particulares de São Paulo e Belo Horizonte. Dessas, sete estão sob a guarda da Pinacoteca: seis integram o acervo do museu (sendo quatro trabalhos de Lorenzato, uma série de pinturas sobre xilogravuras de Vânia Mignone e a inédita “Gruta”, de Patricia Leite, recém-incorporada à coleção, por meio de doação do Iguatemi São Paulo), além de uma pintura pertence à Coleção Nemirovsky, que desde 2006 está em empréstimo de longa duração para a instituição.

Os artistas que compõem Mínimo, múltiplo, comum estão representados aqui com cerca de 20 trabalhos cada, escolhidos com o objetivo de formar um panorama representativo e abrangente dessas trajetórias. Isso faz da exposição a primeira em uma instituição pública de São Paulo a apresentar um conjunto tão significativo de obras de Amadeo Lorenzato – um artista que, em vida, realizou exposições apenas em Belo Horizonte. Amadeo tinha entre seus admiradores o artista mineiro Amilcar de Castro e hoje está em alta no mercado artístico do Brasil. Na exposição, o público tem também a oportunidade de ver, pela primeira vez, grupos importantes de obras de Chen Kong Fang, produzidas a partir de 1994, e de Eleonore Koch, hoje com 92 anos de idade, produzidas a partir de 2009.

A mostra apresenta, ao mesmo tempo, trabalhos inéditos de artistas brasileiras em atividade e que têm chamado a atenção no circuito internacional, como Patricia Leite, que acabou de expor em Bruxelas, na Bélgica, e Marina Rheingantz, que está atualmente em cartaz com uma exposição individual em Nova York. Além disso, Mínimo, múltiplo, comum antecede a participação de Vânia Mignone na 33ª Bienal de São Paulo, que será inaugurada em setembro.

 

Visite

#DiaDeMuseu – Confira a programação!

Quem já tem o hábito de visitar museus vai gostar da novidade. E quem tem vontade de incluir esse passeio na rotina vai ganhar mais um motivo a partir do dia 18/5, Dia Internacional dos Museus. Na próxima sexta-feira, será lançada a ação “É Dia de Museu”, campanha para apresentar ao público a diversidade da programação dos museus paulistas, que vai muito além das visitas expositivas.

Na ocasião do lançamento haverá programação especial na rede dos museus da Secretaria da Cultura do Estado, naqueles que integram o Sistema Estadual de Museus (SISEM-SP), além de ação em parceria com o Fundo Social de Solidariedade do Estado de São Paulo. A entrada em todos os museus participantes será gratuita e os visitantes serão convidados a contribuir com o “ingresso solidário”, que consiste na doação de uma peça de roupa para a Campanha do Agasalho. Em troca, vão receber um exemplar do Passaporte dos Museus, que garante uma entrada gratuita em cada um dos museus da Secretaria (mais informações abaixo). Uma tiragem de 10 mil exemplares exclusiva para a ação será distribuída por ordem de chegada.

ATUALIZAÇÃO (19/5): Restam poucos exemplares do Passaporte dos Museus, que serão distrubuídos neste sábado, 19/5, em alguns museus. São eles: Casa Guilherme de Almeida, Casa Mário de Andrade, Casa das Rosas, Memorial da Resistência, Museu Afro Brasil, Museu Catavento, Museu da Arte Sacra, Museu da Casa Brasileira, Museu da Imagem e do Som – MIS-SP, Museu da Imigração, Museu do Futebol, Pinacoteca Luz, Estação Pinacoteca/Memorial da Resistência

Para a Professora Lúcia França, presidente do Fundo Social de Solidariedade do Estado, a parceria dialoga com temática presente em diversas programações educativas dos museus: o fortalecimento da cidadania. “Museus podem ser instrumentos de transformação social e são fundamentais para conscientização de temas como empatia, acolhimento, entendimento da própria identidade e cultura de paz”, explica a Professora, que convida o público a mostrar suas visitas e doações nas redes sociais com a hashtag #museusolidario.

“Os museus da Secretaria da Cultura do Estado de São Paulo possuem acervos e atividades que permitem aprendizado e diversão, muitos com entrada livre ou ingressos com valores acessíveis - sem contar a gratuidade que ocorre na maior parte da rede aos sábados. Com essa campanha, queremos facilitar ainda mais o acesso do público à programação de atividades e ampliar o acesso à cultura. Museus não são somente locais de preservação de memória, mas também de criação de memórias pessoais, intransferíveis e inesquecíveis.”
Romildo Campello
Secretário da Cultura do Estado de São Paulo

Site permanente e novas experiências

 

A programação dos museus na data poderá se conferida em página permanente desenvolvida especialmente para a ação – http://cultura.sp.gov.br/diademuseu. Posteriormente, o site será atualizado tanto com as atividades que já fazem parte do calendário dos museus quanto com as informações das próximas edições da campanha “É Dia de Museu”.

As mídias sociais dos museus e da própria Secretaria da Cultura também informarão os seguidores sobre a programação temática, em postagens com a mesma identidade visual e com a hashtag #diademuseu.  Em datas específicas, o público poderá conferir programação temática ou mesmo sugestões de passeios que combinem com o dia selecionado. “Queremos inspirar novas experiências em momentos especiais. Um casal pode optar por celebrar o Dia dos Namorados com um passeio em um museu com restaurante, por exemplo. O objetivo da campanha é inspirar e cativar as pessoas a buscarem novas experiências a partir da programação e dos serviços oferecidos pelos museus”, explica Regina Ponte, coordenadora da Unidade de Preservação do Patrimônio Museológico da Secretaria da Cultura.

Nas datas com programações temáticas, os usuários serão convidados a postar suas fotos nas mídias sociais com a hashtag #diademuseu. As fotos irão fazer parte de uma galeria de imagens no próprio site da campanha: “os registros das experiências dos visitantes criam um espaço de compartilhamento dessas memórias no ambiente virtual”, finaliza a coordenadora.

 

Vá de 99

 

Os usuários do app 99 poderão, na sexta-feira, dia 18/5, das 9h às 18h, obter desconto em duas corridas da categoria Pop (carro particular) com destino a qualquer um dos museus participantes da ação em São Paulo. O cupom 99DIADEMUSEU dará 30% de desconto (limitado a R$10,00 por corrida) e é válido para pagamento com cartão de crédito cadastrado ou PayPal. Para usá-lo, basta inserir o código na seção “Cupom de Desconto” do aplicativo.

 

Museus participantes

Na capital

Casa Guilherme de Almeida, Casa Mário de Andrade, Casa das Rosas, Memorial da Resistência, Museu Afro Brasil, Museu Catavento, Museu da Arte Sacra, Museu da Casa Brasileira, Museu da Diversidade Sexual, Museu da Imagem e do Som – MIS-SP, Museu da Imigração, Museu da Língua Portuguesa (ações extramuros e no ambiente digital), Museu do Futebol, Paço das Artes (no MIS-SP e na Oficina Cultural Oswald de Andrade), Pinacoteca Luz e Estação

 

No interior e litoral

Museu do Café – Santos, Museu Felícia Leirner – Campos do Jordão, Museu Índia Vanuíre – Tupã e Museu Casa de Portinari – Brodowski

 

Museus que fazem parte do SISEM-SP

Acesse www.sisemsp.org.br

16ª Semana de Museus – Confira a programação!

Dia do Turismo: Conheça alguns destinos cheios de cultura!

Hoje é celebrado o Dia Nacional do Turismo! A data é uma homenagem ao dia 8 de maio de 1916, quando o Estado do Paraná oficializou um pedido para que as terras próximas às Cataratas do Iguaçu fossem desapropriadas para criação de uma zona turística.

São Paulo é repleto de destinos turísticos para todos os gostos, e muitos deles contam com espaços da Secretaria da Cultura do Estado. Está pensando em viajar nos próximos dias? Então confira as dicas:

Santos

Santos é a maior cidade do litoral de São Paulo, com 7km de praias. O jardim da orla santista é o maior desse tipo em extensão do mundo, de acordo com o Livro dos Recordes. Além da flora, Santos também possui diversos pontos turísticos super conhecidos, entre eles, o Museu do Café!

Inaugurado em 1922, o espaço funcionava como Bolsa Oficial do Café, onde eram negociadas riquezas do mercado cafeeiro para o país. O Museu promove exposições e atividades sobre a história do produto ao longo dos anos, além de abrigar lindas obras do artista Benedito Calixto.

O Museu do Café fica no Centro Histórico de Santos e é parada obrigatória para quem quer conhecer a essência da cidade! Fica na Rua XV de Novembro e funciona de terça a sábado, das 9h às 17h, e aos domingos, das 10h às 17h.

Secretaria da Cultura do Estado de São Paulo

Brodowski

Brodowski é uma das cidades que surgiram com a expansão da Companhia Mogiana de Estradas de Ferro no século XIX. Seu nome é uma homenagem ao engenheiro polonês Alexandre Brodowski, responsável pelo encaminhamento do pedido e pela construção da estação que deu início ao município.

Apesar disso, Brodowski é conhecida como “Terra de Portinari” por ser o local de nascimento do famoso pintor Cândido Portinari. A casa do artista é um dos maiores pontos turísticos da cidade. Preserva em seu interior diversas obras, incluindo murais nas parede e em uma capela nos jardins da residência, além de toda a história de Cândido. 

Vai passar por Brodowski? Não deixe de visitar a Casa de Portinari! O Museu fica na Praça que também leva o nome do pintor, e funciona de terça a domingo, das 9h às 18h, inclusive em feriados. O ingresso é voluntário, ou seja, pague o quanto – e se – puder.

Secretaria da Cultura do Estado de São Paulo

Campos do Jordão

Com o inverno e o friozinho se aproximando, Campos do Jordão se torna destino certo de muitas famílias! A subida da Serra da Mantiqueira e as baixas temperaturas características do município tem suas vantagens: além da gastronomia, as paisagens são de tirar o fôlego. E o céu de Campos do Jordão? Eternizado por muitos fotógrafos e apaixonados em cartões postais, é show garantido!

Entre os encantos da cidade, uma das quinze consideradas estâncias climáticas pelo Governo do Estado, está o Museu Felícia Leirner! Mesclando natureza e arte, o espaço abriga um conjunto de 85 obras de Felícia Leirner, de bronze, cimento branco e granito, está distribuído ao ar livre. Esse conjunto revela a paixão da artista pela natureza e pelo local, que foi considerado um dos mais importantes do gênero no mundo pela Revista Sculpture, do International Sculpture Center, de Washington D.C. (EUA), em 1987.

O Museu Felícia Leirner fica na Av. Dr. Luís Arrobas Martins, 1880, e funciona de terça a domingo, das 9h às 18h. Visite!

Secretaria da Cultura do Estado de São Paulo

Tupã

De origem indígena, o nome Tupã –  do Tupi-Guarani, Deus – faz uma homenagem aos nativos locais, os índios, que ainda hoje, habitam reservas na cidade. A cidade, fundada em 1929, atualmente é considerada estância turística. Seu crescimento se deve ao avanço da Companhia Paulista de Estradas de Ferro, que durante muitos anos levou a produção de café para outras partes do Brasil.

Para preservar e propagar a cultura indígena, tão forte na região, foi criado o Museu Índia Vanuíre. Seu nome é uma homenagem à Índia, considerada uma heroína pelo povo Kaingang, que ainda abriga a região. De acordo com a lenda, Vanuíre subia em um jequitibá de dez metros de altura, onde permanecia do nascer do dia ao cair da tarde entoando cânticos de paz.

Além das exposições permanentes e temporárias, o Museu Índia Vanuíre promove atividades de conscientização para aproximar o público das tradições indígenas de diversas tribos que ainda habitam o interior paulista. O espaço fica na Rua Coroados, 521, no centro da cidade, e funciona de terça a domingo, das 9h às 17h, inclusive em feriados. Assim como o Museu Casa de Portinari, também trabalha com o sistema de ingresso voluntário.

Secretaria da Cultura do Estado de São Paulo

Araras

Fundada pelo Barão de Araras e seu irmão, Barão de Itatiba, na década de 1860, fazia parte da Fazenda São Joaquim (no Município de Limeira) – propriedade que pertence até hoje a seus descendentes. Seu nome foi escolhido em referência ao nome do rio que corta a cidade, e também devido ao grande número dessa ave que havia na região. Assim como aconteceu com tantos outros municípios paulistas, Arara se expandiu por causa do cultivo do café e pela grande chegada de imigrantes italianos.

Para promover a cultura na cidade, o Governo do Estado possui o Teatro Estadual de Araras. Ao longo do ano, o espaço realiza programação diversificada, recebendo diversos espetáculos de dança, música, circo e muito mais. Inaugurado em 1991, o teatro foi projetado pelo arquiteto Oscar Niemeyer e leva o nome do maestro italiano Francisco Paulo Russo, que escolheu Araras para residir e lá inaugurou cursos, dirigiu corporações musicais, e muito mais.

O Teatro Estadual de Araras fica na Av. Dona Renata, 401, e a programação pode ser acessada aqui. Vai passar pela cidade? Adquira seu ingresso na bilheteria e aproveite o espetáculo!

10 anos de Encontro Paulista de Museus: veja trajetória e perspectivas

O tempo voa até mesmo para aqueles que são responsáveis por conservá-lo. O Encontro Paulista de Museus completa uma década em 2018, de 18 a 20 de julho, na capital, e muita coisa evoluiu de lá para cá, principalmente a paixão dos museólogos pela atividade.

São muitos agentes ligados ao setor que vislumbraram, com a criação do evento, uma oportunidade de fortalecer e qualificar ainda mais as instituições museológicas paulistas. A iniciativa é do Sistema Estadual de Museus (SISEM-SP), da Secretaria da Cultura do Estado de São Paulo.

 

IDENTIDADE

Nos primeiros quatro anos, cada edição do EPM foi concebida de maneira independente, sem, por exemplo, uma continuidade visual, o que acabou em 2013, quando o evento ganhou sua própria identidade. O objetivo, que depois se mostrou bem-sucedido, era dar ao evento uma marca única e duradoura, que permanecesse ao longo das próximas edições. A responsável por dar uma “cara” ao evento, foi a designer Paula Astiz.

"A cada edição desses primeiros encontros, foi usada uma identidade/linguagem diferente. Ao chegar à 5ª edição, a equipe do SISEM-SP sentiu a necessidade de consolidar melhor o evento. Então, surgiu a ideia de desenvolver uma logomarca mais sólida. Aliada à necessidade de consolidar o EPM, veio o anseio de reformular a marca do próprio SISEM-SP, em sintonia com a identidade do encontro."
Paula Astiz
Designer

A mudança do logo se deu no 5EPM e manteve-se desde então. A única variação ocorreu no 8EPM, com o 8 grafado em uma fonte diferente. Segundo a designer, tudo estava previsto nos planos. “O 8EPM coincidiu com a comemoração dos 30 anos do SISEM-SP, por isso um selo especial de 30 anos. A ideia subliminar é mostrar que esse sistema, ao longo das três décadas, abarca diversas vozes, diversos museus e diversos profissionais ligados ao mundo museológico.”

 

HISTÓRIA

No ano da primeira edição do EPM, o SISEM-SP e a própria cena dos museus no Brasil passavam por um período de reestruturação. O sistema buscava, então, intensificar a participação dos museus espalhados por todo território do Estado em sua dinâmica de trabalho.

“A criação de um evento periódico no calendário dos museus do Estado, dedicado às trocas e encontros, fazia sentido para que se fomentasse também os laços entre os profissionais e gestores de museus”, justifica o responsável pela coordenação da programação do 10EPM, Luiz Mizukami. Assim, o evento alinhava-se a outras iniciativas articuladoras, como a reestruturação do Conselho de Orientação do SISEM-SP (COSISEM-SP), a criação das Representações Regionais e a elaboração do Diagnóstico dos Museus do Estado de São Paulo.

 

PARCERIAS

As parcerias com instituições nacionais e internacionais também contribuíram para o sucesso do EPM nesta década. Tal caminho, além de ampliar a variação do alcance temático do evento, auxiliou na promoção do EPM além das fronteiras das instâncias governamentais e a validação do mesmo em círculos museológicos mais amplos. Trouxe prestígio ao evento paulista.

E nem poderia ser diferente. Participaram nomes de calibre como o Centro Cultural de Espanha (CCE-SP), presente nos três primeiros EPMs; o British Council Brasil, participante da 5ª à 8ª edição; e os consulados da Alemanha e França, durante o 9EPM. Pontualmente, também houve apoio da Fundação Bienal de São Paulo, MAM-SP, Museu Afro Brasil, Escola de Música de São Paulo Tom Jobim, Pinacoteca do Estado de São Paulo, Sala São Paulo e Sesc-SP.

 

EXPANSÃO

Como todo grande encontro de especialistas, o EPM foi ganhando robustez ao longo dos anos com a integração de outros eventos dentro de sua programação. É o caso dos encontros de prefeitos e secretários municipais de Cultura; eleições de representantes regionais e COSISEM-SP; visitas técnicas a museus da capital; mesas expositivas com fornecedores do setor museológico; e a instauração dos Painéis Digitais – apresentações em formato digital exibidas em televisores espalhados pelo local do evento com projetos desenvolvidos pelos museus paulistas relacionados à temática de cada edição. São itens que geraram ainda mais corpo e abrangência ao evento.

“O SISEM-SP é o primeiro sistema de museus criado no Brasil, antes mesmo do Sistema Nacional de Museus, descontinuado no governo Collor. Além de ter sido o primeiro, é também o único com atuação contínua desde sua criação”, realça Mizukami.

 

CADASTRO ESTADUAL

Além de ter sido histórica pelos 30 anos de SISEM-SP, a oitava edição do EPM, em 2016, marcou o início do Cadastro Estadual de Museus (CEM-SP), um dos maiores feitos da história do sistema. A ferramenta estabelece padrões normativos e sistematiza as informações sobre os museus paulistas, a fim de identificar as condições estruturais dos mesmos e auxiliá-los em busca de qualificação. Esse cadastro é tão importante que os eixos que sustentam seus parâmetros serviram como base para definir os temas apresentados no 9º, 10º — e também futuros EPMs.

“O Encontro Paulista de Museu passa, assim, a se inserir numa lógica de reforço à qualificação dos museus em torno dos parâmetros do CEM-SP.”
Davidson Kaseker
Diretor do Grupo Técnico de Coordenação (GTC) do SISEM-SP

DE VOLTA PARA CASA

Em 2018, O EPM, além de comemorar os 10 anos de atividades, celebra o retorno do evento à sua tradicional casa, agora completamente restaurada: o Memorial da América Latina, que havia sediado todas as edições do encontro até o incêndio, em 2013.

 

FUTURO

“Hoje, além de ser o maior evento do setor museológico paulista, em número de inscritos, o EPM tem a mesma capacidade de público do Fórum Nacional de Museus – que acontece a cada dois anos. Para o futuro, além do fortalecimento dos laços entre profissionais e interessados em museus, seguiremos com os debates tendo o CEM-SP como base e também na estruturação de propostas para uma política cultural específica para o setor museal”, promete Kaseker.

Exposição retrata história do ex-presidente Jango

Dedicada ao governo de João Goulart, abordando também sua trajetória pessoal, a exposição “Jango: a nossa breve história” está em cartaz no Memorial da Resistência de São Paulo. A mostra, que tem curadoria de Cláudia Beatriz Heynemann e apoio de André Gaetta, é apresentada pela da Secretaria da Cultura do Estado de São Paulo e pelo Arquivo Nacional, e marca os cinquenta e quatro anos do golpe militar.

"Em vez de falar sobre o período da ditadura militar, a ideia foi olhar para esse governo que foi derrubado, um governo democrático e, politicamente, um dos momentos mais interessantes da nossa história."
Cláudia Beatriz Heynemann
Curadora da exposição, em entrevista a TV Brasil (2014)

A exposição traz cerca de 160 fotografias do Arquivo Nacional e do Instituto João Goulart, além de um vídeo com a biografia de Jango, uma das mais importantes figuras políticas do Brasil republicano. As imagens retratam sua passagem como deputado federal, a ocupação da pasta da Justiça no segundo governo de Getúlio Vargas, a vice-presidência nos governos JK e Jânio Quadros, a eleição à presidência em 1961, o golpe sofrido em 1964 e os anos de exílio.

Esta é uma oportunidade de conhecer a fundo o perfil de João Goulart, em uma janela de acesso à política brasileira das décadas de 1950 e 1960.  Os visitantes poderão conhecer detalhes dos rumos partidários, dos movimentos sociais e do papel dos estudantes no país na época, em um cenário do pós-guerra e clima de irreversível mudança que se respirava no país.

"Esperamos que seja mais um motivo para que as novas gerações conheçam não somente o 'resgate de Jango', mas o resgate das lutas políticas daquele momento de 1964."
João Vicente Goulart
Filho de Jango, em entrevista a TV Brasil (2014)

Celebre o Dia Internacional Da Língua Portuguesa na #CulturaSP!

O Dia Internacional da Língua Portuguesa, comemorado em 5 de maio, será celebrado com três dias de educação e cultura na Estação da Luz, em São Paulo. A programação cultural, gratuita e aberta ao público, de 3 a 5 de maio, parte da pergunta “Qual é a sua língua portuguesa?” para percorrer a riqueza de sotaques e influências deste idioma: elo que ao mesmo tempo une e torna singulares os 9 países onde a língua portuguesa é falada  (Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Guiné Equatorial, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste).

A iniciativa, realizada pela primeira vez em 2017, vai reunir shows de música, apresentação de ‘slam’ (poesia falada), exposições, contação de histórias e oficinas, que unem tecnologia e múltiplas linguagens artísticas.

Sob os temas “Escritoras contam a história da língua portuguesa”, “A palavra como imagem”, “Poesia falada” e “O som das palavras”, a programação inclui, por exemplo, um show da cantora e percussionista moçambicana Lenna Bahule e uma performance da dupla de artistas audiovisuais VJ Suave, em que triciclos adaptados serão utilizados para projeções nas paredes da estação. Já a atriz Andi Rubinstein vai contar histórias de mulheres escritoras de Moçambique, do Brasil e Portugal.  Nessa mistura, o sarau de slammers, com curadoria da artista Roberta Estrela D’Alva, traz os sotaques das periferias, enquanto o show do grupo de rappers indígenas Bro MC’s une português e guarani. 

"A realização deste tipo de atividade, aberta ao público e em lugar tão importante para a identidade do paulista como a Estação da Luz, é uma forma de mantermos viva a alma do Museu da Língua Portuguesa, conhecido por ser um espaço de interatividade e pluralidade. Esta programação, seguindo o sucesso da edição de 2017, só reforça a ideia de celebração de nossa cultura e de nossa língua, que se reinventa e se renova a cada dia."
Romildo Campello
Secretário da Cultura do Estado de São Paulo

Para Hugo Barreto, secretário-geral da Fundação Roberto Marinho,  “comemorar o Dia Internacional da Língua Portuguesa, com uma programação diversa e gratuita na Estação da Luz, é celebrar a dinâmica e a pluralidade que constroem o nosso idioma”. “Faz parte da nossa essência e da missão do Museu da Língua Portuguesa compartilhar experiências, dialogar com os diversos públicos e promover ações educativas com professores, estudantes e todos que residem ou passam pela Luz todos os dias”, afirma Hugo.

“A promoção do nosso idioma é um dos pilares fundamentais da atuação sociocultural da EDP no País. Ela ganhou uma nova dimensão em 2016, com o Patrocínio Máster da reconstrução do Museu da Língua Portuguesa, uma ação que reflete nossa visão de que a língua que nos une é um patrimônio a ser preservado e valorizado”, afirma Miguel Setas, presidente da EDP no Brasil. 

“Esta iniciativa do Museu da Língua Portuguesa tem força positiva e simbólica na medida em que celebra uma data de união entre todos os falantes do português, mas também ao mesclar expressões artísticas diversas e sotaques falados nos diferentes países de expressão portuguesa”, observa o diretor do Itaú Cultural, Eduardo Saron. “Em um país onde o número de leitores é baixíssimo, como também a quantidade de livros publicados, é importante ter mais brasileiros lendo e mais brasileiros lendo mais. Conhecendo bem o idioma e sua história, isso se torna mais possível. Por isso apoiamos todas as iniciativas que corroboram e motivam as pessoas nesse sentido, como o Museu e o Oceanos – Prêmio Internacional de Literatura Portuguesa, que abrange todas as obras originárias de Portugal, Brasil e dos países da África que se expressam na língua portuguesa”, conclui.

Estação da Luz

No primeiro dia da programação cultural, 3 de maio, será inaugurada a exposição “Imagens da Reconstrução”, com fotografias de Tuca Reinés e Beto Guimarães que retratam a restauração das fachadas e esquadrias do Museu da Língua Portuguesa.

No saguão da Estação, serão apresentadas informações sobre os países de língua portuguesa. Outro destaque da celebração do Dia Internacional da Língua Portuguesa são as oficinas de montagem de maquetes da Estação da Luz, em que o público poderá refletir sobre a reconstrução do edifício e a preservação do patrimônio histórico e construir maquetes em papel da Estação.

A Língua Portuguesa é a quinta língua mais faladas do mundo, com mais de 260 milhões de falantes em todos os continentes. O Museu da Língua Portuguesa é uma iniciativa do Governo do Estado de São Paulo, por meio da Secretaria de Estado da Cultura, concebido e realizado em parceria com a Fundação Roberto Marinho. Tem como patrocinador máster a EDP, patrocinadores Grupo Globo, Grupo Itaú e Sabesp e apoio do Governo Federal, por meio da Lei Federal de Incentivo à cultura. O IDBrasil é a organização social responsável pela gestão do Museu.

 

Confira a programação

10h – Oficina de construção e customização de maquetes

A partir da construção de maquetes da Estação da Luz, a oficina valoriza a apropriação do patrimônio, incentivando a sua preservação.

12h – Literatura – Narração de história

A atriz e contadora de histórias Andi Rubinstein narra obras de três escritoras de língua portuguesa

14h – Oficina: A palavra como imagem

A oficina se dedica a refletir artisticamente e poeticamente o cotidiano urbano, criando produtos visuais que unem imagem e palavra com técnicas gráficas como estêncil, carimbo e xilogravura aplicadas em papel ou tecido.

17h – Poesia Falada – Zap!Slam – Zona Autônoma da Palavra

Roberta Estrela D’Alva e o Núcleo Bartolomeu de Depoimentos trazem poetas convidados para uma eletrizante batalha de poesia falada.

            Artes Visuais – Projeções: Suaveciclo – VJ Suave

           Suaveciclo é uma performance que utiliza triciclos audiovisuais adaptados com projetor, computador, caixas de som e baterias. Eles são usados como suporte para que personagens ganhem vida e percorram o espaço aberto, iluminando as paredes em grande escala.

18h – O som das palavras – Show: Lenna Bahule e João Taubkin

Lenna Bahule (voz/ percussão) João Taubkin (voz/baixo) apresentam show com repertório essencialmente autoral, que através da música constrói uma ponte imaginária entre dois países irmãos: Brasil e Moçambique.

10h – Oficina de construção e customização de maquetes

A partir da construção de maquetes da Estação da Luz, a oficina valoriza a apropriação do patrimônio, incentivando a sua preservação.

12h – Literatura – Narração de história

A atriz e contadora de histórias Andi Rubinstein narra obras de três escritoras de língua portuguesa.

14h – Oficina: A palavra como imagem

A oficina se dedica a refletir artisticamente e poeticamente o cotidiano urbano, criando produtos visuais que unem imagem e palavra com técnicas gráficas como stencil, carimbo e xilogravura aplicadas em papel ou tecido.

17h – Disco Aula – DJ Eugênio Lima

Em sua disco-aula, Eugênio Lima convida para uma viagem musical através do hip hop, trazendo um panorama da produção e suas influências.

18h – O som das palavras – Show: Bro MC’s

Primeiro grupo de rap indígena, com composições que misturam português e guarani.

10h – Oficina de construção e customização de maquetes

A partir da construção de maquetes da Estação da Luz, a oficina valoriza a apropriação do patrimônio, incentivando a sua preservação.

12h – Literatura – Narração de história

A atriz e contadora de histórias Andi Rubinstein narra obras de três escritoras de língua portuguesa.

13h – O som das palavras – Show: Peneira e Sonhador

Os repentistas Peneira e Sonhador são vistos diariamente no centro de São Paulo em grandes rodas de curiosos e transeuntes, atraídos pelos seus versos ligeiros e provocadores. São 20 anos de exercício poético pelas ruas alimentando a tradição oral da literatura de cordel.

Museu também é para se divertir: sete atividades para ir além do passado

Quem diz que museu vive apenas de passado deve ser porque não conhece São Paulo. É bem verdade que muitos dos museus paulistas são responsáveis por preservar a história, mas nas instituições da Secretaria da Cultura do Estado o visitante não olha apenas para trás. Em sua variedade, é possível realizar atividades com esporte, música, dança, teatro, fotografia, literatura, gastronomia e com a arte contemplar o presente e imaginar o futuro.

Confira as atividades que acontecem nos museus de São Paulo e a programação das próximas semanas:

Participar de palestras e bate-papos sobre temas variados

 

Palestras e discussões enriquecem o aprendizado em qualquer esfera, inclusive no esporte número um dos brasileiros. O Museu do Futebol irá promover, a partir do dia 26 de abril, um ciclo de palestras chamado “A História das Copas do Mundo”. A abertura do evento terá a apresentação inaugural do francês Clement Astruc, da Sorbonne Nouvelle Paris 3, que tem como pesquisa de doutorado a participação da seleção brasileira no Mundial de 1970.

No Museu da Imigração, na roda de conversa “Modo de fazer: o intangível das coisas”, o patrimônio intangível e suas materialidades são debatidos. No próximo sábado, 28 de abril, a sessão educativa discutirá as relações entre arte e cultura popular, com foco nos saberes e expressões indígenas, levantando os desafios e perspectivas em relação ao mercado.

No dia 26 de abril, às 14h, o Museu do Café, promove o “Pesquisando Documentos de Família”, que promove uma conversa sobre como pesquisar da melhor maneira a documentação da antiga Hospedaria de Imigrantes. O intuito é ajudar famílias a encontrarem informações sobre parentes no acervo digital do Museu da Imigração, parceiro nesta iniciativa. O encontro tem inscrições gratuitas.

Para oferecer aos participantes um diálogo sobre as iluminuras medievais, o Museu de Arte Sacra recebe, no dia 9 de maio o Padre Rodrigues Pires Vilela da Silva. O debate gira em torno do tema “Uma Antropologia Teológica a Partir das Iluminuras”. Trata-se de mais uma sessão do Café Teológico, que acontecerá às 17h e se estende até às 19h.

Secretaria da Cultura do Estado de São Paulo

Participar de contações de histórias

 

Senta que lá vem história… Diversos museus oferecem narrações de histórias para todas as idades. O Museu Afro Brasil oferece, todos os meses, a contação “Aos pés do Baobá”, que apresenta narrativas africanas ou afro-brasileiras ao público. No dia 28 de abril tem sessão às 11h.

Em 5 de maio, a história do Bairro da Luz, em São Paulo, é contada no Museu de Arte Sacra. Os doutores e mestres em História falam sobre o passado e o presente de um dos bairros mais queridos pelos paulistanos, que fala muito sobre o próprio quadro social da capital paulista.

Secretaria da Cultura do Estado de São Paulo

Participar de eventos de gastronomia

 

A fome e a vontade de aprender andam juntas em vários dos museus de São Paulo. É o caso do Museu da Casa Brasileira, que abre as portas de seu belíssimo espaço público para piquenique dos visitantes. A organização, porém, lembra que a atividade deve ser organizada como um encontro informal, não podendo ser caracterizado como evento privado. Leve suas frutas, bolos, salgados e refrescos e aproveite para fazer aquele lanchinho após contemplar as mostras e atividades do MCB. Respeitando as regras, a atividade fica ainda mais segura.

Para quem não dispensa um bom café, é possível degustar o fino da bebida. O Museu do Café oferece degustação de café gourmet todo sábado e domingo em quatro horários: 10h30, 12h, 15h e 17h. Os participantes têm a oportunidade de degustar três tipos de café, utilizando o tradicional método coado, muito comum nos lares dos brasileiros, e aprender um pouco mais sobre as características e peculiaridades de cada grão.

Secretaria da Cultura do Estado de São Paulo

Cantar e dançar

 

Museus também são espaço para soltar a voz e cair na dança. A edição de abril do programa “Notas Contemporâneas” do MIS traz o compositor, produtor musical e cantor paulistano Carlinhos Vergueiro. O artista participa de um bate-papo sobre sua carreira, mediado pelo jornalista Cadão Volpato, enquanto a Banda MIS interpreta seus grandes sucessos no palco. O show acontece dia 25 de abril, às 20h, no Auditório MIS, para 172 pessoas.

Dois dias depois, “SPIO: Improvisadores em Orquestra” entram em ação com sua sonoridade instrumentos e formação fora do comum. Esta orquestra paulistana faz com que cada uma de suas apresentações se mostre única, então cada oportunidade tem de ser aproveitada, como no próximo dia 27, às 19h, na Casa das Rosas.

No “Música no MCB”, no Museu da Casa Brasileira, é a vez do Speakin’ Jazz Big Band demonstrar todo seu talento nesta série de apresentações, que está em sua 19ª temporada. A big band formada em 2011 por músicos com experiência em orquestras e em grupos instrumentais populares leva o seu conhecimento para compor um repertório misto do swing clássico até o jazz refinado. É dia 29 de abril, às 11h.

Ensemble Brasileiro | Divulgação

Aprender na prática em oficinas e cursos

 

O que não faltam na programação dos museus de São Paulo são oficinas e cursos interessantes. Na Casa Guilherme de Almeida, o cineasta e crítico de cinema Alfredo Sternheim dá o curso “O Humor no Cinema Norte-Americano” nos dias 2, 9, 16 e 23 de maio, das 19h às 21h. O curso contará a história de Hollywood por meio do gênero comédia, das primeiras criações no cinema mudo de Mack Sennett, Chaplin, Buster Keaton Keaton e Harold Lloyd às comédias sofisticadas dos anos 1930 aos 1950.

Para os amantes do futebol, o Museu do Futebol realiza, no dia 28 de abril, uma visita educativa ao Estádio Pacaembu, seguida de acompanhamento dos educadores no museu. Durante a programação, os participantes conhecerão a importância do estádio, patrimônio histórico e arquitetônico da cidade de São Paulo, e sua relação com a história do futebol e do país. Até 40 pessoas.

“As Palavras e as Casas” é uma oficina promovida pelo Museu da Casa Brasileira. Nela, os participantes dão os seus relatos afetivos e a partir disso a equipe de artistas-educadores do próprio MCB elaborarão transcrições poéticas com máquinas de escrever. No dia 25 de abril tem mais uma seção, das 10h30 às 12h.

Secretaria da Cultura do Estado de São Paulo

Assistir a filmes de graça

 

O Museu de Arte Sacra, por meio do programa “Cine Debate”, exibe filmes e promove discussões a respeito do conteúdo exibido entre os participantes. No dia 19 de maio, o museu apresenta o filme “Alexandria”, com debate mediado pelo Prof. Sidnei Ferreira Vares.  Não é preciso fazer inscrição, e as 50 vagas são por ordem de chegada.

A Casa Guilherme de Almeida tem um espaço para transmissão de filmes ao público: a Sala Cinematographos. No dia 28 de abril, a Sessão Versátil traz “O cinema de Robert Bresson”, com Fernando Brito e Raphael Cubakowics, das 10h às 18h. As vagas são limitadas para 50 pessoas. Importante cineasta e crítico francês, Bresson desenvolveu uma linguagem própria que influenciou a geração da Nouvelle vague e testou os limites sobretudo da direção de atores em cena. Após uma introdução à sua obra, será exibido o filme Um condenado à morte escapou (1956).

Mensalmente, o Museu da Imagem e do Som abre espaço para novos talentos do cinema com o programa Cine MIS. A programação é disponibilizada no site http://www.mis-sp.org.br/. Já a Casa das Rosas também promove, constantemente, sessões de cinema ao ar livre, no jardim do museu. A programação é gratuita e não precisa retirar ingressos.

Secretaria da Cultura do Estado de São Paulo

Participar de programações para bebês, crianças e adultos

 

Muitos museus proporcionam atividades, brincadeiras e jogos para as mais variadas idades. O Museu Catavento oferece possibilidades de interação e programação interativa. O projeto “Na Pista Certa”, por exemplo, crianças podem ter uma experiência lúdica de vivência no trânsito, conscientizando sobre responsabilidade e segurança. Já o “Dinos do Brasil” mostra um tour virtual de 30 minutos que leva os visitantes a uma aventura pela pré-história até a Era dos Dinossauros, usando óculos de realidade virtual.

Crianças e adultos podem se divertir no estúdio Retratos de Época do Museu da Imigração, fazendo uma verdadeira fotografia à moda antiga. Eles podem vestir trajes de época e tirar uma foto no ambiente do museu, obtendo uma foto tratada no estilo antigo.

Todo segundo domingo do mês, o Pinafamília, da Pinacoteca, propõe diversão, aprendizagem e cultura para pais e filhos. A Ilha de Atividades e Visitas para Família acontecem nos próximos dias 13 de maio, 10 de junho, 8 de julho, 12 de agosto, 9 de setembro, 14 de outubro, 11 de novembro e 9 de dezembro. Sempre às 15h, no auditório térreo, com distribuição de senhas com meia hora de antecedência com limite de 140 lugares.

Secretaria da Cultura do Estado de São Paulo

#MuseumWeek 2018! Veja como participar.

Os museus do Governo do Estado de São Paulo participam, de 23 a 29 de abril, da #MuseumWeek 2018, ação promovida pelo Twitter para instituições culturais de todo o mundo.

Por desempenhar um papel vital no desenvolvimento da sociedade, cultura, arte, ciência e educação ajudam a construir laços sem fronteiras entre as pessoas. Com base nisso, em 2018, os temas da semana estão relacionados à tolerância, cidadania e convivência. Para cada dia da semana, haverá uma hashtag diferente, representando um tema específico.

Coordenadora de mídias digitais da Secretaria da Cultura do Estado de São Paulo, Patricia Carvalho ressalta a participação na #MuseumWeek há alguns anos. “É uma ótima oportunidade para iniciar uma conversa com instituições de todo o mundo e conversar com nossos fãs e visitantes também. Além disso, nos ajuda a manter nossos perfis em mídias sociais atualizados e com espírito novo, moderno e global. Estamos felizes por fazer parte disso mais um ano”.

A riqueza e a amplitude de ações e atividades realizadas por um museu ganharam projeções maiores nos últimos anos com as mídias sociais. A #MuseumWeek é prova disso, e abriu novas possibilidade de comunicação para a construção de relacionamentos entre as instituições e o público.

Um dos participantes da #MuseumWeek 2018, o Memorial da Resistência de São Paulo aposta na força digital para mostrar que um museu pode ser muito divertido na internet. “Quando usamos a hashtag do #MuseumWeek, estimulamos discussões fundamentais sobre a função dos museus no mundo contemporâneo”, explica Marília Bonas, coordenadora do Memorial. “A perspectiva crítica das instituições sobre si mesmas – como a invisibilidade de alguns procedimentos e lacunas nas coleções, além da baixa valorização das áreas técnicas e os desafios cotidianos, acabam alcançando diversos públicos e fortalecendo toda a cadeia do museu”, comenta.

Daniela Alfonsi, coordenadora do Museu do Futebol em São Paulo, fala sobre a participação na #MuseumWeek. “É uma ótima oportunidade para mostrar o Museu do Futebol de forma criativa, além de participar de um evento de cultural que acontece em todo o mundo. A comunicação em um museu não poderia ficar longe das novas tecnologias e linguagens. Temos que participar dessa experiência para entender e propor novas maneiras de conversar com o público”, destaca Daniela. 

“Participar da #MuseumWeek é uma forma de espalhar notícias sobre as nossas atividades para todos os tipos de público, e também de saber mais sobre o que está rolando no mundo das artes. O Paço das Artes quer estar em constante diálogo com seguidores e visitantes”, complementa Priscila Arantes, diretora técnica e curadora do Paço das Artes.

Confira a lista dos temas diários:

– Segunda-feira (dia 23) – #womenMW – Dia dedicado às mulheres famosas nos campos da história, arte, cultura e ciência, bem como todas aquelas anônimas cujas vidas estruturam nossas sociedades.

– Terça-feira (dia 24) – #cityMW – Dia para um olhar especial sobre as nossas cidades, destacando o quanto a instituição compõe o cenário social e é parte integrante da cidade onde está instalada.

– Quarta-feira (dia 25) – #heritageMW – Dia para celebrar a herança cultural e social, desde o prédio em que a instituição está instalada até o seu acervo e o desejo de proteger e manter viva essa herança.

– Quinta-feira (dia 26) – #professionsMW – Dia para as instituições destacarem as habilidades que as mantêm vivas, ou seja, os profissionais que nela atuam.

– Sexta-feira (dia 27) – #kidsMW – Dia para mostrar como cada instituição se dirige às crianças e ainda celebra visões da infância na arte e na cultura.

– Sábado (dia 28) – #natureMW – Dia dedicado a mostrarmos a influência da naturezanas instituições.

– Domingo (dia 29) – #differenceMW – Dia dedicado a mostrar como as instituições representam a diferença na arte, ciência, história e vida social.

Estação da Língua Portuguesa chega à Santos

Com a marca de mais de 5 mil visitantes em Tatuí, a exposição itinerante Estação da Língua Portuguesa, que leva na bagagem acervos do museu (atualmente em reconstrução), segue viagem por São Paulo e faz sua segunda parada em Santos, onde ficará em cartaz de 6 de abril a 6 de maio, no Museu do Café (Rua XV de Novembro, 95 – Centro Histórico). 

A realização é do Ministério da Cultura, do Governo do Estado de São Paulo, por meio da Secretaria da Cultura, e da Arquiprom, proponente e produtora do projeto. O patrocínio é da CCR, Instituto CCR, Vivo, Sabesp, EDENRED Brasil e Ticket marca do Grupo, todos por meio da Lei Rouanet. O apoio na segunda cidade da itinerância é da Prefeitura de Santos.

“Quem visitar a Estação da Língua Portuguesa viverá um pouco da rica experiência do Museu da Língua Portuguesa, que apresenta um dos nossos maiores patrimônios: o idioma português”, afirma o Secretário da Cultura do Estado, José Luiz Penna.

  “O Totem, com painéis que apresentam uma prévia do conteúdo, o segmento O que nos une e o espaço Mundo Lusófono foram especialmente pensados e produzidos para a itinerância. E a mostra também traz a acessibilidade em seu conteúdo. O Mapa do Mundo conta com informações sobre os países que falam português, em braile; os Vídeos Culinária e Dança têm tradução em Libras; e a Linha do Tempo e os Falares Paulistas podem ser traduzidos em Libras com o auxílio de tablets” explica o arquiteto e sócio da Arquiprom, Fernando Arouca.

A exposição gratuita e ampliada ficará em cartaz de terça a sábado, das 9h às 18h, e aos domingos, das 10h às 18h. Depois de passar por Tatuí e Santos, a Estação da Língua Portuguesa viaja para Rio Claro, Taubaté, São Carlos e Bauru, cidades do estado de São Paulo que também receberão a mostra até dezembro de 2018.

Museu em Batatais inicia construção de reserva técnica

O Museu Histórico e Pedagógico Dr. Washington Luís, em Batatais, iniciou em meados de março as obras para a construção de uma reserva técnica, espaço destinado às peças que não estão em exposição. A previsão é que o local esteja pronto em agosto.

O projeto da reforma, elaborado pela arquiteta e urbanista Mariana Servidoni, é orçado em R$ 75 mil – vindos de repasse do ProAC Editas. Ele habilita o museu a atender parâmetros do Cadastro Estadual de Museus (CEM-SP), ferramenta do Sistema Estadual de Museus (SISEM-SP) da Secretaria da Cultura do Estado, que possibilita a qualificação das instituições museológicas paulistas. O Cadastro visa estabelecer padrões para sistematizar as informações sobre os museus em território paulista, identificando suas condições estruturais e atuando para a qualificação das instituições.

Dentro do CEM-SP, em especial no eixo Salvaguarda de Acervos, um dos parâmetros questiona justamente se a instituição possui uma área de guarda de acervo.

“Com a obra, teremos a possibilidade de rever todo nosso acervo e, mais importante, ter uma reserva que atenda ao papel de guarda e conservação dos museus”, explica a diretora do MHP Dr. Washington Luís e representante regional do SISEM-SP na Região Administrativa (RA) Franca, Alessandra Baltazar.

Além de ser um local adequado, com controle de luz e temperatura, a reserva técnica garantirá ao museu mais espaço para as exposições, maior rotatividade das mesmas, bem como um espaço apropriado para a pesquisa de documentos.

“É a obra mais importante que poderíamos fazer, pois o acervo do museu está exposto a vários fatores que aceleram a deterioração. Nosso maior desafio é garantir sua preservação, tornando-o acessível ao público”, completa a diretora.

Rede SP de Memória e Museologia realiza encontro

Reconhecimento de iniciativas desenvolvidas em todo Estado e rearticulação da própria rede. Esses são os objetivos do Encontro da Rede SP de Memória e Museologia Social, que acontece no dia 7 de abril, das 13h30 às 16h30, no Museu Republicano “Convenção de Itu”, em Itu. O Sistema Estadual de Museus (SISEM-SP) da Secretaria da Cultura do Estado é apoiador da iniciativa.

Estão convidados a participar da reunião comunidades, grupos, coletivos, profissionais, instituições e quaisquer iniciativas de base comunitária que atuam no campo da memória, patrimônio cultural e museologia.

O encontro debaterá o intercâmbio de experiências, com o fortalecimento de iniciativas já em andamento e apoio entre as partes; acesso a políticas públicas estaduais de apoio; como aumentar ainda mais a difusão do que é Museologia Social; e como promover a articulação com outras redes.

Ao longo do ano, outro objetivo do grupo é percorrer o Estado para divulgar e mapear projetos, compartilhar experiências e fortalecer as iniciativas que já estão em andamento.

“O SISEM-SP apoia a Rede SP de Memória e Museologia Social por identificar no grupo uma força capaz de reunir processos museológicos e museus comunitários ainda não devidamente mapeados em território paulista. O encontro é mais um passo para o fortalecimento da rede e para a troca de experiências entre seus participantes."
Davidson Kaseker
Diretor do Grupo Técnico de Coordenação (GTC) do SISEM-SP
“O encontro dá sequência e aprofunda uma série de atividades que já realizamos até o momento. Já promovemos, por exemplo, encontros de formação, oficinas de inventário participativo e mobilizações nacionais com outras redes estaduais e temáticas, como a participação na edição de 2015 do Encontro Paulista de Museus e em edições do Fórum Nacional de Museus.”
Juliana Siqueira
Laboratório do Bem-Viver, plataforma experimental

de Museologia Social de Campinas

MIS tem nova programação de cinema!

Foto de "Ed Mort" longa de Alain Fresnot - Acervo MIS

 

O MIS inicou uma nova programação, o Cinema Paulista Já!. Idealizado por Isa Castro, Diretora Cultural do Museu, o programa busca mostrar como o cinema paulista se renovou a partir de uma geração de cineastas independentes que fizeram seus primeiros longas-metragens de ficção nos anos 1980.

O programa traz, a cada edição, um personagem desta geração e uma retrospectiva de seus filmes. O primeiro convidado é Alain Fresnot, diretor de filmes como Lua cheia, Ed Mort, Desmundo e Família vende tudo. Para que esses filmes possam ser exibidos, a pesquisa não se resume ao acervo do Museu da Imagem e do Som, mas se estende a acervos universitários e de espaços como a Cinemateca Brasileira. A segunda edição do Cinema Paulista Já! Será em junho e tem como convidado André Klotzel.

Entre os filmes dessa geração que se destacam estão Asa Branca – um sonho brasileiro (1981), de Djalma Limongi Batista; A marvada carne (1985), de André Klotzel; Anjos da noite (1987), de Wilson Barros; A dama do Cine Shanghai (1987), de Guilherme de Almeida Prado; Cidade oculta (1986), de Chico Botelho; Jogo Duro (1986), de Ugo Giorgetti; Romance (1988), de Sérgio Bianchi e Feliz ano velho (1988), de Roberto Gervitz.

“O que nos diferencia de outras gerações era o espírito colaborativo: todos se conheciam, assim trocávamos experiências, emprestávamos equipamentos e atuávamos em diversas funções e em projetos de todos os amigos.”
Isa Castro
Diretora Cultural do MIS

 

Cinema Paulista Já! convida Alain Fresnot

 

Nesta primeira fase do projeto será realizada uma mostra de filmes com uma seleção de obras de Alain Fresnot, diretor de curtas como Nitrato e Amor que fica, e dos longas Lua cheia, Ed Mort, Desmundo e Família vende tudo. O Museu também apresenta uma exposição composta por fotos, cartazes e roteiros de filmes que traçam a carreira cinematográfica de Alain Fresnot, além de uma retrospectiva de suas obras de artes plásticas produzidas nos últimos dez anos. A programação ainda conta com um show do cineasta na abertura.

 

Exposição Alain Fresnot

A exposição traz materiais de divulgação de filmes dirigidos pelo cineasta, incluindo cartazes, folhetos, lambe-lambe, além de outros itens como fotos, roteiros, storyboard, maquete e tira de jornal. Já em seus trabalhos de artes plásticas, Alain Fresnot busca exercitar o componente lúdico que a prática artística traz consigo. A exposição faz um recorte da produção que o artista realizou nos últimos dez anos e apresenta a diversidade de técnicas e materiais que utiliza na criação das esculturas, tais como bronze, metal, aço, couro, plástico e madeira.

Programação

“É uma honra abrir o projeto Cinema Paulista Já!, no MIS. Em um cenário de crescimento vertiginoso da exibição dos filmes via streaming, que vem acompanhado da necessidade de regulamentação de cota no VOD, é cada vez mais necessário não apenas o esforço pela digitalização dos filmes em película, mas também o resgate da produção guardada nos acervos e a abertura de espaço para sua exibição, sob pena de perdermos nossas coisas, nossas histórias e nossa língua.”
Alain Fresnot
Diretor

18h00 | Abertura

20h00 – 21h00 | Show Disco de freio, samba de breque

Disco de freio, samba de breque é o nome do projeto musical, realizado em parceria com o músico e compositor Elio Camalle, que Alain Fresnot apresenta na abertura do evento. “O álbum é o resultado de minha parceria com o musico e compositor Elio Camalle. Adoro samba, sou letrista e poeta bissexto. Conheci o Elio ao fazer o casting para o filme Família vende tudo.”, conta Fresnot. Participam do show Rodolfo Gomes da Silva (cavaquinho), Alfredo Hacl Castro (percussão) e Douglas Alonso (percussão). No repertório, estão Cineasta brasileiro, Conselho, Sim, Ensina e Samba de breque, entre outras canções.

18h30 – 19h50 | Bate-papo sobre direção cinematográfica com Alain Fresnot mediado pelo cineasta Pedro Urizzi.

20h00 | Filmes

Capoeira (Dir. Alain Fresnot, Brasil, 1975, 10 min, 35 mm)

Sinopse: Cerimônia de batismo na capoeira na Barra Funda, o canto e a dança da luta nos anos 70.

Lua cheia (Dir. Alain Fresnot, Brasil, 1988, 85 min, 35 mm) Elenco: Lima Duarte, Otávio Augusto, Lúcia Alves, Antonio Abujamra

Sinopse: Guimarães (Lima Duarte) é um grande empresário duro e inflexível. No entanto, seu comportamento é totalmente modificado quando bebe. Uma das vítimas mais frequentes de sua dupla personalidade é seu chofer particular, Wellington (Otávio Augusto). Um casamento de conveniência é armado para unir Lia (Lúcia Alves), filha de Guimarães, a Montês (Roney Facchini), filho de uma família decadente, mas de prestígio.

20h 00

Ed Mort (Dir. Alain Fresnot, Brasil, 1996, 100 min, 35 mm) Elenco: Paulo Betti, Claudia Abreu, Ary Fontoura, Otavio Augusto

Sinopse: Em São Paulo, Ed Mort (Paulo Betti) é um detetive de nona categoria, que mora em um cubículo, está sempre sem dinheiro e no café da manhã come pastel e garapa (fiados, obviamente). Um dia, Ed é procurado por Dayse (Roseane Lima), uma sensual e misteriosa mulher que quer ajuda para encontrar o marido, que é um mestre em disfarce. Mas é o marido de Dayse que encontra Ed para revelar-lhe que descobriu na Delbono, uma indústria de salsichas onde trabalha, um maquiavélico plano. Ed se defronta com Nogueira (Ary Fontoura), o presidente da fábrica, e ainda precisa evitar o delegado Mariano (Otávio Augusto), um corrupto que sempre está perseguindo Ed.

20h00 | Filmes

Amor que fica (Dir. Alain Fresnot, 1986, 11 min, 35 mm)

Sinopse: Dois casais diferentes se relacionam num bar da moda. Uma troca de casais movida a fantasia e modernidade.

Desmundo (Dir. Alain Fresnot, Brasil, 2002, 100 min, DVD) Elenco: Caco Ciocler, Simone Spoladore, Osmar Prado

Sinopse: Em 1570, chega ao Brasil um grupo de órfãs enviadas pela rainha de Portugal para desposar os primeiros colonizadores. Entre elas vem Oribela, uma jovem sensível e religiosa. Contra sua vontade, ela se casa com Francisco de Albuquerque, que a leva para seu engenho de açúcar. Apesar de rude, Francisco trata Oribela respeitosamente: quer que ela seja a senhora da casa, mãe de seus filhos brancos. Contudo, na fazenda moram a mãe e uma jovem irmã de Francisco, num estranho e incestuoso núcleo familiar. Certo dia, aproveitando a passagem de Ximeno, um comerciante vendedor de escravos, Oribela foge. Ela quer pegar um navio e voltar para Portugal, mas o marido a captura. Furioso, ele a acorrenta num galpão. Sozinha e ferida, a jovem passa os dias chorando. A índia que lhe leva comida é quem, pouco a pouco, ajuda-a em sua recuperação.

20h00| Filmes

Pé de pato (Dir. Alain Fresnot, 1994, 10 min, 35 mm)

Sinopse: Apelido popular dado aos “justiceiros”, assassinos a serviço dos comerciantes que fazem chacinas pela periferia de São Paulo, ontem e hoje.

Família vende tudo (Dir. Alain Fresnot, 2011,90 min, DVD). Elenco: Lima Duarte, Vera Holtz, Caco Ciocler, Marisol Ribeiro, Luana Piovani

Sinopse: Uma família com dificuldades financeiras – após a apreensão de suas muambas vindas do Paraguai – tem uma brilhante ideia: fazer com que a filha Lindinha engravide do famoso cantor Ivan Carlos para, assim, garantir uma pensão que tire todos do sufoco. Eles planejam o dia em que a garota deve sair com o astro para engravidar e passam a acompanhar sua agenda de shows. Mas só não contavam com um detalhe: a ciumenta Jennifer, mulher de Ivan.

Casa Guilherme de Almeida recebe doação de livro raro com dedicatória de Oswald de Andrade

A Casa Guilherme de Almeida recebeu a doação do livro “Oeuvres de Alphonse Daudet”, edição de 1885. O exemplar torna-se único pela dedicatória do modernista Oswald de Andrade ao poeta e tradutor Guilherme de Almeida, que ganhou o livro de Oswald em 1917, como presente de aniversário.

O livro foi doado por Rodrigo Massi, assessor de Relações Internacionais da prefeitura de São Paulo, que o adquiriu em um sebo no centro de São Paulo. “Pela importância simbólica do livro, decidi que doaria para a Casa Guilherme de Almeida, onde deverá ser conservado e pesquisado por estudiosos“, afirma Massi.

Guilherme de Almeida ganhou o livro de presente de Oswald quando completou 27 anos e apresenta dedicatória, “muito íntima e bem-humorada”, como classifica Massi. O livro de Alphonse Daudet, poeta francês, contém três obras: as novelas “Les femmes d’artistes” e “Robert Helmont” e a série de textos “Études & paysages”.

O secretário da Cultura do Estado, José Luiz Penna, esteve presente à Casa Guilherme de Almeida. “Um país sem memória e um povo que não reverencia seus artistas é uma tragédia, por isso a importância desta doação e desta cerimônia”, ressaltou. Penna também lembrou que a Secretaria da Cultura do Estado tem uma comissão que já começou a pensar em eventos que comemorem o centenário da Semana de Arte Moderna de 1922.

O diretor da Casa Guilherme de Almeida, Marcelo Tápia, comemorou a doação: “Este livro se perdeu da coleção de Guilherme de Almeida e, com essa doação, ele agora retorna à biblioteca de seu dono original”. Tápia conta que, em 1917, Almeida e Oswald estavam muito próximos – inclusive, no ano anterior, tinham escrito juntos duas peças teatrais, em francês, “Mon coeur balance” e “Leur ame”. A proximidade de ambos está presente na dedicatória do livro de Alphonse Daudet, como no trecho em que Oswald cita “Miss Cyclone”, normalista com quem o modernista teve um relacionamento amoroso. Tápia ainda destaca anotações que constam do exemplar, feitas por Guilherme de Almeida.

32º Prêmio Design MCB abre inscrições para o Concurso do Cartaz

O Prêmio Design MCB, realizado pelo Museu da Casa Brasileira inicia os preparativos de sua 32ª edição com o Concurso do Cartaz. O objetivo da premiação, realizada anualmente, é promover a reflexão sobre o design brasileiro e incentivar o uso do cartaz como meio de expressão cultural.

Os interessados poderão se inscrever de 05 de março a 10 de abril e entregar até 14 de abril os trabalhos impressos e o termo de doação no MCB. O resultado do concurso será divulgado no dia 07 de maio. A participação é aberta a todas as pessoas físicas interessadas: brasileiros ou estrangeiros residentes no país há mais de dois anos, profissionais ou estudantes. A taxa de inscrição é de R$ 50,00 e estudantes terão 50% de desconto.

Este ano, o Concurso do Cartaz do Prêmio Design apresenta novidades para os participantes. Em sua 32ª edição foram adicionados dois pontos aos critérios de avaliação: facilidade de produção e de distribuição e, também, a não exigência do envio do cartaz em prancha rígida. Além disso, a fim de contribuir para a impressão dos cartazes dos participantes, o MCB disponibilizará, ao participante que assim o desejar, uma relação de gráficas parceiras, que ofertarão descontos especiais e facilidades de entrega. Por exemplo, quem mora em outro estado ou cidade, distante de São Paulo, poderá enviar o arquivo para impressão a uma dessas gráficas parceiras e essas se encarregarão da entrega das peças diretamente ao Museu.

A Mostra do Concurso do Cartaz e a promoção da votação popular visam estimular a participação do público no debate sobre a produção atual em design gráfico e a revalorização do cartaz enquanto peça gráfica central em campanhas de divulgação. Com isso, o Prêmio Design MCB reforça seu caráter de apoio à construção da identidade do design nacional, ampliando sua interação com o público e aproximando os visitantes dos temas vocacionais da instituição

Museu da Diversidade Sexual recebe bate-papo sobre deficiência física e sexualidade

O Museu da Diversidade Sexual, instituição da Secretaria da Cultura do Estado de São Paulo, recebe no próximo sábado, 17 de março, uma mesa aberta sobre deficiência física e sexualidade mediada pelo  produtor cultural Heitor Werneck. O encontro começa às 18h00. Os interessados devem chegar com meia hora de antecedência.

Uma das participantes do encontro será a atriz e dançarina Estela Lapponi, fundadora da companhia Incena 2.5, de São Paulo, que tem como objetivo a investigação artística do corpo com deficiência.

 

SERVIÇO

Mesa aberta Sexualidade  X  Deficiência física

Quando: 17 de março, sábado

Horário: das 18h00 às 20h00

Local: Museu da Diversidade Sexual

Estação República do Metrô – Piso Mezanino, loja 518

Entrada sugerida: Rua do Arouche, 24, República – São Paulo

Museu do Futebol recebe Taça do Campeonato Paulista

O Museu do Futebol  e a Federação Paulista de Futebol (FPF) se unem para levar para perto dos torcedores a taça do Campeonato Paulista de 2018, que estará em exposição na sede do Museu, no Estádio do Pacaembu, até 22/3, quando todos os visitantes poderão registrar sua foto junto ao troféu.

O Paulistão acontece desde 1902, sem interrupção, e é a competição de futebol profissional mais antiga e tradicional do Brasil. Seu primeiro campeão foi o São Paulo Athletic e quem recebeu a primeira taça foi Charles Miller, capitão do time e um dos pais do futebol no Brasil.

“Os troféus são desejados pelos times e também pelo público apaixonado por futebol. Exibir a taça do Paulistão é o começo de uma série de ações que pretendemos realizar junto a clubes e federações, trazendo aos nossos visitantes objetos representativos para somar à experiência do Museu.”
Eric Klug
Diretor Executivo da Organização Social de Cultura IDBrasil
“O troféu do Paulistão é objeto de desejo de jogadores, treinadores e profissionais do futebol. E colocá-lo em contato com o público do Museu do Futebol será uma grande experiência para que as pessoas sintam a vibração de uma taça moderna e, ao mesmo tempo, tradicional, o campeonato regional mais importante do país.”
Reinaldo Carneiro Bastos
Presidente da Federação Paulista de Futebol

Dentre os clubes que já disputaram o torneio, o Corinthians é seu maior campeão, com 28 títulos, e também o recordista em participações, com 103 no total. Palmeiras e Santos têm 22 conquistas e o São Paulo soma 21. O Guarani tem 65 participações e é o time do interior que mais disputou o campeonato, seguido da Ponte Preta (54) e Botafogo de Ribeirão Preto (52).

No dia da abertura da exposição, 06/3, a entrada para conferir a Taça e visitar o Museu será gratuita, assim como em todas as terças-feiras do ano. Nos demais dias, exceto às segundas quando o Museu é fechado, o ingresso tem o valor de R$ 12 e R$ 6 a meia-entrada. A partir da data, o Museu ampliará seu horário de visitação ao público em 1 hora por dia, funcionado, portanto, de terça a domingo, das 09h às 17h, com visitação até às 18h.

Raio-X do Paulistão

  • Até 2017, foram marcados 60.784 gols em 20.468 jogos
  • 110 equipes já disputaram o Paulistão
  • O Corinthians, com 103 participações é o recordista. Santos (102), Palmeiras (101), Portuguesa (92) e São Paulo (86) completam a lista
  • Foram cinco títulos de equipes do interior: Inter de Limeira, Bragantino, São Caetano, Ituano (por duas vezes)
  • Pelé é o maior artilheiro da história do Paulistão: 466 gols Foi artilheiro 11 vezes (1957, 1958, 1959, 1960, 1961, 1962, 193, 194, 1965, 1969, 1973)
  • Pelé fez oito gols em um só jogo: 21/11/1964 – Santos 11 x 0 Botafogo-SP
  • Pepe é o jogador mais vezes campeão do Paulistão, com 11 títulos
  • 49 jogadores foram campeões paulistas e da Copa do Mundo
  • Com 8 títulos, Lula e Vanderlei Luxemburgo são os que mais venceram o Paulistão como técnico
  • A maior goleada do Campeonato Paulista foi AA das Palmeiras 0x12 Paulistano, em 26/05/20
  • A final de 1977 entre Corinthians e Ponte Preta foi o recorde de público do campeonato: 146.082 no Morumbi
  • Com 29 jogos, o Morumbi foi quem mais sediou finais, seguido por Pacaembu (21) e Vila Belmiro (17)

Museu de Arte Sacra inaugura “Santo Sudário”

O Museu de Arte Sacra de São Paulo exibe “Santo Sudário: Entre a Fé, a Arte e a Ciência“. Por meio de cerca de 40 obras do acervo do Museu, entre esculturas, pinturas, objetos arqueológicos, além de plotagens de obras existentes em outros museus e igrejas, a mostra busca levar os visitantes a construir sua própria história do Sudário de Turim, a partir da união entre arte, ciência e fé.

"O Santo Sudário é considerado uma comprovação sagrada da passagem de Cristo para a eternidade."
José Carlos Marçal de Barros
Diretor executivo do Museu de Arte Sacra de São Parulo

Para esta nova mostra, o curador Jack Brandão, professor, mestre e doutor em Literatura, presenteia o público com uma verdadeira aula sobre o tema, baseado em considerações artísticas, místicas e científicas acerca do tecido que teria envolvido o corpo de Jesus após ser crucificado. “Procuraremos demonstrar como a relíquia transcende o religioso ao influenciar o artístico ao longo dos séculos, definindo, por exemplo, o rosto de Jesus; o histórico, ao nos fornecer preciosos dados arqueológicos sobre uma pena capital de séculos; o científico, de modo especial após sua primeira fotografia, quando passou a ser um dos objetos mais estudados no século XX, por diversas especialidades científicas”, comenta.

Inserida em um vasto campo artístico, a mostra apresenta estilos e técnicas de épocas variadas, trazendo esculturas e pinturas do acervo do MAS/SP, bem como objetos arqueológicos e reproduções de obras sacras datadas a partir do século XIV. Nas palavras do diretor executivo do MAS/SP: “Temos certeza de que o visitante apreciará, sobremodo, mais esta comemoração da Páscoa do ano 2018 de Nosso Senhor Jesus Cristo”.

A exposição “Santo Sudário: Entre a Fé, a Arte e a Ciência” poderá ser visitada a entre os dias 25/3 a 6/5/2018 no Museu de Arte Sacra de São Paulo.

Indivdual de Cesare Pergola no Museu de Arte Sacra

O Museu de Arte Sacra de São Paulo exibe Deposizioni – Arqueologia do Desenho, de Pontormo a Caravaggio, do artista multidisciplinar italiano radicado no Brasil Cesare Pergola. A individual exibe oito obras – em técnicas de modelação digital tridimensional, desenho a tinta sobre papel e vídeo instalação espacial – e propõe uma reflexão sobre os clássicos italianos do Renascimento e do Barroco, através de uma grafia contemporânea: a linguagem wireframe da computação digital.

Ao reconstruir obras bidimensionais em modelos digitais tridimensionais, o resultado que Cesare Pergola obtém é como uma arqueologia do desenho da peça original. Nesta nova mostra temporária do MAS, o artista reinterpreta o espaço da obra e sua composição, desde a perspectiva que existe no quadro. Para isso, foram escolhidas duas telas clássicas sobre uma cena comum: Cristo morto, deposto da cruz – história bem conhecida no mundo cristão ocidental. A primeira “tela-referência” é de Jacopo Pontormo, pintura a óleo sobre madeira, datada de 1526-1528, preservada na igreja de Santa Felicita em Florença. A segunda é de Michelangelo Merisi (Caravaggio), pintado em óleo sobre tela, feito entre 1602-1604 e mantido na Pinacoteca do Vaticano.


“O primeiro é um grande desenhista, temos vários estudos preparatórios da pintura. O segundo é conhecido por desenhar pouco, quase como se ele criasse o trabalho diretamente na tela. Caravaggio usa uma composição realista de seis caracteres, apoiando-se naquele grande paralelepípedo de pedra. O Pontormo, em vez disso, compõe uma cena maneirista e completamente irreal, são onze caracteres pendurados no espaço, quase sem gravidade”
MESSAGE-ICON
Cesare Pergola
Artista

A expografia de Deposizioni – Arqueologia do Desenho, de Pontormo a Caravaggio apresenta três momentos distintos. No primeiro, os visitantes encontram réplicas das obras de Caravaggio e de Pontormo, em tamanho original. “No segundo momento, as duas obras são transformadas em modelos digitais tridimensionais gerados por um programa de computador que os reproduz através de uma rede de pontos. As superfícies criadas desta forma, graças a outros programas, podem receber sombreados, cores e texturas digitais e ser transformados em modelos plásticos convencionais com o uso de uma impressora 3D”, explica Luciano Migliaccio, curador da exposição.  Por fim, são expostos os desenhos feitos por Cesare Pergola, em tinta preta sobre papel, sempre em escada 1:1. “São cinco anos que trabalho sobre essa pesquisa da reconstrução digital da realidade. Os objetos da pesquisa podem mudar, mas a linguagem permanece idêntica”, comenta o artista.

Movido por um forte interesse pelas grandes obras clássicas e suas narrativas, o artista relaciona sua criação com o panorama da arte contemporânea através de uma linguagem original advinda da pesquisa constante, pelo uso de ferramentas modernas – como o computador e a videoinstalação -, além da restituição do trabalho final em seus desenhos à mão livre. Nas palavras do diretor executivo do MAS/SP, José Carlos Marçal de Barros: “Graças a essa tecnologia e ao talento de Cesare Pergola, é possível a contemplação dessas obras-primas que, como poucas, tornam real e, mais do que nunca, presente o sacrifício daquele que veio ao mundo para nos salvar”.

A exposição “Deposizioni – Arqueologia do desenho, de Pontormo a Catavaggio” fica em cartaz no Museu de Arte Sacra de 25/3 a 06/5/2018.

Feira Sabor Nacional chega à 6ª edição no MCB

O Grupo FSN e o Museu da Casa Brasileira, instituição da Secretaria da Cultura do Estado de São Paulo, se unem para realizar a 6ª edição da Feira Sabor Nacional. Com o objetivo de fazer os visitantes refletirem sobre os diversos sabores do Brasil, a feira gastronômica de pequenos produtores nacionais acontecerá no terraço e jardim do Museu com 90 expositores, praça de alimentação e oficinas gratuitas, nos dias 24 e 25/3, das 10h às 20h. A entrada é gratuita.

A Feira Sabor Nacional completará dois anos em julho e já é considerado um dos principais eventos gastronômicos de São Paulo. Segundo o Grupo FSN, o evento atrai cerca de nove mil pessoas, gerando diversos negócios.

“A feira conta com vários atrativos, mas um deles é, com certeza, a quantidade de novidades que os visitantes podem conferir nos dois dias. Além dos novos produtos a cada estande, é possível conferir também suas histórias, recheadas de sabor e carinho.”
Elson Reys
Fundador do Grupo FSN

A curadoria traz, a cada edição, um mix de inovação e originalidade, que refletem os rumos da gastronomia. Este ano, por exemplo, a praça de alimentação contará com variadas opções de comidas e bebidas: do sanduiche ao acarajé, dos pratos nordestinos ao pão de queijo, da cachaça ao cafezinho.

Outra novidade é a oficina do Educativo do MCB que abordará PANCs (Plantas Alimentícias Não Convencionais) e acontecerá no jardim do Museu, identificando várias espécies. Além desta, estão previstas outras oficinas por parte da feira, como de confecção e customização de caderno de receitas e aula de crochê, em que os visitantes aprenderão a fazer um descanso de panela.

“O MCB valoriza iniciativas como a Feira Sabor Nacional, que cria oportunidade de acesso aos pequenos produtores. Temos outras feiras previstas em nossa programação ao longo do ano que incentivam a produção artesanal e os empreendedores da economia criativa brasileira.”
Miriam Lerner
Diretora geral do Museu da Casa Brasileira

Imagens do Canal 100 homenageiam os camisas 10 do Brasil!

Dez dos principais jogadores que usaram a camisa 10 em clubes e na Seleção Brasileira serão homenageados em uma série especial, que vai mostrar a trajetória de nomes históricos como Jairzinho, Rivellino, Zico, Tostão e Pelé. A iniciativa é da produtora Ovo Em Pé, que irá ilustrar as trajetórias com o acervo histórico do Canal 100. A série com 20 episódios – dois sobre cada personagem – será exibida no Esporte Interativo e terá a Petrobras como patrocinadora cultural para restauro da digitalização das imagens utilizadas.

Entre os dias 12 e 16/3, serão realizadas entrevistas com os ex-jogadores e outros atletas, ex-atletas e treinadores que fizeram parte da trajetória profissional dos Camisas 10 escolhidos para o projeto. As gravações serão realizadas no Museu do Futebol, instituição da Secretaria da Cultura do Estado de São Paulo, no Estádio do Pacaembu, em São Paulo, e o público poderá assistir in loco – no auditório, mediante inscrição prévia, ou em um telão montado no interior do museu. Serão mais de 30 entrevistas, além de outras que precisarão ser realizadas em outras datas e locações. Haverá também captação de cenas dramatúrgicas nas dependências do estádio, com participação do ator Ricardo Corte Real. 

A partir de uma curadoria que considerou inclusive o acervo do Canal 100, foram definidos os dez personagens da série: Ademir da Guia, Dinamite, Dirceu Lopes, Gerson, Jairzinho, Rivellino, Tostão e Zico, além do já falecido Dida e do maior de todos, Pelé. As gravações serão acompanhadas pelo comentarista do Esporte Interativo Mauro Beting, que também produzirá um livro com a história dos dez personagens.

“A Ovo Em Pé tem muito orgulho de trabalhar com a história do futebol brasileiro e poder criar um projeto que irá mostrar para as novas gerações os jogadores que faziam a diferença, mostrando dentro de campo como a habilidade e liderança se aliavam ao amor pelo clube e os faziam merecedores da Camisa 10”.
Carlinhos Dornelles
Diretor Geral da Ovo Em Pé
“A camisa 10 é um dos maiores símbolos do futebol, que é a razão de ser do nosso Museu. Receber essas lendas é uma grande honra para nós e vai mexer até na programação de funcionamento. Vamos abrir o Museu ao público excepcionalmente em uma segunda-feira, dia 12, para que os visitantes possam acompanhar as gravações”.
Eric Klug
Diretor Executivo do Museu do Futebol
“É um privilégio para o Esporte Interativo contar essas histórias num formato tão dinâmico e com imagens que retratam tão bem o desempenho desses craques. Quem já conhece ou viveu esse período vai adorar relembrar e temos certeza de que a parte da nossa audiência que não viu esses Camisas 10 em campo vão se encantar com o futebol e com as realizações de cada um deles”.
Fabio Medeiros
Diretor de Conteúdo do Esporte Interativo

COMO PARTICIPAR

Para aqueles que quiserem assistir às gravações, o perfil do Canal 100 no Facebook disponibilizou o link para a inscrição. Acesse: https://goo.gl/MSVVTR

Encontro Paulista de Museus completa 10 anos e debate gestão e governança

A edição comemorativa de 10 anos do Encontro Paulista de Museus (10EPM) já tem data e local marcados!

A principal reunião dos museus paulistas ocorre de 18 a 20/7, no Memorial da América Latina – que depois de quatro anos, volta a sediar o evento. A iniciativa, organizada pelo Sistema Estadual de Museus (SISEM-SP), desenvolve em mesas de debates, conferências, workshops e painéis digitais o tema “Gestão e Governança”.

A escolha do tema dá sequência aos debates em torno dos três pilares que fundamentam o Cadastro Estadual de Museus, iniciados ano passado, quando o assunto do 9EPM foi “Infraestrutura e Segurança”.

10EPM
“O tema ‘Gestão e Governança’, ao lado da ‘Salvaguarda de Acervos’ e da ‘Comunicação e Serviços ao Público’, formam a base do CEM-SP. Sobre esses três tópicos, foram desenvolvidos os critérios capazes de qualificar os museus paulistas interessados em aderir ao cadastro. Nesta edição comemorativa, sob a ótica do tema, daremos sequência aos debates em torno do CEM-SP, frisando a relevância de se aderir a ele para a qualificação das instituições”.
Davidson Kaseker
Diretor do Grupo Técnico de Coordenação do SISEM-SP

Além de ser o principal encontro de museus paulistas, o EPM é referência além das fronteiras do Estado, com participação anual de mais de mil participantes, convidados nacionais e internacionais “de peso” no setor.

Além da simbólica marca de 10 anos, o 10EPM estabelece o retorno do evento à sua tradicional casa, agora plenamente restaurada: o Memorial da América Latina – que havia sediado todas as edições encontro até o incêndio, em 2013. Outro marco é que o EPM volta a ser realizado em três dias, tempo considerado ideal para abranger as conferências e mesas de debates, bem como toda programação paralela do encontro.

“O Encontro Paulista de Museus consolidou-se como o espaço ideal, para aqueles que trabalham, estudam e vivenciam os museus, se atualizarem, qualificarem e levarem essas experiências ao dia a dia de suas instituições – transformando o evento em um verdadeiro disseminador de ideias e propostas”.
Luiz Mizukami
Coordenador da programação do 10EPM

Esta, aliás, já possui atividades confirmadas, tais como eleições de novas representações regionais do SISEM-SP; oficinas ministradas em parceria com o Centro de Pesquisa e Formação do SESC; e seminário, no auditório do Instituto de Estudos Brasileiros da USP (IEB-USP), sobre a contribuição da professora Waldisa Rússio Camargo Guarnieri à museologia brasileira.

Outra ação mais uma vez presente no EPM são os Painéis Digitais: apresentações em formato digital a serem exibidas em monitores de TV instalados no local do evento e que, este ano, concentram-se nos temas “democratização de processos museológicos” e “ações de fomento à participação”.

Inscrições abertas para Painéis Digitais do Encontro Paulista de Museus

Estão abertas, de 5/3 a 20/4, aos museus de todo Estado, as inscrições para a participação nos Painéis Digitais do 10º Encontro Paulista de Museus (10EPM) – principal evento das instituições museológicas paulistas, organizado pelo Sistema Estadual de Museus (SISEM-SP). O evento acontece de 18 a 20/7, no Memorial da América Latina.

Os Painéis Digitais são apresentações em formato digital a serem exibidas em televisores espalhados pelo local do evento. Dois temas foram abertos para o recebimento de inscrições:

  1. “Democratização de processos museológicos” – com ações desenvolvidas pelos museus que contaram com a participação do público e da comunidade em seus processos institucionais (orçamento participativo, gestão colaborativa, curadoria compartilhada, identificação e/ou ressignificação do acervo, definição da programação etc).
  2. “Ações de fomento à participação” – aquelas que possibilitaram a apropriação do público e da comunidade do espaço do museu, como, por exemplo, com a realização de parcerias com escolas ou associações de bairro para a realização de evento em conjunto; mutirão com vizinhos para a realização de uma benfeitoria na vizinhança; implementação de uma horta comunitária; campanha de arrecadação de insumos etc.
“Os Painéis Digitais, além de complementarem as apresentações e temas dos Encontros Paulistas de Museus, constituem o espaço ideal para que os museus paulistas mostrem a um grande público os seus trabalhos. O objetivo é que as ideias apresentadas sirvam de inspiração para outras instituições, criando-se, assim, uma rede compartilhada de soluções”.
Davidson Kaseker
Diretor do Grupo Técnico de Coordenação do SISEM-SP

COMO PARTICIPAR?

Para participar dos Painéis Digitais do 10EPM, os museus devem encaminhar a apresentação por meio da ficha de inscrição disponível no link: https://docs.google.com/forms/d/e/1FAIpQLScd4iW9Czusiet7DmCNCfXyUHL6-sX2KN3SBZhogH7n3rTq_Q/viewform

Os selecionados serão divulgados em 27/04. Além disso, entre as apresentações selecionadas, até quatro de cada tema podem ser escolhidas para uma apresentação ao vivo no segundo e terceiro dias do encontro.

Detalhes para a elaboração dos Painéis Digitais estão disponiveis no link: https://www.sisemsp.org.br/epm/paineis-tematicos/. Após o 10EPM, todos serão disponibilizados no site do SISEM-SP (www.sisemsp.org.br). Dúvidas e informações pelo telefone (11) 3339-8111 e pelo e-mail sisem@sp.gov.br.

Curso gratuito sobre cinema e literatura LGBT!

No mês de abril a Casa Guilherme de Almeida tem um curso especial para o público que deseja aprender sobre Cinema e Literatura LGBT (mais…)

Mês da Mulher – confira a programação!

ENTREVISTAS

Daniela Alfonsi

“Machismo a gente enfrenta em qualquer área e eu acredito que o esporte é só mais uma delas”

Daniela é Diretora de Conteúdo do Museu do Futebol

Elizabeth
Del Grande

“Se um homem mata um leão por dia, a gente tem que matar três"

Elizabeth é percussionista da OSESP - Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo

Foto: Joca Duarte

Florangel Marquez

“Uma aula particular forma uma pessoa; uma escola de música forma um indivíduo que pensa em função de todos”

Florangel é integrante da Associação de Pais e Amigos da EMESP - Escola de Música do Estado de São Paulo

Inês
Bogéa

“Me instiga a encontrar novas possibilidades de criar espaços para a dança, seja nos palcos, nas palavras ou nas imagens".

Inês é Diretora Executiva e Artística da São Paulo Companhia de Dança

Renata
Perón

“Gostaria de comemorar o Dia Internacional da Mulher ao lado de outras mulheres. Hoje, não sinto que posso fazer isso”

Renata é recepcionista na SP Escola de Teatro e também é presidente da ONG CAIS - Centro de Apoio de Travestis e Trans

Valentina
Peleggi

“Na Itália não existe feminino para a palavra maestro. Ainda é percebido como um papel masculino”

Valentina é regente em residência da OSESP


DESAFIO
LITERÁRIO 2018

Livros de Escritoras

Queremos que você conheça mais livros escritos por mulheres e, para isso, criamos esse #DesafioLiterário!

Cada círculo contém uma categoria na qual o título precisa estar contido. Convide as pessoas que você conhece para participar e veja quantos pontos cada um vai conseguir marcar.

PROGRAMAÇÃO

Museu da Imigração

Visitas educativas especiais

Sábados e domingos de março às 11h00

Durante todos os finais de semana do mês de março, às 11h, as visitas guiadas pelos educadores do Museu da Imigração abordarão a presença das mulheres na história da migração para o estado de São Paulo.

Para participar dessas atividades é necessário se inscrever pelo e-mail inscricao@museudaimigracao.org.br.

Poesia no Concreto

11 de março

O Núcleo Educativo realiza, no dia 11/3, a atividade “Poesia no Concreto”. Nela, o público poderá questionar como as mulheres migrantes são representadas pelas mídias e quais notícias gostariam de ler sobre elas.

Para participar dessas atividades é necessário se inscrever pelo e-mail inscricao@museudaimigracao.org.br.

Informações

R$ 10,00 | Grátis aos sábados

Funcionamento: terça a sábado, (fechado às segundas) das 9h00 às 17h00 e domingos das 10h00 às 17h00

Acessibilidade no local

www.museudaimigracao.org.br

Local

Museu da Imigração

Rua Visconde de Parnaíba, 1316 São Paulo-SP
Metrô Bresser-Mooca (900m)

(11) 2692-1866

Gratuidade para mulheres no dia 8 de março (quinta-feira)

Casa das Rosas

Ciranda das Mulheres

Terças de março e abril às 14h00

A Casa das Rosas realiza, até 24/04, a oficina “Ciranda das Mulheres”, sempre às terças-feiras, às 14h.

Sarau das Pretas

17 de março às 19h00

Mulheres negras atuantes no cenário cultural periférico de São Paulo se reúnem no dia 17/3, sábado, às 19h, para o Sarau das Pretas.

Slam das Minas

15 de abril às 14h30

No dia 15/4, domingo, às 14h30, acontece o Slam das Minas (SP). Completando seu terceiro ano na Casa das Rosas, o Slam propõe uma batalha de poesia entre escritoras e slammers, visando garantir uma vaga feminina para a competição em nível nacional, o Slam BR.

Informações

Entrada gratuita

Funcionamento: terça a sábado, (fechado às segundas) das 10h00 às 22h00 | domingos e feriados, das 10h00 às 18h00

Estacionamento pago no local
Acessibilidade no local

www.casadasrosas.org.br

Local

Casa das Rosas

Av. Paulista, 37, Bela Vista – São Paulo-SP
Estação Brigadeiro do Metrô (850m)

(11) 3285-6986 | (11) 3288-9447

Pinacoteca

Exposição "Hilma af Klint"

À partir de 03 de março

A Pinacoteca abre sua primeira exposição do calendário de 2018 com “Hilma af Klint: Mundos Possíveis”, uma mostra individual da pintora sueca Hilma af Klint, que inclui 130 obras, com destaque para a série intitulada “As dez maiores”. Realizada em 1907, é considerada hoje uma das primeiras e maiores obras de arte abstrata no mundo ocidental.

#SmashtheGlass

07 de março

A Pinacoteca recebem atividades do evento #SmashtheGlass. Essa ação propõe a dar visibilidade ao assédio sexual sofrido por mulheres a partir da realidade brasileira. A roda de conversa na Pina acontece no dia 7 de março, as inscrições são limitadas e gratuitas e devem ser feitas no link: https://goo.gl/147GjD.

Os ingressos para a Pinacoteca custam R$ 6,00 (inteira) e R$ 3,00 (meia).

Materna em Canto

10 de março às 11h00

Sábado, dia 10/3, o museu recebe o "Materna em canto" a partir das 11h na Pina Luz (átrio – 2º andar). Fundado por Isadora Canto, esse é o primeiro e mais antigo grupo vocal composto por mães que cantam juntas transformando histórias da maternidade e celebração das dores e delícias de ser mulher em apresentação musical.

Informações

R$ 6,00 | Grátis aos sábados

Funcionamento: quarta a segunda (fechado às terças) das 10h00 às 17h30 (com permanência até às 18h00)

Estacionamento gratuito no local
Acessibilidade no local

www.pinacoteca.org.br

Local

Pinacoteca do Estado de São Paulo

Praça da Luz, 02 – Luz, São Paulo – SP

(11) 3324-1000

MIS - Museu da Imagem
e do Som

Mostra Viola Davis

De 06 a 08 de março, às 18h00 e às 20h30

O MIS realiza uma mostra gratuita de filmes da premiada atriz norte-americana Viola Davis. Serão duas sessões por dia, sempre às 18h00 e 20h30.

O evento é gratuito, mas é necessário retirar ingressos na bilheteria com uma hora de antecedência na recepção.

Brincando com a Tempestade

10 de março às 19h00

No dia 10 de março, a performance "Brincando com a Tempestade", da paulista Andreza Aguida, que será apresentada no Auditório MIS, às 19h00, com entrada gratuita, vai ilustrar como uma tempestade pode ser convidativa para a afirmação do poder feminino.

Informações

Entrada gratuita às terças-feiras. Aos sábados, acesso grátis às exposições do térreo e do acervo – consulte os valores dos ingressos das exposições e eventos

Funcionamento: terça a sábado, (fechado às segundas) das 10h00 às 21h00 | domingos e feriados, das 9h00 às 19h00

Estacionamento pago no local
Acessibilidade no local

www.mis-sp.org.br

Local

Museu da Imagem e do Som – MIS-SP

Av. Europa, 158 – Jardim Europa – São Paulo-SP

(11) 2117-4777

Gratuidade para mulheres no dia 8 de março (quinta-feira)

Museu do Futebol

Visibilidade para o Futebol Feminino

01 de março a 29 de abril
Terça a sábado, das 10h às 22h
Domingos e feriados, das 10h às 18h

“Composta por 11 painéis e três vídeos com roteiro de Marcelo Duarte e narração de Claudete Troiano, a mostra foi feita especialmente para viajar para outras localidades e colaborar, assim, para tornar mais conhecida a participação feminina no futebol”, afirma Daniela Alfonsi, Diretora de Conteúdo do Museu do Futebol.

A conquistas DELAS

07 de março às 19h30

Com o objetivo de inspirar mulheres que atuam ou desejam atuar como atletas, o Museu do Futebol realiza um debate sobre a luta das mulheres nos esportes. Aline Pellegrino, Magic Paula e Fofão participam do debate intitulado "As Conquistas Delas: a história oculta das mulheres no esporte", com mediação das Dibradoras.

O evento acontece no auditório do Museu, dia 7/3, quarta-feira, às 19h30, com entrada gratuita.

Informações

R$ 12,00 | Grátis às terças-feiras

Funcionamento: terça a domingo, das 9h00 às 18h00 (Bilheteria até às 17h00)

Estacionamento na Praça Charles Miller (Zona Azul)

www.museudofutebol.org.br

Local

Museu do Futebol

Praça Charles Miller, S/N – Pacaembu,  São Paulo- SP

(11) 3664-3848

Fábrica de Cultura Cidade Tiradentes

#SmashTheGlass

08 de março das 10h00 às 12h00

A unidade Cidade Tiradentes recebe parte da programação do #SmashTheGlass, evento realizado pelos Governos de São Paulo e do Canadá que discute o assédio sexual nos espaços públicos. A partir das 10h acontece uma roda de conversa com participação de Evelyne Coulombe, representante do consulado canadense; Lunna Rabetti, da Frente Nacional das Mulheres no Hip Hop; Renata Perón, presidente da Associação Centro de Apoio e Inclusão Social de Travestis e Sexuais (CAIS). Para moderar o evento, foi convidada Heloísa Alves, da secretaria de Desenvolvimento Social do estado paulista e ex-coordenadora estadual de Políticas para Diversidade Sexual.

Informações

Participação livre e gratuita

Funcionamento: de terça a domingo, (fechado às segundas) das 9h00 às 17h00

www.fabricadecultura.org.br

Local

Fábrica de Cultura Cidade Tiradentes

Rua Henriqueta Noguez Brieba, 281 – São Paulo/SP

(11) 2556-3624

Museu Índia Vanuíre

Atividades especiais no Dia da Mulher

08 de março às 09h00

No Dia da Mulher, o Museu Índia Vanuíre realiza uma palestra destinada aos alunos de Tupã e público espontâneo, para discutir temas relacionados à importância da valorização e do respeito às mulheres. A palestra será conduzida por uma mulher ligada à defesa aos direitos das mulheres.

08 de março às 14h00

O Dia da Mulher mostra à sociedade como o gênero feminino deve ser tratado todos os dias. Neste momento, o Museu índia Vanuíre realiza um sarau com o objetivo de enaltecer e valorizar as mulheres por meio de músicas e poesias.

Informações

Ingresso voluntário

Funcionamento: de terça a domingo, (fechado às segundas) das 9h00 às 17h00

Acessibilidade no local

www.museuindiavanuire.org.br

Local

Fábrica de Cultura Cidade Tiradentes

Rua Henriqueta Noguez Brieba, 281 – São Paulo, SP

(11) 2556-3624

Museu Casa de Portinari

08 de março das 09h00 às 18h00

Em comemoração a essa data, o Museu Casa de Portinari homenageia as mulheres com a apresentação de vídeo com retratos de mulheres pintadas por Portinari.

Informações

Entrada: ingresso voluntário

Funcionamento: terça a domingo, (fechado às segundas) das 9h00 às 18h00
Acessibilidade no local

www.museucasadeportinari.org.br

Local

Museu Casa de Portinari – Brodowski

Praça Candido Portinari, 298 – Brodowski/SP

(16) 3664-4284

Oficina Cultural
Oswald de Andrade

Teatro - “Quarto 19”

09 de março às 20h00
10 de março às 18h00

“Quarto 19”, peça inspirada no conto homônimo da escritora britânica Doris Lessing, fala sobre a liberdade das mulheres na sociedade patriarcal.

Palestra A Escrita da Dança com Inês Bogéa

17 de março às 10h30

Antes do bate-papo, haverá a exibição do DVD A Escrita da Dança, produzido pela Companhia, que aborda a história da dança cênica ocidental em suas principais vertentes – clássica, moderna e contemporânea, procurando mostrar as diferentes maneiras pelas quais o corpo se organiza no espaço e as inter-relações entre esses estilos cênicos. O material faz parte de uma série produzida pela São Paulo que conta com documentário, textos e sugestões de exercícios que dialogam com os Cadernos de Arte da Secretaria da Educação do Estado de São Paulo e procura estimular o conhecimento do universo da dança de maneira a apreciá-lo, refletindo e percebendo-o de forma criativa. Neste dia, os participantes também poderão assistir trechos dos ensaios na SPCD, além de receberem o DVD Escrita da Dança e certificado de participação, que será enviado por e-mail.

Teatro - "V.U.L.V.A."”

28 de março às 20h00

O espetáculo V.U.L.V.A investiga o lugar simbólico que a Vulva ocupa em nossa sociedade e se perguntar: Qual é o significado da negação de algo concreto e biológico como a Vulva? Que conhecimentos podemos obter dela? Por que os nomes usados para denominá-la geralmente são infantis e quase sempre colocados no diminutivo? Por que sempre esse movimento de diminuição?

Teatro - “6 gritos para o infinito”

28 a 30 de março às 20h00
31 de março às 18h00

“6 gritos para o infinito” é uma coreografia composta por seis histórias, contadas por seis mulheres, e tem como objetivo extrapolar os discursos e experiências de repressão ao experimentar um corpo cheio de potência, de resistência e de criação, expressando a busca da mulher pelo prazer e por seus sonhos.

Teatro - “Latinas”

30 e 31 de março às 17h00

O espetáculo “Latinas” apresenta personagens múltiplas que questionam o modelo do papel social da mulher latino-americana em São Paulo.

Informações

Entrada gratuita – é necessário retirar o ingresso com uma hora de antecedência.

Funcionamento: Segunda a sexta das 9h00 às 22h00 e aos sábados das 10h00 às 18h00

www.oficinasculturais.org.br

Local

Oficina Cultural Oswald de Andrade

Rua Três Rios, 363 – Bom Retiro, São Paulo – SP

(11) 3222-2662 | 3221-4704 
3221-5558 | 3222-9574 | 3222-4683

oswalddeandrade@oficinasculturais.org.br

Sala São Paulo

OSESP

08 e 10 de março

A Temporada Osesp 2018 – Natureza dos Sons abre oficialmente de 8 a 10/3, com a Osesp regida por sua diretora musical e regente titular Marin Alsop, apresentando a Sinfonia nº 7 de Mahler, a primeira peça que Marin regeu com a Orquestra, ainda como convidada, em 2011.

Informações

Sala São Paulo: 1340 lugares
Sala do Coro: 150 lugares

Recomendação etária: 7 anos

www.osesp.art.br

Local

Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo (OSESP) – Sala São Paulo

Praça Júlio Prestes, 16, São Paulo – SP

Bilheteria: (11) 3223-3966
Ingresso Rápido: (11) 4003-1212

ww.ingressorapido.com.br

Theatro São Pedro

Pedro e o Lobo

10 e 11 de março às 11h00

Uma história infantil contada por meio da música. Serão duas apresentações com entrada gratuita: sábado (10) e domingo (11), ambas às 11h00. A regência é da maestrina convidada Katarine Araújo, que comanda um grupo de músicos da Orquestra do Theatro São Pedro. E o ator e palhaço Wellington Nogueira, fundador do Doutores da Alegria, será o narrador dessa história. No dia 10, o evento é realizado em parceria com a Artematriz, e faz parte da Ciclovia Musical SP 2018.

Local

Theatro São Pedro

Rua Barra Funda, 161 – Barra Funda – São Paulo-SP (prox. ao Metrô e Praça Marechal Deodoro)

(11) 3661-6600 | 3667-0499 (bilheteria)

Memorial da Resistência

Sábado Resistente

10 de março às 14h00

O Memorial da Resistência realiza um encontro entre militantes feministas de diferentes gerações para debater as mudanças nas lutas das mulheres ao longo dos anos, tanto nas demandas quanto nas formas de ação, além das melhores estratégias para a conquista de direitos das mulheres.

Na ocasião, será exibido o documentário de curta-metragem “Nossa voz resiste!”, que traz a história de três mulheres brasileiras: uma comunicadora que denuncia a violência policial em sua comunidade, uma jornalista independente e uma militante que luta pela liberdade de expressão.

Informações

Entrada gratuita

Funcionamento: de quarta a segunda (fechados às terças-feiras), das 10h00 às 17h30, com permanência até as 18h00.

www.memorialdaresistenciasp.org.br

Local

Memorial da Resistência

Largo General Osório, 66 – Santa Ifigênia, São Paulo – SP

(11) 3335-4990

Biblioteca de São Paulo

Bate-papo Literário

10 de março das 14h00 às 17h00

Baseada na antologia intitulada Fantásticas, os autores Walter Tierno, Giulia Moon, Bruno Melo, Dany Fernandez, Josy Santos entre outros, .conversam sobre o protagonismo feminino na literatura e no cinema.

Clube da Leitura

29 de março às 15h00

O Clube da Leitura deste mês debate o livro "Os Contos da Aia", de Margaret Atwood, um romance distópico situado num futuro próximo, no qual uma sociedade fundamentalista cristã subjuga e explora mulheres, tirando delas seu individualismo e independência.

Informações

Entrada gratuita

Funcionamento: de terça-feira a domingo e feriados, das 9h30 às 18h30

Acessibilidade no local

www.bsp.org.br

Local

Biblioteca de São Paulo

Av. Cruzeiro do Sul, 2.630, São Paulo – SP
Estação Carandiru do Metrô – Linha Azul

Telefone: (11) 2089-0800 | (11) 3335-4990

Casa Guilherme de Almeida

A mulher no cinema

10 de março às 15h00
17 e 18 de março das 14h00 às 18h00

A Casa Guilherme de Almeida realiza em março duas atividades que falam sobre o papel da mulher no cinema: no dia 10/3, às 15h, acontece a palestra “Mulheres na Tela”; já nos dias 17 e 18/3, das 14h às 18h, a Casa realiza o curso “Olhar e resistência: A presença da mulher no cinema brasileiro”.

As atividade são gratuitas, mas é necessário inscrição nesse link.

Informações

Entrada gratuita

Funcionamento: de terça a domingo, das 10h às 18h.

www.casaguilhermedealmeida.org.br

Local

Casa Guilherme de Almeida

Anexo: Rua Cardoso de Almeida, 1943
Museu: Rua Macapá, 187 – Perdizes – São Paulo

(11) 3673-1883 / 3672-1391

Museu Afro Brasil

10,17 e 31 de março às 14h00

O Museu Afro Brasil realiza uma mediação com foco na presença das mulheres negras em seu acervo.

Neste percurso, os visitantes serão direcionados a perceber a importância e a contribuição histórica e estética de mulheres artistas, escritoras, líderes religiosas, entre outras personagens fundamentais da história brasileira.

Informações

R$ 6,00 | Grátis aos sábados

Funcionamento: terça a domingo, (fechado às segundas), das 10h00 às 17h00 (permanência até às 18h00)

Estacionamento pelo portão 3 (Zona Azul)
Acessibilidade no local

www.museuafrobrasil.org.br

Local

Museu Afro Brasil

Av. Pedro Álvares Cabral, s/nº – Pavilhão Manoel da Nóbrega – Parque do Ibirapuera, portão 10 – São Paulo-SP

(11) 3320-8900

Gratuidade para mulheres no dia 8 de março (quinta-feira)

Museu da Casa Brasileira

Música no MCB

13 e 18 de março às 11h00

O Museu da Casa Brasileira recebe a Orquestra Pinheiros com o show “Sophisticated Ladies”. A apresentação será no dia 11/3, às 11h00, com entrada gratuita. No dia 18/3, é a vez a Jazzmin’s Big Band, formada por 17 mulheres de diversas gerações com repertório voltado à música popular sem fronteiras.

Informações

R$ 10,00 | Grátis aos sábados, domingos e feriados

Funcionamento: terça a domingo, (fechado às segundas) das 10h00 às 18h00

Estacionamento pago no local
Acessibilidade no local

www.mcb.org.br

Local

Museu da Casa Brasileira

Av. Brigadeiro Faria Lima, 2705 – Jardim Paulistano – São Paulo-SP
CPTM Cidade Jardim (850m)

(11) 3032-3727

Gratuidade para mulheres no dia 8 de março (quinta-feira)

Museu Felícia Leirner

“A história da mulher contada através da moda e das décadas”

17 e 24 de março às 10h30
18 e 25 de março às 15h30

O Museu Felícia Leirner apresenta a história da mulher, a evolução da moda, da cultura e das conquistas femininas ao longo das décadas. Imagens, curiosidades, diálogos e sensibilizações serão utilizados para que todos possam mergulhar nesse universo e conhecer um pouco mais sobre a nossa própria história!

Informações

R$10,00 (inteira) e R$5,00 (meia estudante e idoso) – gratuita aos domingos

Cidadãos jordanenses não pagam mediante apresentação de comprovante de residência

Funcionamento: terça a domingo, (fechado às segundas) das 9h00 às 18h00

Estacionamento gratuito no local
Acessibilidade no local

www.museufelicialeirner.org.br

Local

Museu Felícia Leirner

Av. Dr. Luis Arrobas Martins, 1.880 – Campos do Jordão/SP

(12) 3662-6000

Gratuidade para mulheres no dia 8 de março (quinta-feira)

Museu Catavento

Exposição "Marie Curie"

18 de março

O Museu Catavento recebe a exposição “Marie Curie 1867-1934”, que traz os feitos da cientista que foi a primeira mulher a receber o Prêmio Nobel e única a ser condecorada duas vezes - Nobel de Física, em 1903 e de Química, em 1911.

Informações

R$ 10,00 | Grátis aos Sábados

Funcionamento: terça a domingo, (fechado às segundas), das 9h00 às 17h00 (Bilheteria fecha às 16h00)

Estacionamento pago no local
Acessibilidade no local

www.cataventocultural.org.br

Local

Catavento Cultural e Educacional

Palácio das Indústrias – Praça Cívica Ulisses Guimarães, s/no (Av. Mercúrio), Parque Dom Pedro II, Centro – São Paulo/SP

(11) 3315-0051

Biblioteca Parque Villa-Lobos

“Encontro Literário”

10 de março, das 14h00 às 17h00

Dia 10 de março, sábado, das 14h00 às 17h00, a BSP realiza o “Encontro Literário” que irá debater o protagonismo feminino na literatura e no cinema.

Para participar é necessário retirar senhas com 30 minutos de antecedência.

Clube da Leitura

23 de março às 15h00

O Clube da Leitura deste mês debate o livro "Mrs. Dalloway", um dos romances mais famosos de Virginia Woolf, que fala sobre os conflitos internos de Clarissa Dalloway, uma socialite ficcional que vive na Inglaterra pós-Primeira Guerra Mundial.

Sarau na BVL

24 de março das 12h00 às 17h00

A BVL recebe o Sarau do MISC – Manancial de Interligação de Projetos Sociais e Culturais. Desde setembro de 2012, quando nasceu o projeto, já se apresentaram mais de mil grupos e artistas periféricos em vários pontos e comunidade de São Paulo. Esta edição presta homenagem ao Dia Internacional da Mulher e terá a participação do músico Thera Blue, da Cia. Ballet Dança & Ritmo, entre outros convidados.

Slam das Minas

31 de março das 14h30 às 16h00

"Em homenagem ao Dia Internacional da Mulher e ao Dia da Poesia, a BVL recebe o Slam das Minas – SP, uma batalha de poetas destinada ao gênero feminino. O evento inicia com o microfone aberto e em seguida as poetas se enfrentam em três rodadas eliminatórias. Regras: somente textos autorais de até três minutos, sem objeto cênico, figurino e acompanhamento musical. O júri é escolhido na hora."

Informações

Entrada gratuita

Funcionamento: de terça a domingo e feriados, 9h30 às 18h30.

Acessibilidade no local

www.bvl.org.br

Local

Biblioteca Parque Villa-Lobos

Av. Queiroz Filho, 1205, Alto de Pinheiros, São Paulo – SP

(11) 3024-2500

Centro Cultural de Tatuí recebe a Estação da Língua!

27.02_MCW_GOVSP-CULT_INSTA_LINGUA

A exposição itinerante Estação da Língua Portuguesa, que leva na bagagem acervos do Museu da Língua Portuguesa (atualmente em reconstrução), retoma sua viagem pelo interior de São Paulo e fez sua primeira parada em Tatuí, onde fica até 24/3, no Centro Cultural de Tatuí (Praça Martinho Guedes, 12).

A itinerância traz conteúdos inéditos, que conversam com a museologia contemporânea e com a rica expografia de sons e imagens do Museu da Língua Portuguesa, que apresenta a língua portuguesa como patrimônios imaterial, viva e dinâmica, além de conteúdos já conhecidos pelo público.

Na área externa, a Torre Estação da Língua Portuguesa dá boas-vindas aos visitantes. Em As Origens, uma instalação cenográfica remete à ideia de estação ferroviária e de viagem de trem. Versos de Fernando Pessoa, Carlos Drummond de Andrade e Arnaldo Antunes, iluminados com LED em um painel metálico, convidam o público a entrar na exposição.

A viagem do idioma começa com um vídeo animação que mostra a formação da língua portuguesa e as rotas marítimas dos portugueses, que levaram o idioma para outras terras. Animação, narração e trilha sonora foram criadas especialmente para a mostra Estação da Língua Portuguesa. 

O vídeo “Sotaques”, com texto “O Paraíso são os outros”, de Valter Hugo Mãe, realizado pela Porto Editora e Miguel Gonçalves Mendes, com diferentes sotaques da língua portuguesa no mundo, abre o módulo O que nos une – ala composta por um painel interativo giratório, que apresenta dados dos países que fazem parte da CPLP (Comunidade dos Países de Língua Portuguesa). São eles Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Guiné Equatorial, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor Leste.

Desembarque reproduz a Linha do Tempo do Museu da Língua Portuguesa com a construção do idioma no Brasil, desde a chegada dos portugueses e o primeiro contato com as línguas indígenas, até os dias de hoje. Como novidade apresentada nessa viagem, ela está atualizada trazendo mais uma década em que relembra o novo acordo ortográfico e destaca novas palavras e expressões que surgiram com a influência da internet e das redes sociais.

Na ala Os trilhos três monitores touchscreen mostram palavras que vieram de outros povos e foram incorporadas ao português brasileiro. Espaço Lusófono, especialmente dedicado aos professores, é composto pelo vídeo “Raiz Lusa”, no qual especialistas falam sobre a construção da língua portuguesa.

O módulo Falares Paulista mostra em uma montagem lúdica um diálogo hipotético e poético entre pessoas com sotaques característicos de cinco cidades paulistas.

Trechos de 12 poemas são projetados e os versos ganham vida em um trabalho gráfico desenvolvido especialmente para a mostra.

Vídeos que compõem o acervo da Grande Galeria do Museu da Língua Portuguesa são apresentados no módulo O Mundo da Língua. Nele o visitante termina sua viagem assistindo aos vídeos “Culinária” e “Danças”, que mostram a relação entre língua e cultura. 

“A presença da Estação da Língua aqui vem somar a todas essas ações desenvolvidas pela Cultura de Tatuí”, declarou Davidson Kaseker, diretor do SISEM – Sistema Estadual de Museus.

José Salim, presidente da CCR/SPVias, falou sobre a importância da itinerância: “É uma honra, um orgulho muito grande. Estamos falando de um museu que já foi visitado por 4 milhões de pessoas em São Paulo, e que já foi escolhido o melhor museu do Brasil. A população vai se beneficiar muito com isso”.

Erik Klug, diretor da ID-Brasil, organização responsável pelo Museu, fala um pouco sobre a exposição: “Essas experiências dentro do Museu da Língua, com vídeos, fotos, imagens, recursos táteis, o público vai poder ter aqui, em Tatuí”.

Maria José Vieira de Carvalho, prefeita de Tatuí, finaliza: “Quero agradecer publicamente esta oportunidade, onde o nosso município abre a Temporada 2018 no interior paulista”.

#SmashTheGlass debate o assédio sexual – Participe!

“Mulher é vítima de assédio em metrô de São Paulo”.

“Mulher sofre assédio sexual dentro de ônibus na Avenida Paulista”.

“Transporte público é local onde mulheres mais sofrem assédio”.

“Mulher é espancada pelo marido dentro de casa”.

 

Em 2017, situações alarmantes como essas chamaram a atenção da mídia e do público. Para debater o tema, um dos mais polêmicos da atualidade, o Governo do Canadá no Brasil e a Assessoria Especial para Assuntos Internacionais (AEAI) do governo do estado de São Paulo promovem a segunda edição do #SmashTheGlass.

O evento será realizado em 7/3, na Pinacoteca, das 14h às 18h. Interessados  devem fazer inscrição pelo link  https://goo.gl/Dm1A2T. O evento é livre e gratuito, mas as vagas são limitadas.

Este ano, o #SmashTheGlass vai discutir a violência e o assédio em espaços públicos e a necessidade de melhorar o atendimento de mulheres vítimas de todo tipo de assédio, assim como estabelecer medidas mais eficazes para combater o abuso sexual. Em dois painéis o público será convidado a refletir sobre as “Violências diárias” e os “Avanços e desafios na luta contra a violência”.

Do primeiro painel participam Kelly Campos, presidente do Comitê da Diversidade da OAB de Suzano e colaboradora do Ativismo de Sofá; Cristiane Pereira, coordenadora do Centro de Referência e Apoio à Vítima (CRAVI), Marisa Sanematsu, diretora de conteúdo da Agência Patrícia Galvão e Maíra Zapater, Doutora em Direitos Humanos pela USP especialista em Direito Penal e Processual Penal. O painel terá ainda como moderadora a jornalista Sarah DiLorenzo da Associated Press. Compõem a segunda mesa,Tatiana Perrone, do Instituto Brasileiro de Ciências Criminais (IBCCRIM) como moderadora e as palestrantes  Samira Bueno, diretora do Fórum Brasileiro de Segurança Pública; Evelyne Coulombe, cônsul-geral do Canadá no Rio de Janeiro; Paula Sant´Anna Machado de Souza, coordenadora auxiliar do Núcleo de Promoção e Defesa dos Direitos da Mulher da Defensoria Pública (NUDEM).

Compõem o segundo painel, Tatiana Perrone, do Instituto Brasileiro de Ciências Criminais (IBCCRIM) como moderadora e as palestrantes  Samira Bueno, presidente do Fórum Brasileiro de Segurança Pública; Evelyne Coulombe, cônsul-geral do Canadá no Rio de Janeiro; Paula Sant´Anna Machado de Souza, coordenadora do Núcleo de Promoção e Defesa dos Direitos da Mulher da Defensoria Pública (NUDEM).

O objetivo é dar visibilidade ao assunto a partir da realidade brasileira.  “O assédio  é muito banalizado e muitas mulheres ainda têm dificuldade de identificar o ato”, diz Ana Paula Fava, chefe da AEAI .  “Os desafios da mulher ainda são muitos e a intenção é sempre colocar algum aspecto dessa realidade em pauta. O estado de São Paulo investe em treinamento policial e conta com uma rede atual de 133 delegacias especializadas em crimes contra a mulher, mas avançar e discutir é  necessário”, concluiu.

Para o Cônsul-Geral do Canadá em São Paulo, Stéphane Larue,  “é uma honra fazer parte dessa conversa tão importante para os avanços nos direitos das mulheres. Um dos principais compromissos do Canadá é combater a violência de gênero e ampliar a discussão sobre as causas, efeitos e maneiras de combater o abuso sexual. Quanto mais debatermos temas relevantes como este, mais poderemos direcionar nossos esforços conjuntos para melhorar a condição das mulheres na sociedade e conscientizar os homens da importância de combater a violência e o machismo cotidiano. Todos sofremos quando as mulheres sofrem violência.”

 

 #SmashTheGlass – 1ª edição

A primeira edição do  #SmashTheGlass, organizado pelo Governo do Canadá no Brasil e a Assessoria Internacional do governo paulista,  aconteceu  em 8 de março do ano passado, também na Pinacoteca, e reuniu cerca de 200 pessoas. Com a participação das vlogueiras Jout Jout e Ana Paula Xongani (Xongani Moda Afro), Nana Lima da ONG  Think Olga, Raquel Elita Preto (Preto Advogados), as canadenses Sylvie Faria (diretora da Mercuri Urval) e Alison Grant (ministra-conselheira da Embaixada do Canadá) e a então secretária-adjunta de Desenvolvimento Social do estado paulista Marina Bragante, foram discutidos os desafios e conquistas da mulher no mercado de trabalho e empreendedorismo.

Por definição, Smash The Glass traduz um conceito de que as mulheres enfrentam uma barreira invisível, mas intransponível, para alcançarem os postos de comando em estruturas corporativas. Significa que, por mais capacitadas e qualificadas que estejam para uma determinada função (em sua maioria a de maior responsabilidade e maior salário), acabam sempre ocupando cargos inferiores aos dos conquistados pelos homens.

“O Mundo que Queremos”

O “SMASHTHEGLASS” é o primeiro evento da agenda anual “O Mundo que Queremos”, organizada pela AEAI este ano em comemoração a Declaração Universal de Direitos Humanos que completa 70 anos em 10 de dezembro deste ano.  O documento foi assinado em 1948 por unanimidade durante a Assembleia Geral da ONU em Paris.
“O Mundo que Queremos” dá sequência a uma série de eventos da AEAI que contempla os direitos humanos para ampliar a discussão dos temas. Organizados em parceria com consulados e embaixadas, este ano serão 7 eventos, a maioria realizada em museus do estado paulista.
Nos últimos dois anos, a Assessoria Internacional viabilizou o Feirão do Emprego para Refugiados e Imigrantes, o #SMASHTHEGLASS e o POW3R em defesa dos direitos da mulher, o festival de cultura LGBT Diversa Fest, o Beya Kaya que promoveu o debate e a cultura das questões indígenas, entre outros.

 

Programação

A programação de “O Mundo que Queremos” tem apoio da Secretaria estadual da Cultura e foi organizada para contemplar os principais artigos da Declaração Universal dos Direitos Humanos.

Sempre com entrada gratuita, cada ação vai envolver integrantes da sociedade civil, representantes do governo e empresas, comunidade acadêmica e lideranças estrangeiras para o debate de pautas globais e urgentes como o assédio sexual, as cotas raciais, a homofobia, a causa de refugiados e imigrantes, entre outras que tratam os artigos da declaração estabelecidos como direitos fundamentais e ainda violados pelo mundo afora.
Os encontros de “O Mundo que Queremos” serão realizados sempre próximas a datas comemorativas como 8 de março (Dia Internacional da Mulher),  13 de maio (Abolição da Escravatura no Brasil),  28 de junho (Dia Internacional do Orgulho LGBT), 9 de agosto (Dia Internacional dos Povos Indígenas),  21 de setembro (Dia Internacional da Paz), 10 de outubro (Dia Internacional da Menina).

No dia 10 de dezembro, o último evento vai reunir todos os parceiros e demais convidados para uma grande festa reflexiva em celebração as 7 décadas da assinatura do documento.
Interessados em participar desta agenda anual – consulados, câmaras de comércio, fundações, organizações não governamentais e demais entidades – devem entrar em contato pelo e-mail aeai@sp.gov.br.

Você conhece o Futebol de Botão?

O Museu do Futebol realiza mais uma edição do seu já tradicional Torneio de Futebol de Botão no dia 25/2. Mas você conhece esse esporte?

Se nunca jogou, não se preocupe: continue a leitura que vamos te explicar!

O Futebol de Botão é um esporte 100% brasileiro que data de 1930. Já foi praticado mais intensamente por aqueles com mais de 40 anos de idade. Por isso, o Museu do Futebol tenta retomar essa tradição entre os mais jovens. Abaixo, um vídeo que fala um pouco mais dessa modalidade.

E aí? Se animou? Então hora de jogar! 😊

Veja abaixo algumas das principais regras e técnicas do Futebol de Botão:

Que tal colocar em prática seus conhecimentos – mesmo que só observando? O Torneio de Futebol de Botão acontece dia 25/2, das 10h às 17h30, na área externa do Museu do Futebol. Chama a sua galera e vem! ⚽

“Hilma af Klint: Mundos Possíveis” na Pinacoteca

Foto: Hilma Klint

Com patrocínio de Banco Bradesco e Ultra, chega pela primeira vez na América Latina uma mostra individual da pintora sueca Hilma af Klint (1862-1944), cujo trabalho vem sendo reconhecido como pioneiro no campo da arte abstrata e que passou despercebido durante grande parte do século XX.

Hilma af Klint frequentou a Real Academia de Belas Artes, principal centro de educação artística da capital sueca, mas logo se distanciou do seu treino acadêmico para pintar mundos invisíveis, influenciada por movimentos espirituais como o Rosa-cruz, a Teosofia e, mais tarde, a Antroposofia. Ela integrou o As cinco”, grupo artístico composto por artistas mulheres que acreditavam ser conduzidas por espíritos elevados que desejavam se comunicar por meio de imagens e já experimentavam desde o final do século 19 a escrita e o desenho automático, antecipando as estratégias surrealistas em mais de 30 anos.

A exposição inclui 130 obras. Destaque para a série intitulada “As dez maiores”, realizada em 1907 e considerada hoje uma das primeiras e maiores obras de arte abstrata no mundo ocidental, já que antecede as composições não figurativas de artistas contemporâneos a af Klint como Kandinsky, Mondrian e Malevich. Além deste conjunto, a exposição em São Paulo contará com algumas séries de obras que nunca foram apresentadas ao público.

 

A mostra da Pina tem curadoria de Jochen Volz, diretor geral da instituição, em colaboração com Daniel Birnbaum, diretor do Moderna Museet e da Hilma af Klint Foundation. “O trabalho de Hilma af Klint dialoga de certa forma com o sincretismo e a pluralidade de cosmovisões tão presente na cultura do Brasil. A serialidade encontrada em sua obra também aparece na arte brasileira, em especial no concretismo e neoconcretismo”, explica Volz.

O trabalho de af Klint foi exposto pela primeira vez em 1986 na mostra “The Spiritual in Art: Abstract Paintings 1890–1985”, realizada no Los Angeles County Museum of Art, mas apenas a grande retrospectiva organizada pelo Moderna Museet de Estocolmo em 2013 e, consequentemente, a sua itinerância pela Alemanha, Espanha, Dinamarca, Noruega e Estônia permitiu que o trabalho de af Klint fosse reconhecido internacionalmente. Há 10 anos suas obras participam de exposições realizadas na Europa e Estados Unidos.

Hilma af Klint: Mundos Possíveis” permanece em cartaz até 16 de julho de 2018, no primeiro andar da Pina Luz – Praça da Luz, 02. A visitação é aberta de quarta a segunda-feira, das 10h00 às 17h30 – com permanência até às 18h00 – os ingressos custam R$ 6 (inteira) e R$ 3 (meia). Crianças com menos de 10 anos e adultos com mais de 60 não pagam. Aos sábados, a entrada é gratuita para todos os visitantes. A Pina Luz fica próxima à estação Luz da CPTM. 

Novo curso de História da Arte da Pinacoteca terá intérprete de LIBRAS!

A aula inaugural gratuita e aberta ao público

(mais…)

Pinacoteca apresenta obra de Tunga no Octógono

Foto: "Tríade Trindade", obra de Tunga / Reprodução

Pela primeira vez, a Pinacoteca de São Paulo, apresenta “Tríade Trindade” (2001), do artista pernambucano Tunga, obra adquirida em 2016 pelo Programa de Patronos da Pinacoteca. Ela será exposta no Octógono a partir de 24 de fevereiro e a sua montagem baseia-se na primeira apresentação do trabalho, realizada durante uma retrospectiva do artista ocorrida no museu Jeu de Paume, de Paris (França), em 2001, onde luzes vermelhas coloriam a peça. A mostra tem patrocínio do Iguatemi São Paulo.

“Tríade Trindade” contém as cargas simbólica e energética que particularizam a produção de Tunga. Tanto por sua constituição física, de uma estrutura composta de metais e imãs com cinco metros de altura e quatro toneladas de peso, como pelas representações de trança, cabelereira, sinos, caldeirão, tacape, jarras, taças e outros objetos recipientes. Partes que têm em comum as formas orgânicas e, mais que isso, alusivas ao corpo humano; partes que se “ligam”, conectam-se por magnetismo, entrelaçamento, encaixe, e se dispersam, espalham-se pelo espaço”, explica José Augusto Ribeiro, curador da mostra.

A exposição representa também uma homenagem do museu ao artista, às vésperas completar dois anos de sua morte, em 6 junho de 2016. “Tríade Trindade” permanece em cartaz até 04 de junho de 2018, no primeiro andar da Pina Luz – Praça da Luz, 02. A visitação é aberta de quarta a segunda-feira, das 10h00 às 17h30 – com permanência até às 18h00 – os ingressos custam R$ 6 (inteira) e R$ 3 (meia). Crianças com menos de 10 anos e adultos com mais de 60 não pagam. Aos sábados, a entrada é gratuita para todos os visitantes. A Pina Luz fica próxima à estação Luz da CPTM. 

 

Mostra virtual do Casa de Portinari apresenta murais de Brodowski

 

Uma das mais tradicionais programações da Semana de Portinari, realizada pelo Museu Casa de Portinari, é a Pintura Mural. Buscando uma democratização ainda maior destes trabalhos, já está online no site do museu a exposição virtual “Galeria a Céu Aberto”, com fotos de todos os murais realizados durante a edição de 2017.

 

Foto: Secretaria da Cultura do Estado de São Paulo

 

Dezenas de artistas locais, regionais, e de outras partes do país e do exterior usam os muros de Brodowski como suporte para suas produções em diferentes técnicas e temas. Os trabalhos foram produzidos na Praça dos Maçons, no Recanto Rebechi e na Secretaria de Turismo. O conteúdo, além das imagens, reúne informações sobre Portinari e depoimentos de artistas que participaram do projeto.

De acordo com a gerente da instituição, Cristiane Maria Patrici, a pintura Mural é o momento em que a cidade se transforma num grande ateliê a céu aberto, tornando-se uma galeria na rua, onde as pessoas circulam livremente, fortalecendo o caráter social da arte. “Nossa missão, além de cultivar a memória de Candido Portinari e difundir o seu legado, também tem um forte compromisso em exercitar talentos e descobrir vocações. Dessa forma, nossas ações estimulam a formação e a projeção de novos artistas, o fazer artístico e a sua apreciação e fruição”, explica.

Carnaval invade a Maratona Infantil do MIS!

Com o intuito de levar alegria e diversão, o MIS preparou para o dia 25/2 uma Maratona Infantil Especial de Carnaval gratuita para que todas as crianças – assim como os adultos – também possam se divertir e festejar muito nesta época do ano!

carnival-1564081_1920

Está edição será marcada por oficinas temáticas, tais como, Percussão e Cortejo (onde os músicos arte-educadores do Kolombolo ensinam a tocar caixa, ganzá, tamborim, agogô e surdo), Máscaras de Carnaval, Construção de Instrumentos Musicais (que será feito com a utilização de lixo reciclável – latas de leite, potinhos de iogurte e garrafas de água).

Foto: Mamulengo - BuZum!
Foto: Mamulengo - BuZum!

O evento conta também com o espetáculo de bonecos Mamulengoque conta a história de Joana, uma esperta garota que adora o carnaval, parte rumo a uma aventura para salvar seu amigo João, que caiu num poço. Com a ajuda de um falante papagaio, Joana passa por blocos de Caboclinho, Maracatu, Bumba meu boi e frevo. O espetáculo será dentro do ônibus do BuZum!, na área externa do Museu.

Foto: Bloco Festa de Rei

  • Espetáculo Mamulengo, com BuZum!
  • Oficina de máscaras de carnaval
  • Oficina de Games com Happy Code – Foyer LABMIS
  • Oficina Play Doh e Pritt – Foyer Auditório MIS
  • Oficina de percussão para cortejo de Carnaval com Cia. Kolombolo – Tenda Área Externa
  • Espetáculo Mamulengo, com BuZum!
  • Oficina de percussão para cortejo de Carnaval com Cia. Kolombolo – Tenda Área Externa
  • Oficina de máscaras de carnaval com Núcleo Educativo MIS – Sala de interfaces
  • Cortejo Brincando com o Carnaval, Cia. Burucutu – Área Externa
  • Oficina Play Doh e Pritt – Foyer Auditório MIS
  • Oficina de construção de instrumentos musicais com a Cia. Pranayama – Tenda Área externa
  • 11h15 – Oficina de Games com Happy Code – Foyer LABMIS
  • Espetáculo Mamulengo, com BuZum!
  • Oficina de construção de instrumentos musicais com a Cia. Pranayama – Tenda Área externa
  • Oficina de percussão para cortejo de Carnaval com Cia. Kolombolo – Tenda Área Externa
  • Intervenção Trio Elétrico do Bello Marques – Área Externa
  • Oficina de máscaras de carnaval com Núcleo Educativo MIS – Sala de interfaces
  • Oficina Play Doh e Pritt – Foyer Auditório MIS 
  • Bailinho da Isadora – Área externa
  • 12h15 – Oficina de Games com Happy Code – Foyer LABMIS
  • Oficina de máscaras de carnaval com Núcleo Educativo MIS – Sala de interfaces
  • Oficina Play Doh e Pritt –  Foyer Auditório MIS
  • Oficina de percussão para cortejo de Carnaval com Cia Kolombolo – Tenda Área Externa
  • Oficina de construção de instrumentos musicais com a Cia Pranayama – Tenda Área externa
  • Cortejo Brincando com o Carnaval, Cia Burucutu – Área Externa
  • Oficina de Games com Happy Code – Foyer LABMIS
  • 14h30 – Espetáculo Mamulengo, com BuZum!
  • Oficina de máscaras de carnaval com Núcleo Educativo MIS – Sala de interfaces
  • Intervenção Trio Elétrico do Bello Marques – Área Externa
  • Oficina de construção de instrumentos musicais com a Cia. Pranayama – Tenda Área externa
  • Oficina Play Doh e Pritt – Foyer Auditório MIS
  • Bailinho da Isadora – Área Externa
  • 15h15 – Oficina de Games com Happy Code – Foyer LABMIS
  • 15h30 – Espetáculo Mamulengo, com BuZum!
  • Bloquinho de Carnaval Folia de Rei – Área Externa

Museu Índia Vanuíre promove parcerias e realiza programações inclusivas

Foto: Secretaria da Cultura do Estado de São Paulo

O papel social do museu vai além da exposição de seu acervo. Por isso, o Museu Índia Vanuíre está sempre preocupado em ser um espaço de troca de experiências, vivências e aprendizados entre diferentes públicos, estabelecendo contato com grupos específicos e oportunizando a sua aproximação com a instituição. Anualmente são oferecidas três programações periódicas inclusivas: o “Aguçando as Memórias” – para a terceira idade, o “Museu e Cidadania” – para o público deficiente e o “Olhar é o Sentir Pelas Mãos” – para cegos.  

O primeiro deles é a parceria com a Universidade Aberta à Terceira Idade (Unati), vinculado à Unesp, e a Casa dos Velhos. Desde sua criação, 622 pessoas já fizeram parte das ações que buscam a prática da cidadania e a sociabilidade.  

Já o “Museu e Cidadania” teve 289 participações, a Clínica de Repouso Dom Bosco, a Residência Terapêutica e a Apae de Tupã são os parceiros. O programa é destinado à inclusão sociocultural de deficientes intelectuais, explorando o acervo e as exposições de forma lúdica e acessível. O “O Olhar é o Sentir Pelas Mãos” é uma ação com Programa Vida Iluminada (Unimed), para promover a inclusão dos cegos para que se tornem frequentadores da instituição. Até o momento foram atendidas 170 pessoas.

Mostra Mãos que Criam

Pelo segundo ano, o Museu promove uma mostra inclusiva com o objetivo de oferecer acesso às informações sobre a história de cada projeto inclusivo desenvolvido durante o ano de 2017 e expor os itens produzidos, possibilitando que os envolvidos compartilhem essa experiência com familiares, a sociedade local e os visitantes. Neste ano, a ação recebeu o nome de “Mãos que Criam”, segue em cartaz na instituição e pode ser vista de terça-feira a domingo, das 9h00 às 17h00.

“É direito de cada cidadão ter acesso à arte, à cultura e ao conhecimento. Nesse sentido, não pode haver barreiras, sejam elas físicas ou intelectuais. Por isso, o Museu Índia Vanuíre busca continuamente construir atividades culturais capazes de potencializar a ação e compreensão do acervo exposto nas montagens de longa duração ou temporárias, promovendo a qualidade da experiência vivenciada no espaço museológico e garantindo a inclusão dos diversos tipos de públicos, incluindo e incentivando a visitação daqueles que habitualmente não são frequentadores da instituição”, explica a gerente da instituição, Tamimi Rayes Borsatto.

 

Casa Guilherme de Almeida tem inscrições abertas para o Programa Formativo para Tradutores Literários

Programa colabora com a formação prática de profissionais da área

(mais…)

Aborto Elétrico Tributo faz show gratuito no MIS

Foto: Baterista e baixista do Capital Inicial, Fê e Flavio Lemos (à direita de Renato Russo na foto) /Reprodução

No próximo domingo, 18/2, a exposição Renato Russo – que homenageia um dos artistas mais icônicos da música brasileira – chega ao fim. Para fechar com chave de ouro uma das mostras mais elogiadas do museu, o MIS realiza o show da banda Aborto Elétrico Tributo.

No início dos anos 80, o Brasil caminhava para uma abertura política após anos de ditadura militar, e a capital, Brasília, absorvia com intensidade os ares da mudança cultural que se aproximava com o clima de maior liberdade. Esse contexto foi um terreno fértil para que jovens, influenciados pelo descontentamento do movimento punk e pela cena do rock inglês, dessem vida em Brasília a diversas bandas que iriam influenciar o restante do país.

Uma das primeiras e mais relevantes bandas desse período foi a Aborto Elétrico, fundada por Renato Russo, Fê Lemos e Flávio Lemos, que, mais tarde, daria origem às bandas Legião Urbana e Capital Inicial. Essa formação foi responsável pelas composições Música urbana, Fátima, Que país é esse, Geração Coca-Cola, Conexão amazônica, Tédio (com T um Bem Grande pra Você), Química e outras músicas que se tornaram hinos daquela geração. Hoje, passados mais de 30 anos do fim do grupo, a música do Aborto ainda é atual diante do cenário de caos que o Brasil atravessa. Com o propósito de reviver esse projeto, os músicos do Capital Inicial, Fê e Flávio Lemos, criaram o Aborto Elétrico Tributo (AET).

O AET é um show que desfila os hinos consagrados do rock de Brasília dos anos 80 tocados por alguns dos protagonistas desse período. “A ideia é levar ao público a mesma experiência de contestação e diversão que embalou os jovens daquela época”, comenta Fê Lemos, baterista do Capital Inicial. O Tributo conta, ainda, com o vocalista Franklin Santos e o guitarrista André de Matos, ambos da banda Fuzo (DF).

O Aborto Elétrico Tributo – que faz show inédito em São Paulo – promete uma apresentação histórica no MIS, às 16h30.

 

Show de abertura: Flying Chair

 

Foto: Divulgação

 

Antes do Aborto Elétrico Tributo subir ao palco, a banda Flying Chair se apresenta às 15h00. A Flying Chair surgiu há pouco mais de um ano e tem na sua formação o cantor e compositor Ciro Pessoa, um dos fundadores das bandas paulistas Titãs e Cabine C, que juntamente com Chico Marques nas guitarras e voz, Diego Basanelli no baixo, Cláudio Moko nas guitarras e Pedro Leo na bateria, seguem divulgando seu primeiro disco Flying Chair. Em março, a banda lança no formato digital um registro ao vivo do disco pela Onerpm, que conta ainda com duas regravações de autoria de Ciro – Sonífera Ilha de sua fase com os Titãs e Inundação de amor gravado pelo Ira! em 2000 para o Ao Vivo MTV, canção em co-autoria com Julio Barroso.

 

“The Square” tem exibição gratuita no MIS

Exibição é gratuita e será seguida de debate!

Multipremiado, o filme sueco The Square – A Arte da Discórdia pode somar mais uma nobre estatueta à prateleira: o longa de Ruben Östlund integra a lista de indicados ao Oscar 2018 de Melhor Filme estrangeiro. Enquanto a premiação não vem (a 90ª edição do Oscar será realizada no dia 04 de março) o filme ganha sessão especial seguida por debate aberto ao público na quarta-feira (07/02), no auditório do MIS.   O evento, realizado em parceria entre a Pandora Filmes e a revista de ensaios Peixe-elétrico, será conduzido pelo editor Tiago Ferro, que recebe o psicanalista Tales Ab’saber. A dupla compartilha com o público olhares sobre o longa que arrancou elogios de Almodóvar ao colocar em foco um respeitado curador de arte que tenta desesperadamente atrair mais visitantes ao museu que dirige em Estocolmo. O filme parte do universo da arte para discutir limites e liberdades em uma crônica sobre o comportamento humano contemporâneo.   Foto: Divulgação The Square nos leva até o beco sem saída no qual chegou a modernidade ocidental com seu projeto universalista de emancipação do homem. A sensação é que ética e estética afundam de mãos dadas sem qualquer tipo de salvação individual. Se a arte perde o pé dentro da trama, o filme acerta em cheio os dilemas dos nossos tempos”, comenta Tiago. Sinopse  Grande vencedor da Palma de Ouro no Festival de Cannes, o longa gira em torno de Christian, um respeitado curador de arte que tenta desesperadamente atrair mais visitantes ao museu que dirige em Estocolmo. Quando seu celular é roubado, Christian perde o controle de sua vida, afetando todos a seu redor e provocando consequências inesperadas.      

#MuseumSelfieDay nos museus da #CulturaSP!

Confira algumas dicas para não fazer feio na hora de fazer suas selfies nos espaços da Secretaria da Cultura

(mais…)

Caminhada arrecada fundos para o Hospital de Câncer de Barretos com apoio do Museu Casa de Portinari

Em 26 de novembro, domingo, o Museu Casa de Portinari – instituição da Secretaria da Cultura do Estado de São Paulo, gerida pela ACAM Portinari – se une ao Capítulo Luz da Ordem DeMolay de Brodowski e ao Hospital de Câncer de Barretos na luta contra o câncer infanto-juvenil, por meio da Caminhada Passos que Salvam. É a primeira vez que a iniciativa acontece na cidade. A partida e chegada serão em frente à instituição cultural. O percurso terá início às 9h00.

A ação, além de arrecadar fundos para a unidade de tratamento, também promove a conscientização sobre os sintomas, a importância do rápido diagnóstico e a solidariedade aos portadores e seus familiares. A Caminhada teve início em 2012 e, neste ano, mais de 300 cidades serão sedes do evento, que ocorre simultaneamente.

O trajeto passará por vários pontos da cidade. Os kits – que contêm uma camiseta, um boné e uma mochila – estão disponíveis em vários pontos locais: Lelo Bebidas, Bartolomeu Materiais para Construção, Tok Final, Taugi e Vestígio. O valor é R$ 35,00. A expectativa do Capítulo Luz da Ordem DeMolay é vender aproximadamente 500 kits.

Serviço:

Caminhada Passos que Salvam

Datas: 26/11/2017 (domingo)

Local: Praça Candido Portinari, s/n° – Centro – Brodowski/SP

Horário: às 9h00

Informações: (16) 3664-4284

Inscrição: Capítulo Luz Brodowski, Tok Final, Vestígio, Taugi, Bartolomeu e Lelo

Valor do kit: R$ 35,00

Museu da Língua Portuguesa apresenta Encontro de Poesia na FLUP

Evento de ‘slam’ será realizado na abertura do Rio Poetry Slam, no próximo dia 10, na FLUP
(mais…)

Museu Afro Brasil oferece programação em homenagem ao mês da Consciência Negra

No mês de novembro, o Núcleo de Educação realizará ações articuladas à programação cultural do MAB (mais…)

Sete coisas que você pode fazer no museu e não sabia

Jogos, bate-papos, espetáculos e oficinas são algumas das atividades que o público pode aproveitar nos museus de São Paulo

Foi-se o tempo em que as pessoas iam ao museu apenas para observar. Os museus hoje atuam como centros culturais, reunindo atividades com música, dança, teatro, fotografia, literatura, gastronomia e todo tipo de arte, abertas à participação do público. As instituições da Secretaria da Cultura do Estado são bons exemplos de espaços com programação variada.

Além de apreciar as exposições, o público pode aproveitar as atividades gratuitas ou de baixo custo oferecidas pelos museus. Todos oferecem ingressos grátis aos sábados, exceto o MIS-SP, que oferece entrada gratuita às terças-feiras. Confira as atividades que acontecem nos museus de São Paulo e a programação de outubro e novembro: (mais…)

Museus do Governo do Estado promovem ação “Sonhar o Mundo” com programação especial

Com o tema Solidariedade derrubando muros, iniciativa contará com atividades sobre direitos humanos nos museus da Secretaria da Cultura

Os museus da Secretaria da Cultura do Estado de São Paulo realizam, de 4 a 10 de dezembro, a terceira edição da ação “Sonhar o Mundo”.  Com o tema “Solidariedade derrubando muros”, a iniciativa tem programação que une diversos museus em torno de assuntos relacionados aos direitos humanos e incentiva o combate ao preconceito e à discriminação.

O tema deste ano foi escolhido para fortalecer o conceito de um mundo onde diversos territórios possam se unir para criar relações de empatia e solidariedade. A ideia é que esses laços entre museus e entre o público eliminem barreiras e incentivem o combate a desigualdades e preconceitos. “A solidariedade tem papel fundamental para criar um senso de coletividade e acolher a diversidade entre os seres humanos como algo a ser celebrado. Não poderia haver tema mais oportuno em uma ação que celebra os direitos humanos”, afirma José Luiz Penna, secretário da Cultura do Estado. (mais…)