@culturasp - secretaria da cultura do estado de são paulo

“Território Cultural Livre” debate negritude na SP Escola de Teatro

Publicado em 2 de maio de 2018

No dia 5/5, a partir das 10h, a SP Escola de Teatro – Centro de Formação das Artes do Palco promove debates e apresentações artísticas com a participação de artistas e estudiosos negros, cujos trabalhos e militância abordam os espaços que ocupam na sociedade. Entre os convidados então a rapper Luana Hansen, o coreógrafo Ismael Ivo (diretor artístico do Balé da Cidade de São Paulo), a escritora Stephanie Ribeiro (colunista dos sites Blogueiras Negras e Huffpost Brasil e das revistas Capitolina e Marie Claire) e o diretor e ator Eugênio Lima, do Núcleo Bartolomeu de Depoimento.

O evento gratuito, chamado Território Cultural Livre, acontece na sede Brás da SP Escola de Teatro e é organizado pela própria escola em parceria com o Núcleo Negro, coletivo de aprendizes da Instituição. O tema desta edição está relacionado às discussões propostas em sala de aula, levantando questões sobre a negritude em diferentes esferas.

A Cia. Carne Agonizante também marca presença nesta edição do Território Cultural Livre, apresentando o espetáculo “Não Tive Tempo para Ter Medo”, inspirado nas obras política e poética de Carlos Marighella (1911-1969), guerrilheiro e escritor que chegou a ser considerado “o inimigo número um” da ditadura militar brasileira.

“Com os Territórios Culturais, a SP Escola de Teatro abre espaço para que artistas compartilhem suas reflexões e seus trabalhos com nossos estudantes e com a cidade. A ideia surge a partir do conceito de espaço solidário do geógrafo Milton Santos, que defendia que um espaço de formação só faz sentido quando se constitui como espaço solidário, de troca de conhecimentos.”
Joaquim Gama
Coordenador pedagógico da SP Escola de Teatro

Para compor esta edição de Território Cultural Livre, a SP Escola de Teatro contou com a participação dos aprendizes do coletivo Núcleo Negro, que articulou a vinda dos convidados da programação. “A principal ideia foi trazer estudiosos que tenham visibilidade nas áreas em que atuam. São pessoas que conseguem desenhar, a partir da sua própria trajetória, uma outra perspectiva possível sobre o que é ser negro hoje em dia”, explica a estudante Nina Oliveira, aprendiz do curso regular de Sonoplastia e integrante do Núcleo. “Temos na programação desde colegas do teatro e da música a uma economista e uma cientista política: todos atuando em espaços que foram alcançados com seus trabalhos e militância, enfrentando questões como racismo e machismo.”

 

PROGRAMAÇão

 

O evento tem início às 10h, com uma apresentação do grupo Odara Negrada, que já esteve na Escola anteriormente. O show do coletivo traz canções afro-brasileiras em português e iorubá, executadas ao som das batidas da alfaia e do batá. Às 11h00, a Cia. Carne Agonizante apresenta o espetáculo “Não Tive Tempo para Ter Medo”, inspirado na obra política e poética de Carlos Marighella (1911-1969), guerrilheiro e escritor que chegou a ser considerado o inimigo número um da ditadura militar brasileira.

O primeiro encontro do ciclo de conversas acontece ao meio-dia, com o tema “O Povo Negro é Cultura de Resistência”. Participam do debate: a rapper Luana Hansen, a psicóloga Priscila Santos (do Núcleo Negro de Estudos Africanos e Afro-Brasileiros da UFABC), o ator e DJ Eugênio Lima (do Núcleo Bartolomeu de Depoimentos e Frene 3 de Fevereiro), o diretor e dramaturgo Zé Fernando (do grupo Teatro dos Narradores e Cia. Os Crespos) e Ismael Ivo, coreógrafo e diretor artístico do Balé da Cidade de São Paulo.

Em seguida, às 13h40, o performer, músico, compositor e pesquisador da cultura afro diaspórica Will Oliveira apresenta a performance “Brasil Negreiro” no pátio da SP Escola de Teatro.

A primeira sessão da mostra Perspectivas do Audiovisual Negro acontece às 14h30 e contará com a participação da atriz Shirlena Marabilis e da roteirista Pricilla Costa (curta: “A Alma do Cinema Não Tem Cor”), do cineasta Renato Cândido (curta: “Jennifer”) e do roteirista e diretor Valter Rege (curta: “Preto no Branco”). Depois do bate-papo com os convidados, os curtas serão exibidos novamente.

O segundo encontro do ciclo de conversas deste Território Cultural tem como tema “Reconstruindo o Imaginário Social da Mulher Negra” e discute a reconstrução do pensamento sobre a mulher negra, que sai de um lugar de submissão no imaginário social para ser vista em espaços de construção de saberes. Participam do debate: a escritora e ativista Stephanie Ribeiro, Juliete Vitorino (membro da Rede de Proteção e Resistência contra o Genocídio), Alessandra Almeida (pesquisadora em políticas públicas sobre gênero, raça e classe e membro da Marcha das Mulheres Negras de SP) e Rafaela Carvalho, economista e militante do Movimento de Mulheres Olga Benário.

As atividades do dia chegam ao fim com a apresentação musical Vozes Urbanas, às 15h50, que reúne jovens artistas apresentando seu projeto autoral.

Compartilhe!