@culturasp - secretaria da cultura do estado de são paulo

circo

Circuito Cultural Paulista chega a 102 cidades em setembro

Serão mais de 50 espetáculos gratuitos em cidades do interior, litoral e Grande São Paulo (mais…)

Festival Paulista de Circo – 10 anos

Na primeira semana de setembro, Piracicaba vai conviver de perto com trapezistas, palhaços, mágicos e outros. Naquele município, a Secretaria da Cultura do Estado realizará a décima edição do Festival Paulista de Circo, ação importante que sublinha a importância desta manifestação tão enraizada na cultura brasileira.

Nesses dez anos, centenas de artistas passaram pelo Festival, que registrou um público de mais de 200 mil espectadores. Participam desta edição algumas das principais companhias e trupes do circo tradicional e contemporâneo do Brasil. Destacam-se ainda três apresentações concebidas a partir de pesquisa realizada em parceria com a SP Escola de Teatro e também um festival de mágica.

Vejo esta primeira década do Festival como um momento especial para pensarmos nos caminhos do circo hoje, em meio à crise financeira pela qual passa o país. Essa conversa foi iniciada no mês de junho, quando recebi na sede da Secretaria a Aliança Pró-Circo, para discutirmos o apoio ao Festival. A Aliança é formada pelas principais entidades do setor: UBCI (União Brasileira de Circos), Abracirco (Associação Brasileira do Circo), Cooperativa Brasileira de Circo e Cooperativa Federal de Circo.

Temos hoje, no Brasil, cerca de 2.500 companhias circenses, entre grandes, médias e pequenas, administradas por empresas ou por famílias. Seu custo operacional vai muito além do pagamento do elenco, somando-se à estrutura, como lonas e equipamentos, além de publicidade. E não podemos nos esquecer de que a itinerância, o ir e vir de cidade em cidade, reflete outros custos, como os de aluguéis de terreno. E se a estabilidade econômica do país tem influência direta na cultura, o circo é uma dos setores mais prejudicados em uma situação de crise, visto que é uma opção de entretenimento familiar, o que multiplica o valor de cada entrada.

Como afirma a presidente da UBCI, Marlene Querubin, a comunidade circense escuta há décadas que o circo está acabando, mas ele está aí firme e forte. Novelas de TV e filmes (como o recente “O Palhaço”, de Selton Mello) reforçam  a presença do circo em nosso dia a dia.

Fica então o convite para que todos assistam, até o dia 7 de setembro e gratuitamente, o Festival Paulista de Circo, no Parque do Engenho Central. Vamos prestigiar nossos artistas do picadeiro e que este projeto contribua para que a beleza e a magia desta arte tão antiga – que se estabeleceu neste país a partir do século XIX –, permaneça extremamente ligada à nossa cultura popular.  E que a imagem clássica do circo chegando ou se despedindo de uma cidade seja sempre uma realidade brasileira, nas capitais ou nas pequenas cidades.

José Luiz Penna – Secretário da Cultura do Estado