secretaria da cultura do estado de são paulo

Oficina Cultural

Questões LGBT são pauta de ocupação na Oficina Cultural Alfredo Volpi

Nas Américas, o Brasil é o país que mais mata LGBTs e de acordo com o relatório da ILGA (Associação Internacional de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Transgêneros e Intersexuais), o país ocupou o primeiro lugar na quantidade de homicídios por motivação homofóbica em 2016. Ao todo, foram 340 mortes.

De olho nesses dados, a Oficina Cultural Alfredo Volpi realiza entre os dias 28 e 30/6 o evento Ocupação: Coletivo Bixa Pare. O objetivo é discutir as desigualdades geradas pela homofobia considerando questões de raça e classe.

A performance 2017 445 faz uma homenagem às 445 pessoas mortas  em decorrência da LGBTfobia em 2017 na quinta-feira (28/6), às 17h. Na sexta-feira (29/6), também às 17h, o Bixa Freak Show mostra que festa também pode ser sinônimo de luta. A festa é comandada pela drag queen Melissa Babalu e promete muita música, dança, coreografia e glitter.

Coletivo Bixa Pare - Foto: Edi Oliveira

Bixaria Literária é um sarau que dá visibilidade a trabalhos literários feitos por pessoas LGBTs, criando um espaço para que os participantes sintam-se à vontade para compartilhar seus trabalhos com o público presente. O sarau-resistência acontece sábado (30), às 19h00.

Segundo Maria Gabriela Barros, coordenadora cultura da Oficina Cultural Alfredo Volpi, o Coletivo Bixa Pare é um dos grupos residentes na oficina e é de extrema importância fomentar o trabalho que é desenvolvido por artistas que frequentam o espaço. “A Ocupação tem um caráter de dar visibilidade aos trabalhos do grupo (Performance, Intervenção e Sarau) e e é importante dar voz a trabalhos que colocam questões LGBTQIA+ como desdobramento para a criação artística”, comenta.

Além disso, ela também reforça que a ocupação se faz importante por ser um trabalho de artistas que produzem na região da Zona Leste a partir de temáticas LGBTQIA+. “Neste mês, esses assuntos ganham maior visibilidade devido aos principais eventos na cidade (Marcha do Orgulho Trans de São Paulo, Caminhada Lésbica e Bissexual e a Parada do Orgulho LGBT) e, pela unidade estar numa região periférica da cidade, acreditamos na importância de levantar questões ligadas às minorias políticas e suas questões mais urgentes”.

Coletivo Bixa Pare - Foto: Edi Oliveira

Criado em 2017, os integrantes do Coletivo Bixa Pare já trabalharam juntos em diversas produções desde 2012, desenvolvendo atividades que partem da pesquisa a respeito do corpo bicha na sociedade. “É muito grande a diferença de ser e existir LGBT na periferia e no centro, mas quando começamos a ter o retorno dos participantes da oficina que ministramos entre janeiro e março na Oficina Cultural Alfredo Volpi, tivemos a certeza que deveríamos propor cada vez mais ações. Como residimos na oficina desde quando começamos, sabemos a importância de sempre dialogar com frequentadores do espaço e moradores das quebradas mais próximas que sempre trocam e afirmam a importância de trabalhos como esses circularem nas periferias”, conta Diego Castro, do Coletivo.

Conectado às iniciativas que discutem as desigualdades promovidas pela homofobia, Jorge Sandoval é jornalista e acredita que esses eventos trazem discussões necessárias para a sociedade. “A arte nos dá liberdade para assumir quem realmente somos e, também, para lutar pelos espaços que ainda são subjugados por uma sociedade homofóbica”, ressalta.

Andreia Avaredo, professora, reforça a importância de valorizar o trabalho de pessoas LGBTs, principalmente para apoiar a disseminação de projetos relevantes. “Existe muita coisa bacana escondida por conta do preconceito e da falta de espaço. Acho essencial que a sociedade esteja presente e valorize esse tipo de trabalho”, comenta.

Agenda

Performance: 2017 445
28/6. Quinta-feira, 17h às 18h.
Atividade gratuita sem necessidade de inscrição prévia.
Recomendação etária: 14 anos.

Bixa freak show
29/6. Sexta-feira, 17h às 18h.
Atividade gratuita sem necessidade de inscrição.
Recomendação etária: livre.

Sarau Bixaria Literária
30/6. Sábado, 19h às 21h.
Atividade gratuita sem necessidade de inscrição.
Recomendação etária: livre.

Visite

Programação em Oficina Cultural debate o papel de trans e travestis

O Brasil é o país que mais mata transexuais no mundo. De acordo com o ranking da ONG europeia Transgender Europe, entre 2008 e 2016 foram assassinadas no Brasil 868 pessoas trans, número três vezes maior que o do México, que ocupa o segundo lugar da lista. Esses são apenas os números oficiais, sem contar as mortes que não são contabilizadas como casos de transfobia.

Para ampliar os olhares e percepções sobre mulheres trans e travestis, a Oficina Cultural Alfredo Volpi e o Coletivo Corpo Aberto realizam diversas atividades para mostrar além dos estereótipos alimentados pelo senso comum. As atividades de Geração de mulheres: mulheres trans e travestis acontecem dias 7 e 9/6 e são gratuitas.

“A discussão desse tema precisa ganhar espaço em diversos equipamentos públicos, eventos como esse garantem que essas pessoas sejam ouvidas e respeitadas. Acreditamos que a cultura pode contribuir com este movimento de mudança”, conta Danielle Rocha, integrante do Coletivo Corpo Aberto.

E se Jesus vivesse nos tempos de hoje e fosse travesti? O evangelho segundo Jesus, rainha do céu é um monólogo com a atriz Renata Carvalho que traz Jesus ao tempo presente, na pele de uma travesti. “O Brasil é o país onde se mata mais travestis no mundo, e o segundo lugar mata três vezes menos. Precisamos falar sobre isso”, afirmou Renata Carvalho, atriz e protagonista do espetáculo, em entrevista ao Jornal do Comércio, em 2017. Histórias bíblicas conhecidas são recontadas em uma perspectiva contemporânea, propondo uma reflexão sobre a opressão e intolerância sofridas por transgêneros e minorias sociais. “A ideia é resgatar a essencia da mensagem de Jesus, que é uma afirmação da vida, amor, tolerância, solidariedade”, complementa Natalia Mallo, diretora da peça, em entrevista ao site Mídia NINJA, em 2017. A peça será apresentada na quinta-feira (7/6) às 20h.

Foto: Ligia Jardim/ Divulgação

A atriz Glamour Garcia apresenta em Auto-performance: teatro de si mesmo seu processo artístico, totalmente interligado com o lugar que ocupa no mundo e sua história. Na atividade que acontece sábado (9/6) às 17h30, os participantes aprendem a performar a partir de sua vivência e realidade.

A professora e escritora Amara Moira, em conjunto com a socioeducadora Brunna Valin, fala sobre a falta de pessoas trans nas escolas e universidades brasileiras, bem como a importância de ocupar esses espaços para transformar o imaginário popular sobre a população trans. “A gente ainda conta nos dedos quantas pessoas trans com doutorado existem no Brasil, e é preciso que estejamos mais dentro da lógica universitária, produzindo conhecimentos, não mais apenas como cobaias ou objetos de estudo”, declarou Moira em sua defesa de doutorado na Unicamp. A roda de conversa E se a professora fosse travesti? ocorre sábado (9/6) às 15h.

Encerrando a programação do sábado, às 19h30 a modelo e performer Mc Dellacroix realiza um pocket show na Oficina. A artista vem rimando no rap para incomodar, questionar e expor sua realidade marginalizada a partir da música.

 

Visite

Contação de histórias na #CulturaSP: curso, encontro e mais!

Seja para explicar mais sobre uma exposição, ou para introduzir as crianças no incrível universo literário, as contações de histórias são destaques na programação fixa dos espaços da Secretaria da Cultura do Estado. A atividade, que pode ser apreciada por pessoas de todas as idades e gostos, ganha no mês de maio uma programação especial. Confira:

Curso gratuito na Casa das Rosas

 

A Casa das Rosas recebe, em maio, um curso gratuito de contação de histórias realizado pela Arte Despertar! As inscrições já estão abertas, e podem ser feitas aqui. O curso, que começa no dia 3/6, apresentará fundamentos, técnicas e benefícios de se trabalhar a narrativa oral, assim como a relevância da contação de histórias para o autoconhecimento e o desenvolvimento de competências e habilidades. O conteúdo programático abordará os vários tipos de histórias – como lendas, mitos, fábulas, história de origem, contos de fadas, entre outros; a relação com a música; abordagens para se contar uma história; técnicas de interpretação, oralidade e improvisação; e o papel do narrador de história ao longo da história universal.

Saiba mais aqui.

Encontro Internacional de Contadores de Histórias

 

Para quem já é contador de histórias, a Oficina Cultura Oswald de Andrade recebe o 8º Encontro Internacional Boca do Céu de Contadores de Histórias, que promove um espaço de reflexão, criação e ação cultural, focalizando a arte da palavra, que ao longo da história foi, e ainda é, explorada na forma de narrativas orais. As atividades, que são livres e abertas ao público, vão de 22 a 26/5, sempre das 9h às 18h30. Além da Oficina Oswald de Andrade, entre os dias 22 e 25/5, o Encontro Internacional Boca do Céu de Contadores de Histórias também terá ações complementares na Fábricas de Cultura das regiões Norte e Sul.

A programação completa está aqui.

Hora do Conto nas Bibliotecas

 

Semanalmente, as Bibliotecas de São Paulo e do Parque Villa-Lobos promovem a Hora do Conto, sessões gratuitas de contação de histórias. Realizada por companhias e artistas convidados, o objetivo é despertar o hábito da leitura, fomentar a criatividade e exercitar o lado lúdico do público.

No mês de maio, a atividade será realizada às sextas-feiras, a partir das 15h, e aos sábados e domingos, às 16h.  Este mês a contação terá a participação dos grupos Arte Negus, Cia. do Tok Tok, Grupo Mãos de Fada, Trupe Pitirilo, Núcleo Educatho, entre outros, além dos contadores Paula Dugaich, Mirela Estelles e Amarilis Reto. Nos dias 20, na Biblioteca de São Paulo, e 26, na Biblioteca Parque Villa-Lobos, a contação será realizada com interpretação em Libras.

A programação completa está aqui e aqui.

Oficina Cultural Alfredo Volpi realiza festa do Marabaixo

O projeto Amazonizando Sampa estreita as relações de Amazônia e São Paulo a partir do Marabaixo, tradição dos povos quilombolas do Amapá

(mais…)

Oficina Cultural Oswald de Andrade realiza individual de Iván Cáceres

A mostra é composta por cinco vídeos instalações e uma escultura com quatro metros de altura

(mais…)

Oficina Cultural Oswald de Andrade oferece cursos e workshops gratuitos para todas as faixas etárias

Dança, xilogravura japonesa, desenho, criação de fotolivro e elaboração de projetos culturais fazem parte da programação dos meses de fevereiro e março (mais…)

Coreógrafo Astad Deboo ministra masterclass na Oficina Cultural Oswald de Andrade

Na manhã da sexta-feira, 12 de dezembro, o coreógrafo indiano Astad Deboo ministrou uma masterclass na Oficina Cultural Oswald de Andrade (mais…)

Oficina Cultural Maestro Juan Serrano oferece oficinas que resgatam conhecimentos tradicionais

A programação reúne cursos de criação artística em cimento queimado, introdução à fotogravura e criação de bonecos de vara

(mais…)

Oficina Cultural Alfredo Volpi promove grupo de bordado aberto ao público

A proposta é repensar o visual e a literatura do bordado e possibilitar o encontro de artistas

(mais…)

Oficina Cultural Oswald de Andrade apresenta espetáculos gratuitos

As peças abordam temas como fundamentalismo religioso, as imposições do machismo na vida das mulheres e a vida do dramaturgo alemão Heiner Müller

(mais…)

Oficina Cultural Alfredo Volpi promove encontro entre artistas e coletivos culturais da zona leste

A festa Fuzuê promove o fortalecimento e a valorização da cultura independente e periférica (mais…)

Espetáculo narra a história da escritora Conceição Evaristo na Oficina Cultural Alfredo Volpi

O trabalho tem trilha sonora ao vivo, unindo literatura e música (mais…)

Espetáculo RISKO debate a luta contra o machismo e racismo na sociedade

Uma mulher negra revive memórias de seus afetos pela cidade e, em meio a esse percurso, (re) descobre novas maneiras de (re) desenhar suas escolhas (mais…)

Mês da consciência negra: Cortejo Preta Leste celebra a cultura afro-brasileira

O evento gratuito reúne diversos grupos artísticos e de comunidades religiosas, além de apresentação do espetáculo Em lama Sou, criado coletivamente na Oficina (mais…)

Oficina Cultural Oswald de Andrade apresenta espetáculos gratuitos em novembro

Entre os destaques “Uma pilha de pratos na cozinha”, peça dirigida por Alexandre Borges.
(mais…)

Oficina Cultural Oswald de Andrade apresenta espetáculos gratuitos em novembro

As peças abordam temas como fundamentalismo religioso, abandono, a autobiografia do dramaturgo alemão Heiner Müller e as imposições do machismo na vida das mulheres

(mais…)

Grupo de Coco Semente Crioula se apresenta na Oficina Cultural Alfredo Volpi

A roda de coco será no jardim da unidade, combinando dança, poesia e manifestações culturais negras e indígenas

 Prepare-se para se divertir e aprender sobre as culturas negras e indígenas, no dia 23 de novembro, das 20h00 às 21h00, o Grupo de Coco Semente Crioula faz apresentação única na Oficina Cultural Alfredo Volpi, instituição da Secretaria da Cultura do Estado de São Paulo gerenciada pela Poiesis.

A roda de coco será no espaço do jardim e a proposta é que todos entrem na brincadeira e participem. O Grupo apresentará composições próprias e intervenções poéticas, celebrando as culturas negra, indígena, nordestina e popular. A proposta é integrar o público para que compartilhem memórias, danças, cantigas e sons.

O Grupo feminino nasceu em 2014 com o objetivo de se aprofundar na cultura do coco e dar visibilidade às mulheres das culturais tradicionais. Relembrar e fortalecer as manifestações de origens negra, indígena e nordestina, através da música, da poesia e da dança, é o importante papel que o Grupo cumpre. O trecho de sua composição “Semente” resume bem seu trabalho: “Olha as Crioulas chegando, faz referência às coquistas. Samba de coco e de luta, guerreiras e feministas”.

 

SERVIÇO:

23/11, quinta-feira, das 20h00 às 21h00

Oficina Cultural Alfredo Volpi