Logo - 100 anos da Semana de Arte Moderna de 22

modernismo hoje

são paulo celebra o centenário da semana de arte moderna de 1922

SAIBA MAIS SOBRE A SEMANA DE 22

A Semana de Arte Moderna nasceu no momento que o mundo assistia ao fim de uma grande guerra e tudo se renovava nas estruturas mentais e políticas da sociedade. Foi um verdadeiro marco na história de São Paulo, considerada um divisor de águas na cultura brasileira. O evento - organizado por um grupo de intelectuais e artistas por ocasião do Centenário da Independência - declarou o rompimento com o tradicionalismo cultural associado às correntes literárias e artísticas anteriores: o parnasianismo, o simbolismo e a arte acadêmica. A defesa de um novo ponto de vista estético e o compromisso com a independência cultural do país fizeram do modernismo sinônimo de "estilo novo", diretamente associado à produção realizada sob a influência de 1922.

Realizado entre os dias 13 e 17 de fevereiro, no Teatro Municipal de São Paulo, o festival incluiu exposição com cerca de 100 obras, aberta diariamente no saguão do teatro, e três sessões lítero-musicais noturnas. Os artistas, influenciados pelas vanguardas europeias e pela renovação geral no panorama da arte ocidental, uniram seus esforços para apresentar suas produções ao grande público. Apesar da força literária do grupo modernista, as artes plásticas eram a principal base do movimento.

A principal função da Semana de 22 para a história da arte brasileira foi romper o conservadorismo vigente no cenário cultural da época. Não havia um conceito que unisse os artistas, nem um programa estético definido. A intenção era destruir o status quo. E eles conseguiram.

Os estudiosos tendem a considerar o período de 1922 a 1930 como a fase em que se evidencia um compromisso primeiro dos artistas com a renovação estética, beneficiada pelo contato estreito com as vanguardas europeias (cubismo, futurismo, surrealismo etc.). Tal esforço de redefinição da linguagem artística se articulou a um forte interesse pelas questões nacionais, que ganhou acento destacado a partir da década de 1930, quando os ideais de 1922 se difundiram e se normalizaram.

Ainda que o modernismo no Brasil deva ser pensado a partir de suas expressões múltiplas - no Rio de Janeiro, Minas Gerais, Pernambuco etc. -, a Semana de Arte Moderna é um fenômeno eminentemente urbano e paulista, conectado ao crescimento de São Paulo na década de 1920, à industrialização, à migração maciça de estrangeiros e à urbanização.

conheça os grandes modernistas

Pintores

Escultores

Escritores

Músicos

Arquitetos

Veja as realizações do modernismo

Oswald de Andrade

Mon Coeur Balance, 1916; Leur me, 1916; Memórias Sentimentais de João Miramar, 1924; Pau-Brasil, 1925; Manifesto Antropófago, 1928; O Rei da Vela, 1937;

Guilherme de Almeida

Mon Coeur Balance, 1916; Leur me, 1916; Nós, 1917; Meu, 1925; Raça, 1925; A Dança das Horas, 1919; Gente de Cinema, 1929;

Menotti Del Picchia

Juca Mulato, 1917; Máscaras, 1920; A Angústia de D. João, 1922; O Amor de Dulcinéia, 1931; Salomé, 1940;

Mário de Andrade

Há Uma Gota de Sangue em Cada Poema, 1917; Paulicéia Desvairada, 1922; A Escrava que não é Isaura, 1925; Macunaíma, O Herói sem Nenhum Caráter, 1928;

Anita Malfatti

Georgina, 1914; O Homem Amarelo, 1915; a Estudante Russa, 1915; A Mulher de Cabelos Verdes, 1915; O farol de Monhegan, 1915;

Di Cavalcanti

Boêmios, 1921; Samba, 1925; Mulher e Paisagem, 1931; Cinco moças de Guaratinguetá, 1930; Mulheres com frutas, 1932; Mangue 1929; Pierrot, 1924;

Victor Brecheret

Monumento às Bandeiras, 1920; Daisy, 1920; Torso, 1920; Bailarina, 1920; Cabeça de Cristo, 1921; Sepultamento, 1923; Portadora de Perfume, 1924;

Tarsila do Amaral

Estrada de Ferro Central do Brasil, 1924; O Sono, 1928; Abaporu, 1928; Operários, 1933; A Cuca, 1924; Urutu (O ovo), 1928; A Lua, 1928; São Paulo (Gazo), 1924;

John Graz

Descanso, 1917; Bandeirantes, 1935; Pássaros, 1960; Floresta Tropical, 1974; Periquita, 1975; Índios, 1975; Canoeiros, 1975; Menino com Caranguejos, 1980;

Candido Portinari

Mestiço, 1934; O Lavrador de Café, 1934; O Café, 1935; A primeira missa no Brasil, 1948; Os Retirantes, 1944; Guerra e Paz, 1955;

Veja alguns frutos do modernismo

Programação

Programação do Governo do Estado de São Paulo e outras iniciativas

Clique nas categorias abaixo e confira a programação

Fomento

Linha especial: por meio do programa ProAC Editais, o Governo do Estado vai disponibilizar 1,5 milhão para as ações culturais relacionadas aos 100 anos da Semana de 22, como, por exemplo, eventos, espetáculos e exposições