@culturasp - secretaria da cultura do estado de são paulo

Condephaat

Patrimônio histórico do Estado de São Paulo está disponível para consulta na Internet

Agora digitalizados e georreferenciados, os bens protegidos pelo Condephaat estão reunidos em base única de dados desenvolvida pela Emplasa (mais…)

Você sabia? Solar do Barão de Jundiaí é patrimônio tombado pelo Condephaat

Tombado pelo Condephaat em 1970, o Solar do Barão de Jundiaí foi construído em 1862. Posteriormente, foi doado por sua família à Associação das Irmãs de São Vicente de Paula que o alugou à Prefeitura Municipal para nele ser instalado o museu local. Construção tipicamente urbana, de meados do século passado, térrea, em taipa de pilão e implantada em lote voltado para uma praça, apresenta em sua fachada principal dez janelas e uma única porta, localizada em seu eixo de simetria. Ainda encontram-se preservados elementos originais como esquadrias, vidros decorados e muros divisórios em taipa de pilão. Atualmente, funciona no local o Museu Solar do Barão.

Solar do Barão de Jundiaí (crédito: Divulgação)

Você sabia? Casa do Barão de Mauá é bem tombado pelo Condephaat

Irineu Evangelista de Souza, o barão de Mauá, adquiriu a Fazenda Bocaina em 1862, com o objetivo de supervisionar a instalação da Estrada de Ferro Santos-Jundiaí da São Paulo Railway Company, da qual era um dos sócios empreendedores. Depois de passar por diversos proprietários, o imóvel foi comprado por Ana Ferreira Menezes, que o vendeu, em seguida, à prefeitura. A Casa do Barão de Mauá, tombada pelo Condephaat na cidade homônima em 1983, é construída em taipa de pilão e se assemelha às casas bandeiristas. Atualmente, funciona no local o Museu Barão de Mauá.

Casa do Barão de Mauá (crédito: Divulgação)

Você sabia? Cemitério Da Colônia Japonesa em Álvares Machado é tombado pelo Condephaat

Em 1918, os primeiros colonos japoneses que chegaram em Álvares Machado enfrentaram muitas dificuldades de adaptação. Uma delas dizia respeito ao sepultamento de seus mortos, devido à mudança do ritual fúnebre e à distância entre as suas residências e o cemitério. Para resolver a questão, em 1919, a Associação Japonesa de Álvares Machado construiu um novo cemitério denominado “Shokonsai”, onde encontram-se sepultados cerca de 784 pioneiros da colonização japonesa do município. Os túmulos traduzem os costumes orientais e são feitos em alvenaria de tijolos, com base quadrada sobre a qual se apóia um elemento vertical, às vezes em pedra, com inscrições em ideogramas japoneses.

Cemitério da Colônia Japonesa (crédito: Divulgação)

Você sabia? Casa de Câmara e Cadeia de Piedade é tombada pelo Condephaat

Tombada pelo Condephaat em 2015, a Casa de Câmara e Cadeia de Piedade, edifício das últimas décadas do século XIX, é exemplar tardio da permanência da tipologia de edifício funcional para administração e segurança públicas de matrizes lusitanas, que se reproduziu desde o período colonial em todo o Brasil. O edifício está localizado no centro urbano de Piedade, em local com grande potencial paisagístico. É equipamento público de lazer e cultura, com progressiva apropriação social pela comunidade de Piedade.

Crédito: Divulgação

Condephaat realiza audiência pública para discutir tombamento do Polígono da Saúde

Objetivo da audiência é colher contribuições a respeito do “Polígono da Saúde”, em Pinheiros

(mais…)

Patrimônio Histórico – Você sabia?

 O Centro Histórico de Santana de Parnaíba foi tombado pelo Condephaat – Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico, Arqueológico, Artístico e Turístico do Estado de São Paulo – em 1982. Ele é composto de casas originalmente construídas em taipa de pilão e pau-a-pique, em sua maioria do século XIX. O município se desenvolveu no século XVII, em decorrência das condições geográficas favoráveis às entradas e bandeiras, que utilizaram o local  como passagem para os sertões de Goiás e Mato Grosso.