secretaria da cultura do estado de são paulo

cinema

Maratona Infantil do MIS entra em clima de suspense na edição de Julho

Evento integra a programação paralela da exposição Hitchcock – Bastidores do suspense, recém-inaugurada. Além das atividades dentro da temática, a Maratona traz música, fotografia, cinema e artes visuais para toda a família

(mais…)

Oficina Cultural Oswald de Andrade realiza semana de atividades com Théâtre du Soleil

Desenvolvida para artistas e interessados em teatro, a programação do evento é gratuita e conta com oficinas, exibições de filmes e debates

(mais…)

Cinema: Casa Guilherme de Almeida oferece cursos gratuitos

Cinema pelo celular, filmografia samurai e cinema italiano são algumas das oficinas dos meses de julho e agosto

(mais…)

Cinema: Guimarães Rosa é homenageado em exibições na Casa das Rosas

As sessões do Jardim Paradiso exibem adaptações cinematográficas de contos e novelas do autor

(mais…)

Encerramento da mostra de filmes TRANSdocumenta acontece no MIS

O Brasil lidera o ranking de países com mais registros de homicídios de pessoas trans; os assassinatos e suicídios (notificados) de pessoas LGBTI+s no país cresceram 30% entre 2016 e 2017, liderado pelo estado de São Paulo com 59 mortes; 191 travestis e transexuais foram mortas no último ano e a expectativa de vida de uma pessoa trans é de apenas 35 anos.

Para debater os desafios da população LGBTQ, o Governo do Estado de São Paulo e a Rede Brasil do Pacto Global (ONU) promovem a mostra TRANSdocumenta, que começou no dia 28 de junho, Dia Internacional do Orgulho LGBT, e encerra na próxima segunda-feira, 9 de julho, no MIS – Museu da Imagem e do Som.

A mostra exibiu uma série de documentários e filmes de longa e curta metragem, nacionais e estrangeiros, com foco nas questões da transexualidade, também em penitenciárias e Fábricas de Cultura de São Paulo. Além da exibição dos filmes no encerramento, a mostra vai reunir atividades culturais, painel de debates e uma feira de expositores LGBTQ com participação de coletivos LGBTQ com apresentações musicais e artísticas.

Esta programação também faz parte da Campanha #SonharoMundo, organizada pela Secretaria da Cultura do Estado de São Paulo, que mobiliza os museus paulistas a se unirem pelos Direitos Humanos.

 

Programação

>> 13h | Contação de histórias

>> 14h-16h | Oficina para crianças – Jogo da inclusão

>> 17h | Contação de histórias

Os ingressos podem ser retirados 1h antes na Recepção MIS.

>> 14h | Exibição de TRANSIT HAVANA (dir. Daniel Abma, 2016, Holanda, 86′, 18 anos)

Sinopse: Em Havana, as transexuais Odette, Juani e Malú aguardam cirurgia genital – realizada por cirurgiões de primeira linha e organizada pela filha do presidente, Mariela Castro. Novas possibilidades enfrentam problemas antigos: as pessoas trans cubanas encontrarão felicidade apesar da intolerância, pobreza e prostituição?

 

>> 16h | Exibição de TRAN$RICO (dir. Ariel Nobre, 1993, 1’, livre), seguida de painel de debate

Sinopse: Parem de nos matar e comecem a nos contratar

 

Painel “Coletividades LGBTQIA e diversidade na cena cultural de São Paulo”, com Ariel Nobre, Erika Hilton, Rubi de la Fuente e Tiely Queen

 

>> 19h Exibição de IVANA IS WONDERING (dir. Yaggo Aquino, 2017, 7′, 16 anos)

Sinopse: Um videoclipe sobre o despertar da inércia e a descoberta do capital político da homossexualidade.

 

>> 19h10 | Exibição de ESTAMOS TODOS AQUI (dir. Chico Santos e Rafael Mellim, 2017, Brasil, 22′, 12 anos)

Sinopse: O curta de ficção abrange a questão da transexualidade, além de explorar a realidade dos moradores das favelas usando a personagem Rosa Luz como líder da Favela da Prainha, litoral sul de São Paulo. O papel de Rosa permite esclarecer os constantes desafios de discriminação sexual que tentam superar pessoas LGBTs de periferias do Brasil.

 

>> 19h30 | Pocket Show com Rosa Luz

 

Os ingressos podem ser retirados 1h antes na Recepção MIS.

>> 15h | Exibição de [SSEX BBOX], com Barbara Hammer – Cinema Queer (dir. Pri Bertuci, 2018, 15′, 12 anos)

Sinopse: Uma conversa inspiradora com Barbara Hammer no filme experimental e na cultura queer. O [SSEX BBOX] é um projeto de justiça social que procura dar visibilidade às questões de gênero e sexualidade focado na temática / população LGBTQIA+.

 

>> 16h | Exibição de DO OUTRO LADO (Auf Der Anderen Seite, dir. Fatih Akin, 2007, Alemanha, 120′, 12 anos)

Sinopse: Inicialmente, Nejat (um personagem andrógino) não aprova o relacionamento de seu pai com a prostituta Yeter, o que muda quando ele descobre que o pai envia constantemente dinheiro para a Turquia no intuito de pagar os estudos da filha dela, Ayten. Nejat cresce apaixonado por Yeter, mas sua repentina morte faz com que ele se afaste de seu pai. Nejat decide ir a Istambul para procurar Ayten, descobrindo que ela se tornou uma ativista política e está na Alemanha.

 

>> 18h30 Exibição de IVANA IS WONDERING (dir. Yaggo Aquino, 2017, 7′, 16 anos)

Sinopse: Um videoclipe sobre o despertar da inércia e a descoberta do capital político da homossexualidade.

 

>> 18h40 Exibição de BICHA PRETA (dir. Thiago Rocha, 2017, 23′, 12 anos)

Sinopse: Bicha Preta aborda os aspectos socioculturais que auxiliam na marginalização da negritude, especificamente em relação ao indivíduo homossexual, e contribui relatando a diversidade de expressões e lutas dentro de um mesmo movimento, trazendo a público nova reflexões e deixando marcado na história vivências antes nunca documentadas.

>> Exposição “Geni – Um ensaio fotográfico com corpos transitados”

Itinerância: Museu da Diversidade Sexual

Concepção: Daniella Vinci e Mariana Moraes

Orientação: Carlos Mendonça

Cabelo e maquiagem: Xisto Lopes

Figurino: Matheus Fraga Mello

Modelos: Anna Valentina, Bárbara Macedo, Cristal Lopez, Dolly Piercing, Dhully Fantine, Fabíola Martins, Gisella Lima, Hágata Lafa, Lara Volguer, Laura Faria, Raphaela Ramalho, Tiffany Rivol

>> 11h–19h | Feira de expositores LGBTQ+ com participação de coletivos LGBTQ+ de São Paulo

 

Onde

MIS abre as portas para a diversidade

Encerramento da mostra TRANSdocumenta acontece no MIS – Museu da Imagem e do Som no próximo 9 de julho

 

O Brasil lidera o ranking de países com mais registros de homicídios de pessoas trans; os assassinatos e suicídios (notificados) de pessoas LGBTI+s no país cresceram 30% entre 2016 e 2017, liderado pelo estado de São Paulo com 59 mortes; 191 travestis e transexuais foram mortas no último ano e a expectativa de vida de uma pessoa trans é de apenas 35 anos.

 

Para debater os desafios da população LGBTQ, a Governo do estado de São Paulo e a Rede Brasil do Pacto Global (ONU) promovem a mostra TRANSdocumenta, que começou no dia 28 de junho, Dia Internacional do Orgulho LGBT, e encerra na próxima segunda-feira, 9 de julho, no MIS – Museu da Imagem e do Som.

 

A mostra exibiu uma série de documentários e filmes de longa e curta metragem, nacionais e estrangeiros, com foco nas questões da transexualidade, também em penitenciárias e Fábricas de Cultura de São Paulo. Além da exibição dos filmes no encerramento, a mostra vai reunir atividades culturais, painel de debates e uma feira de expositores LGBTQ com participação de coletivos LGBTQ com apresentações musicais e artísticas.

 

Esta programação também faz parte da Campanha #SonharoMundo, organizada pela Secretaria da Cultura do Estado de São Paulo, que mobiliza os museus paulistas a se unirem pelos Direitos Humanos.

 

PROGRAMAÇÃO DO ENCERRAMENTO

 

FOYER TÉRREO

>> 13h | Contação de histórias

>> 14h-16h | Oficina para crianças – Jogo da inclusão

>> 17h | Contação de histórias

 

AUDITÓRIO MIS*

>> 14h | Exibição de TRANSIT HAVANA (dir. Daniel Abma, 2016, Holanda, 86′, 18 anos)

Sinopse: Em Havana, as transexuais Odette, Juani e Malú aguardam cirurgia genital – realizada por cirurgiões de primeira linha e organizada pela filha do presidente, Mariela Castro. Novas possibilidades enfrentam problemas antigos: as pessoas trans cubanas encontrarão felicidade apesar da intolerância, pobreza e prostituição?

 

>> 16h | Exibição de TRAN$RICO (dir. Ariel Nobre, 1993, 1’, livre), seguida de painel de debate

Sinopse: Parem de nos matar e comecem a nos contratar

 

Painel “Coletividades LGBTQIA e diversidade na cena cultural de São Paulo”, com Ariel Nobre, Erika Hilton, Rubi de la Fuente e Tiely Queen

 

>> 19h Exibição de IVANA IS WONDERING (dir. Yaggo Aquino, 2017, 7′, 16 anos)

Sinopse: Um videoclipe sobre o despertar da inércia e a descoberta do capital político da homossexualidade.

 

>> 19h10 | Exibição de ESTAMOS TODOS AQUI (dir. Chico Santos e Rafael Mellim, 2017, Brasil, 22′, 12 anos)

Sinopse: O curta de ficção abrange a questão da transexualidade, além de explorar a realidade dos moradores das favelas usando a personagem Rosa Luz como líder da Favela da Prainha, litoral sul de São Paulo. O papel de Rosa permite esclarecer os constantes desafios de discriminação sexual que tentam superar pessoas LGBTs de periferias do Brasil.

 

>> 19h30 | Pocket Show com Rosa Luz

 

AUDITÓRIO LABMIS*

>> 15h | Exibição de [SSEX BBOX], com Barbara Hammer – Cinema Queer (dir. Pri Bertuci, 2018, 15′, 12 anos)

Sinopse: Uma conversa inspiradora com Barbara Hammer no filme experimental e na cultura queer. O [SSEX BBOX] é um projeto de justiça social que procura dar visibilidade às questões de gênero e sexualidade focado na temática / população LGBTQIA+.

 

>> 16h | Exibição de DO OUTRO LADO (Auf Der Anderen Seite, dir. Fatih Akin, 2007, Alemanha, 120′, 12 anos)

Sinopse: Inicialmente, Nejat (um personagem andrógino) não aprova o relacionamento de seu pai com a prostituta Yeter, o que muda quando ele descobre que o pai envia constantemente dinheiro para a Turquia no intuito de pagar os estudos da filha dela, Ayten. Nejat cresce apaixonado por Yeter, mas sua repentina morte faz com que ele se afaste de seu pai. Nejat decide ir a Istambul para procurar Ayten, descobrindo que ela se tornou uma ativista política e está na Alemanha.

 

>> 18h30 Exibição de IVANA IS WONDERING (dir. Yaggo Aquino, 2017, 7′, 16 anos)

Sinopse: Um videoclipe sobre o despertar da inércia e a descoberta do capital político da homossexualidade.

 

>> 18h40 Exibição de BICHA PRETA (dir. Thiago Rocha, 2017, 23′, 12 anos)

Sinopse: Bicha Preta aborda os aspectos socioculturais que auxiliam na marginalização da negritude, especificamente em relação ao indivíduo homossexual, e contribui relatando a diversidade de expressões e lutas dentro de um mesmo movimento, trazendo a público nova reflexões e deixando marcado na história vivências antes nunca documentadas.

 

ÁREA EXTERNA*

>> 11h–19h | Feira de expositores LGBTQ+ com participação de coletivos LGBTQ+ de São Paulo

 

TÉRREO

>> Exposição “Geni – Um ensaio fotográfico com corpos transitados”

Itinerância: Museu da Diversidade Sexual

Concepção: Daniella Vinci e Mariana Moraes

Orientação: Carlos Mendonça

Cabelo e maquiagem: Xisto Lopes

Figurino: Matheus Fraga Mello

Modelos: Anna Valentina, Bárbara Macedo, Cristal Lopez, Dolly Piercing, Dhully Fantine, Fabíola Martins, Gisella Lima, Hágata Lafa, Lara Volguer, Laura Faria, Raphaela Ramalho, Tiffany Rivol

 

* Os ingressos podem ser retirados 1h antes na Recepção MIS.

 

Evento do Facebook: https://www.facebook.com/events/624522601260137/

 

MIS – Museu da Imagem e do Som

Avenida Europa, 158 – Jardim Europa

São Paulo – SP

 

Informações para a imprensa – Secretaria da Cultura do Estado de São Paulo
Stephanie Gomes – (11) 3339-8243 | stgomes@sp.gov.br
Elisabete Alina – (11) 3339-8164 | betealina.culturasp@gmail.com

Sexta-feira 13 com maratona de filmes de Hitchcock no MIS!

O Museu da Imagem e do Som – MIS SP, instituição da Secretaria da Cultura do Estado de São Paulo, realiza mais uma tradicional Maratona de Filmes de Terror durante a madrugada de Sexta-Feira 13. Esta edição, porém, é especial: acontece juntamente com a inauguração da nova megaexposição do Museu, Hitchcock – Bastidores do suspense, no próximo dia 13 de julho.  

Para mergulhar no clima do diretor britânico, além da exibição de três de seus icônicos filmes durante a madrugada (Os Pássaros, Trama Macabra e O Homem que sabia demais), quem comprar ingresso para a Maratona de filmes poderá visitar a exposição entre as 22h de sexta (13) e 10h de sábado (14).

Os ingressos para a Sexta-Feira 13 – Maratona Hitchcock (R$ 30, que dão direito às três sessões mais entrada na exposição) começam a ser vendidos no dia 6 de julho, sexta-feira, a partir das 12h – no site da Ingresso Rápido e recepção do Museu.

 

PROGRAMAÇÃO

23h – Os Pássaros (1963)

Melanie Daniels (Tippi Hedren) é uma bela e rica socialite que sempre vai atrás do que quer. Um dia ela conhece o advogado Mitch Brenner (Rod Taylor) em um pet shop e fica interessada nele. Após o encontro ela decide procurá-lo em sua cidade. Ela dirige por uma hora até a pacata cidade de Bodega Bay, na Califórnia, onde Mitch costuma passar os finais de semana. Entretanto, Melaine só não sabia que iria vivenciar algo assustador: milhares de pássaros se instalaram na localidade e começam a atacar as pessoas.

1h – Trama macabra (1976)

O último filme de Alfred Hitchcock teve o roteiro baseado no livro The Rainbird Pattern, de Victor Canning. Na trama, a falsa médium Madame Blanche (Barbara Harris) e seu namorado, o taxista George Lumley (Bruce Dern), tentam arrancar algum dinheiro de Julia Rainbird (Cathleen Nesbitt) dizendo que conseguem se comunicar com seu sobrinho desaparecido. Enquanto isso, Arthur Adamson (William Devane) e sua parceira, Fran (Karen Black), enriquecem sequestrando magnatas. Brevemente os caminhos dos quatro trambiqueiros se cruzarão.

3h – O homem que sabia demais (1956)

O filme é uma refilmagem do filme homônimo de 1934, também dirigido por Hitchcock. Durante suas férias no Marrocos, Ben McKenna (James Stewart), um médico, e sua família se envolvem acidentalmente em uma trama internacional de assassinato, quando um moribundo fala ao ouvido de Ben algumas palavras. Para impedi-lo de denunciar a trama à polícia, os conspiradores resolvem então sequestrar seu filho.

Onde

MIS abre venda de ingressos para superexposição sobre Hitchcock!

O MIS, instituição da Secretaria da Cultura inaugura sua nova megaexposição, Hitchcock – Bastidores do suspense, no dia 13/7, sexta-feira. A abertura da mostra contará com uma virada durante a madrugada: o público poderá visitar a exposição desde as 10h00 de sexta-feira (13/07) até as 21h00 de sábado (14/07).

Os ingressos antecipados para os primeiros dias de visitação (13, 14, 18, 19, 20 e 21 de julho) podem ser adquiridos, a partir das 12h do dia 29/06, no site e aplicativo da Ingresso Rápido.

A Exposição

 

Através da longa filmografia de Hitchcock, o público pode conhecer os diversos aspectos e elementos que tornaram suas obras audiovisuais grandes sucessos e de inquestionável vanguardismo técnico e artístico. Hitchcock se ocupava de todas as etapas e processos de seus filmes, desde o argumento inicial ou pré-roteiro até a finalização e edição dos filmes, passando pela direção de arte, direção de fotografia e até indicação de como seria o design do pôster e seu plano de divulgação. Este domínio pleno e controle de todas as etapas da feitura de seus filmes estão presentes na mostra, que apresenta ao público um cineasta completo e preocupado com cada detalhe de suas produções. O projeto expográfico e arquitetônico da mostra, desenvolvido em parceria com o Atelier Marko Brajovic, explora com literalidade o “perfil Hitchcock”, com muito suspense e surpresas tanto para os visitantes que conhecem mais a fundo sua obra quanto para aqueles que não são íntimos de seu modo de produção.

Além da exposição, o MIS prevê uma intensa programação paralela que segue por todo o período que a exposição fica em cartaz, incluindo mostras de cinema, lançamento de livro, palestras e edições especiais da programação regular do museu – como o Cinematographo e a Maratona Infantil. Além disso, o MIS preparou um curso especial para os fãs do mestre do suspense, que já está com inscrições abertas:

Retrato publicitário para lançamento do filme “Pássaros” (1963)

Curso: O Cinema de Alfred Hitchcock

 

Ministrado por Carlos Primati (jornalista, crítico, tradutor e pesquisador) e Marcelo Lyra (jornalista, professor e crítico de cinema), o curso aborda em doze aulas, de maneira analítica e expositiva todos os aspectos da obra do diretor conhecido como ‘o mestre do suspense’. Desde a fase inglesa, ainda no cinema mudo, passado pela transição para o cinema falado, a colorização dos filmes, a indústria hollywoodiana e até mesmo a participação na produção da série de TV, serão temas abordados que delineiam a compreensão da importância de sua obra para a história do cinema mundial. O curso acontece de 16 de julho a 27 de agosto, das 19h00 às 22h00. Inscrições abertas, mais informações e inscrições, clique aqui.

Onde

Mostra de cinema sobre transexualidade tem participação da #CulturaSP

A partir de 28 de junho, o Museu da Diversidade Sexual, a Casa das Rosas e o Museu da Imagem e do Som – MIS, participam juntos do TRANSdocumenta, uma mostra que discutirá assuntos ligados à transexualidade. Serão documentários, debates, exposições fotográficas, entre outras atividades. O evento é parte da agenda de direitos humanos “O Mundo que Queremos”, do Governo do Estado de São Paulo, por meio da Assessoria Especial para Assuntos Internacionais (AEAI), em parceria com a ONU, e da campanha “Sonhar o Mundo”, realizada pelos museus da Secretaria da Cultura do Estado.

A abertura será nesta quinta-feira no Red Bull Station. Durante o evento, além de da exposição fotográfica “Com Muito Orgulho” – já em cartaz no Museu da Diversidade -, o público terá a oportunidade de acompanhar o lançamento do projeto “Memórias da Diversidade”, apresentado por Franco Reinaudo, diretor do Museu da Diversidade Sexual. A iniciativa traz depoimentos de pessoas LGBTIs com mais de 65 anos de idade. “Desde sua primeira edição, com poucas pessoas, até se transformar na maior manifestação da população LGBT, a Parada [do Orgulho LGBT de São Paulo] mostrou que é o espaço genuíno de reinvindicação, visibilidade e celebração do orgulho. E é com muito orgulho que o Museu da Diversidade Sexual homenageia todas as pessoas que de alguma forma contribuem, organizam e participam das Paradas pelo mundo”, comenta Reinaudo.

Também participa da cerimônia, Ana Paula Fava, assessora especial para Assuntos Internacionais do Governo do Estado de São Paulo, que irá discursar sobre o tema.

Os interessados em participar da abertura devem se inscrever aqui. O evento é gratuito, mas as vagas são limitadas.

Cartaz de "Quarto Camarim"

O objetivo da mostra é promover o diálogo e o debate abordando os desafios enfrentados pela população LGBTI+. Para isso, a programação inclui também rodas de conversas com diretores dos documentários que serão exibidos ao longo da semana, pocket shows e a feira “Ocupa Diversa”, com peças de empreendedores LGBTI+.

Entre os documentários, estão curtas e longa-metragens nacionais e internacionais – entre elas, uma produção holandesa, com direção de Daniel Abma, “Transit Havana” se passa em Cuba e conta a história de três transexuais que aguardam na fila de espera para realizar a cirurgia genital, realizada por cirurgiões europeus e organizada por Mariela Castro, filha do presidente. A Cônsul Geral Adjunta do Reino dos Países Baixos em São Paulo, Nanna Stolze, comentou sobre a importância da iniciativa e do poder de conscientização da população, por meio da arte. “Sempre procuramos formas de cooperação com Brasil na área de direitos LGBTI, que é um ponto importante na política interna e externa do governo dos Países Baixos, relata.

Confira a programação completa da mostra TRANSdocumenta:

28 de junho, quinta-feira, 19h00 às 22h00

Praça da Bandeira, 137, Centro, São Paulo

(11) 3107-5065

www.redbullstation.com.br

 

Abertura oficial da Mostra TRANSdocumenta

 

  • Exposição de fotografias Com Muito Orgulho, do Museu da Diversidade Sexual
  • Exibição do documentário “Estamos Todos Aqui” e conversa com os diretores

O curta de ficção abrange a questão da transexualidade, além de explorar a realidade dos moradores das favelas usando a personagem Rosa Luz como líder da Favela da Prainha, litoral sul de São Paulo. O papel de Rosa permite esclarecer os constantes desafios de discriminação sexual que tentam superar pessoas LGBTs de periferias do Brasil. Duração: 22 min | Direção: Chico Santos e Rafael Mellim (Brasil) | Classificação: 12 anos

  • Lançamento do projeto Memórias da Diversidade

Coquetel com pocket show

Estação República do Metrô – piso Mezanino

Rua do Arouche, 24, República – São Paulo

(11) 3882-8080

www.mds.org.br

 

29 de junho, sexta-feira

16h00 – Exibição do documentário “Last chance” (Última Chance)

Este documentário conta a história de cinco pessoas que buscam por asilo e fogem de seus países de origem para escapar da violência LGBTfóbica. Eles enfrentam obstáculos para chegarem até o Canadá, temem deportação e aguardam ansiosamente uma decisão que irá mudar suas vidas para sempre. Duração: 84 min | Direção: Paul-Émile d’Entremont (Canadá) | Classificação: 14 anos

18h00 – Exibição do documentário “Quarto Camarim”

O documentário apresenta a busca da diretora por a sua tia transexual depois de 6 anos sem contato. Desenvolvendo a temática da comunidade LGBT no papel da tia, o roteiro lida as ideias sociais e políticas que envolvem a controvérsia e os preconceitos da transexualidade com uma abordagem artística e familiar. Duração: 101 min | Direção:  Fabrício Ramos e Camele Queiroz (Brasil) | Classificação: 12 anos

 

30 de junho, sábado

16h00 – Exibição do documentário “Meu Nome é Jacque”

O documentário apresenta a história de uma mulher transexual lidando com a AIDS há mais de 20 anos. Reflete as questões da transfobia e da exclusão social contra as quais a protagonista luta. A diretora tentou expor a realidade da comunidade LGBT esforçando-se para quebrar os paradigmas usando o exemplo pessoal da ativista Jacque. Duração: 72 min | Direção: Angela Zoé (Brasil) | Classificação: 12 anos

18h00 – Exibição do documentário “Auf der anderen Seite” (Do outro lado)

Inicialmente, Nejat (um personagem andrógino) não aprova o relacionamento de seu pai com a prostituta Yeter, o que muda quando ele descobre que o pai envia constantemente dinheiro para a Turquia no intuito de pagar os estudos da filha dela, Ayten. Nejat cresce apaixonado por Yeter, mas sua repentina morte faz com que ele se afaste de seu pai. Nejat decide ir a Istambul para procurar Ayten, descobrindo que ela se tornou uma ativista política e está na Alemanha. Duração: 120 min | Direção: Fatih Akin (Alemanha) | Classificação: 12 anos

Av. Paulista, 37, Bela Vista – São Paulo-SP

Estação Brigadeiro do Metrô (850m)

(11) 3285-6986 | (11) 3288-9447

www.casadasrosas.org.br

 

01 de julho, domingo

13h00 – Exibição do documentário “Meu Corpo é Político” e conversa com a diretora Alice Riff

Vivenciado o dia a dia ao lado de diversos ativistas LGBTs moradores das periferias de São Paulo, o documentário faz um panorama do contexto social em que os personagens estão inseridos. Além disso, levanta questões sobre a população trans no Brasil e suas disputas políticas. Duração: 72 min | Direção: Alice Riff (Brasil) | Classificação: 12 anos

16h00 – Exibição do documentário “Transit Havana

Em Havana, as transexuais Odette, Juani e Malú aguardam cirurgia genital – realizada por cirurgiões de primeira linha e organizada pela filha do presidente, Mariela Castro. Novas possibilidades enfrentam problemas antigos: as pessoas trans cubanas encontrarão felicidade apesar da intolerância, pobreza e prostituição? Duração: 86 min | Direção: Daniel Abma (Holanda) | Classificação: 18 anos

 

05 de julho, quinta-feira

20h00 – Exibição ao ar livre do documentário “My prairie home” (Meu Lar nas Pradarias)

Neste documentário-musical feito por Chelsea McMullan, a pessoa não-binária de gênero fluído cantora indie Rae Spoon nos leva em uma viagem lúdica, meditativa e melancólica, às vezes. Com imagens majestosas das expansões infinitas das pradarias canadenses, o filme apresenta Spoon cantando sobre seu amadurecimento de gênero e musical. Entrevistas, performances e sequências musicais revelam processo de inspiração de Spoon de construir uma vida própria, como uma pessoa trans e como músico. Duração: 77 min | Direção:  Chelsea McMullan (Canadá)

Av. Europa, 158 – Jardim Europa – São Paulo-SP

(11) 2117-4777

www.mis-sp.org.br

 

09 de julho, segunda-feira

Auditório

Exposição de fotografias COM MUITO ORGULHO, mostra do Museu da Diversidade Sexual

14h00 – Exibição do documentário “Transit Havana”

16h00 – Exibição do documentário “Estamos Todos Aqui”

17h00 – Exibição do documentário “Auf der anderen Seite” (Do outro lado)

18h30 – Exibição do documentário “Bicha Preta”

Bicha Preta aborda os aspectos socioculturais que auxiliam na marginalização da negritude, especificamente em relação ao indivíduo homossexual e contribui relatando a diversidade de expressões e lutas dentro de um mesmo movimento, trazendo a público nova reflexões e deixando marcado na história, vivências antes nunca documentadas. Duração: 23 min | Direção: Thiago Rocha | Classificação: 12 anos

 

Área externa

12h00 às 18h00 – Feira de expositores LGBTI+ e pocket shows

Onde

Vai ter mostra de cinema indiano no MIS em junho

Nos dias 26 e 28 de junho, o Museu da Imagem e do Som – MIS SP, recebe a mostra “Cinema Comercial Indiano Contemporâneo”. Organizada pelo Centro Cultural Indiano de São Paulo e com curadoria da especialista em cinema indiano, Juily Manghirmalani, a mostra traz uma amostragem de grandes bilheterias do cinema híndi atual. A seleção, que apresenta seis obras de diferentes gêneros e temáticas, tem como objetivo aproximar o público brasileiro da Índia.

As sessões acontecem no Auditório MIS (172 lugares) e têm entrada gratuita. Para participar é necessário retirar o ingresso com 1 hora de antecedência, de cada filme, na recepção do Museu.  Confira abaixo a programação:

15h00
Hawaa Hawaai
(Dir. Amole Gupte, 2014, 120 min, Drama/Família, Classificação livre)
Sinopse: O pequeno Arjun sonha em se tornar campeão de skate, no entanto sua realidade humilde o impossibilita de seguir esse caminho. Após a morte de seu pai, Arjun muda-se para Mumbai em busca de realizar esse grande sonho. 

17h30
Tanu Weds Manu (Dir. Aanand L. Rai, 2011, 119 min, Comédia romântica, 12 anos)
Sinopse: Manoj “Manu” Sharma é um médico indiano que vive em Londres. Ele vai para a Índia em busca de uma noiva para se casar.  Seus pais já selecionaram algumas garotas para ele conhecer e o levam para Kanpur para conhecer Tanuja “Tanu” Trivedi, que não tem intenção alguma de se casar com ele.

20h00
3 idiotas/3 idiots
(Dir. Rajkumar Hirani, 2009, 171 min, Comédia, 12 anos)
Na faculdade, Farhan e Raju formam um grande vínculo com Rancho devido a sua visão positiva e renovadora da vida. Anos mais tarde, uma aposta lhes dá a chance de procurar por seu amigo há muito tempo perdido.

15h00
O.M.G (Dir. Umesh Shukla, 2012, 130 min, Comédia, Livre)

Kanji Mehta é um ateu que administra uma loja de antiguidades. Para ele, deuses e religião nada mais são do que uma proposta de negócio.  Um belo dia, um leve terremoto sacode a cidade de Mumbai, porém o tremor parece não ter gerado nenhum grande dano, somente a destruição da loja de Kanji.  O seguro não cobre o desastre natural, então Kanji abre um processo contra Deus para que o reembolse. 

17h30
Queen (Dir. Vikas Bahl, 2013, 146 min, Comédia Romântica, 12 anos)
Rani é uma jovem de 24 anos que está prestes a se casar. No dia anterior ao casamento, o noivo cancela a festa, deixando Rani e sua família desolados. A moça decide então ir a sua lua de mel sozinha por Londres, onde faz novos amigos e muda sua forma de enxergar o mundo. 

20h00
Kahaani (Dir. Vikas Bahl, 2013, 146 min, Drama/Policial, 16 anos)
Um ataque de gás venenoso em um compartimento do Metrô de Kolkata mata os passageiros a bordo. Dois anos depois, Vidya Bagchi, engenheira de software e grávida, chega a Londres em Kolkata durante as festividades de Durga Puja em busca de seu marido desaparecido, Arnab Bagchi.

Onde

Assista o documentário “Chega de fiu fiu” no MIS!

No 23/6, o Museu da Imagem e do Som – MIS-SP, exibe o documentário Chega de fiu fiu”. A sessão única – que será seguida de um bate-papo com as diretoras – tem início às 18h e acontece no Auditório LABMIS. A entrada é gratuita, para participar é necessário retirar ingresso com uma hora de antecedência da recepção no Museu.

Dirigido por Amanda Kamanchek e Fernanda Frazão, o longa-metragem trata da participação das mulheres nos espaços públicos, marcada por uma série de violências, em especial o assédio sexual, e examina como campanhas e outras dinâmicas criadas por ativistas e movimentos feministas no período de 2014 a 2017 têm modificado relações de poder entre homens e mulheres nas ruas e na internet.

 

As cidades foram feitas para as mulheres?

A pergunta é motor fundamental do longa-metragem Chega de fiufiu”. Produzido em parceria com a Brodagem Filmes, o documentário foi lançado em maio deste ano e integra campanha homônima criada em 2014 pela organização Think Olga, trazendo ao centro do debate questões como o assédio e o direito das mulheres ao espaço público.

“Chega de fiufiu” explicita como a participação das mulheres no espaço urbano é marcada por insegurança. “Entraves como a falta de iluminação, lugares ermos, a dificuldade de mobilidade, longas distâncias na locomoção de casa ao trabalho, ausência de creches e péssimo atendimento em serviços de saúde e segurança seguem como catracas visíveis e invisíveis do acesso das mulheres às cidades. Tais entraves revelam o quanto as cidades foram construídas sem a perspectiva de gênero e agravam ainda mais as violências sofridas pelas mulheres, como o assédio”diz Amanda Kamanchek, diretora do documentário. “O filme é um retrato dessa violência de gênero em um contexto ainda pouquíssimo explorado: o espaço público. A pergunta que nos fizemos ao longo de todo o filme é ‘qual é o lugar das mulheres nas cidades? ’”.

“Chega de fiu fiu” traça uma narrativa composta de três momentos: a utilização de óculos com uma microcâmera escondida, usado por mulheres em seu dia a dia; a vida de três personagens de diferentes cidades (Brasília, São Paulo e Salvador) e o diálogo com especialistas sobre assédio, identidades, sexualidade, participação e mobilização social e masculinidades.

“Não só a entrevista com personagens, mas a dinâmica de cada uma delas com suas cidades foi nos ajudando a construir o argumento real do filme. Ao longo do projeto, criamos alguns artifícios de filmagem como o óculos-espião, o que nos permitiu explorar de maneira muito forte o modo como o corpo é percebido no espaço público. Dessa forma, as personagens puderam também se utilizar de um instrumento de denúncia. E, em adição, o próprio corpo delas se tornou uma ferramenta dessa narrativa. Em suma, convidamos essas mulheres a colaborar com o documentário de fato e isso nos trouxe ainda mais verdade e emoção”, diz Fernanda Frazão, também diretora do filme.

De acordo com pesquisa da ActionAid de 2016, 86% das brasileiras já sofreram violência sexual ou assédio em espaços públicos. Delas, 77% ouviram assobios, 57% ouviram comentários de cunho sexual, 39% xingamentos, 50% foram seguidas, 44% tiveram seus corpos tocados, 37% tiveram homens que se exibiram para elas e 8% foram estupradas.

Muitos anos se passaram desde que as mulheres começaram a circular nos espaços públicos, mas o respeito nesse território ainda lhes é negado. Pesquisa do Ipea de 2014, “Tolerância social à violência contra as mulheres”, mostrou que 26% dos brasileiros concordam com a afirmação “mulheres que usam roupas que mostram o corpo merecem ser atacadas” e estudo do Fórum de Segurança Pública  de 2016 mostra ainda que uma em cada três pessoas acreditam que “mulheres que se dão ao respeito não são estupradas”. Uma violência baseada na ideia de que quando uma mulher se comporta de determinada maneira, ela deve ser punida.

Tais pesquisas revelam o pensamento atual de muitas pessoas que ainda consideram inaceitáveis certas condutas e escolhas das mulheres, como “ficar bêbada”, “sair de casa sem o marido” e “usar roupas justas e decotadas”.  

“Há alguns anos, assédio era uma palavra não dita, um assunto discutido em algumas bolhas feministas. Houve a necessidade de ampliar essa conversa e, com o tempo, ela foi evoluindo e amadurecendo. Não poderíamos estagnar nessa ideia do assédio como algo micro, a cantada de rua. É necessário olhar que papel ele desempenha dentro da cultura do estupro e como alimenta a roda hostil do machismo”, diz Juliana de Faria, fundadora da ONG Think Olga. “Mais que isso, o filme mostra como somos excluídas sistematicamente do debate sobre a cidade. As personagens do filme têm isso em comum: nenhuma se sente à vontade pra circular no espaço público. Nenhuma delas se sente segura ou pertencente à cidade. Para além da denúncia, vejo o documentário como um projeto educacional. A ideia é transformá-lo em ferramenta junto às universidades e escolas para que possamos pensar em conjunto uma mudança”conclui.

 

Confira o trailer oficial do filme:

"A sociedade nos ensina que não temos que ver isso como um problema. Que é 'legal' a gente sair na rua e, de repente, ser assediada."
MESSAGE-ICON
Djamila Ribeiro
Pesquisadora na área de Filosofia Política e feminista

Sobre as diretoras

Amanda Kamanchek, brasileira, 31 anos, jornalista e documentarista, trabalha com projetos sociais destinados à prevenção da violência contra mulheres e meninas, educação de gênero nas escolas, assédio sexual e direito à cidade. Foi coordenadora de campanhas da área de enfrentamento à violência da ONU Mulheres Brasil – Agência das Nações Unidas para a Igualdade de Gênero e o Empoderamento das Mulheres. É diretora do documentário Chega de Fiu Fiu, sobre o assédio contra as mulheres em espaços públicos em parceria com a organização feminista Think Olga. Desenvolveu junto ao Departamento de Ciência da Política de Direitos Autorais da Paz, Democracia e Tolerância da USP a plataforma Cartografia de Direitos Humanos. Foi coordenadora de Comunicação do Instituto Pólis, desenvolvendo conteúdos e projetos relacionados aos temas direito à cidade, habitação, segurança pública, democracia e sustentabilidade. É formada em Jornalismo pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo e em Documentário pela AIC (Academia Internacional de Cinema). Eleita uma das 21 mulheres brasileiras que estão fazendo do país um lugar melhor, pelo Brasil Post / Huffington Post, 2014 e como uma das 100 mulheres inspiradoras do mundo em 2014, pelo Think Olga, organização feminista que combate o assédio contra as mulheres.

Fernanda Frazão, brasileira, 32 anos, é fotógrafa e documentarista, formada em Comunicação Audiovisual pela Universidade Estadual Paulista (UNESP) e pela Universidad da Coruña (UDC), Espanha. Trabalha na intersecção de várias mídias como plataformas criativas para contar histórias, com foco em gênero e direitos humanos. Dirigiu seu primeiro longa-metragem “Chega de Fiu Fiu” (2018) sobre o assédio sexual contra mulheres em espaços públicos no Brasil, em parceria com a organização feminista Think Olga.  Em 2011, realizou o curta-metragem “Amai-vos uns aos loucos”, sobre os estereótipos da esquizofrenia e sua relação com a sociedade de consumo. Trabalha como freelancer de desenvolvimento, direção e criação em conteúdo multimídia na O2 Filmes, onde também atua como diretora criativa em novos formatos, conteúdo interativo e digital. Vive e trabalha em São Paulo, Brasil.

Onde

Museu da Imigração celebra 110 anos da imigração japonesa no Brasil

O Museu da Imigração celebrará os 110 anos da imigração japonesa no Brasil com uma programação especial no dia 18/6, das 17h às 21h. Nessa data histórica, em 1908, 781 imigrantes japoneses chegaram ao porto de Santos a bordo do navio Kasato Maru e se abrigaram na Hospedaria de Imigrantes do Brás (hoje sede do Museu) até serem conduzidos aos seus postos de trabalho. Iniciavam, assim, a contribuição japonesa para o desenvolvimento do país.

Em homenagem a esse dia tão representativo, o Museu da Imigração, localizado no complexo que recebeu cerca de 85 mil imigrantes japoneses, abrirá na segunda-feira (18), exclusivamente no horário do evento, para a exibição de “Gaijin – Ama-me como sou” (2005), dirigido por Tizuka Yamasaki, uma das cineastas mais importantes do Brasil. O longa-metragem apresenta a história das gerações de mulheres descendentes de Titoe, a imigrante japonesa que protagonizou “Gaijin – Os Caminhos da Liberdade” (1980), o primeiro da sequência. “Gaijin – Ama-me como sou” foi premiado como melhor filme, melhor direção, melhor atriz coadjuvante e melhor música no Festival de Gramado de 2005.

A programação começará com uma recepção aos participantes e visita às exposições da instituição, às 17h. No jardim do MI, o público poderá prestigiar uma apresentação musical, às 18h. A exibição ao ar livre da obra de Tizuka será no mesmo local e está marcada para as 19h.

Ao término do filme, diretora, produtores e convidados realizarão uma conversa sobre a temática, às 21h00. Os interessados em participar dessa comemoração devem enviar e-mail para m.souto@museudaimigracao.org.br. As vagas são limitadas e gratuitas.

 

Onde

“Pink Floyd The Wall” no Cinematographo MIS!

Fãs de rock’n’roll não podem perder a próxima edição do Cinematographo do MIS. O longa Pink Floyd The Wall, inspirado no icônico álbum The Wall, ganha trilha sonora ao vivo com a banda Pink Floyd Dream no domingo, dia 3/6, às 15h. Os ingressos, de R$ 12 (inteira) e R$ 6 (meia), podem ser adquiridos na Recepção MIS ou pelo site da Ingresso Rápido a partir do dia 25/5.

O longa foi produzido no ano de 1982 pelo diretor britânico Alan Parker, baseado no álbum The Wall, da banda Pink Floyd – o roteiro foi escrito pelo vocalista e baixista da banda, Roger Waters. O filme possui poucos diálogos, sendo mais metafórico e movido pelas músicas de fundo e sequências de animação, dirigidas pelo cartunista político Gerald Scarfe. A história gira em torno das fantasias delirantes do superstar do rock Pink, um homem que enlouquece lentamente em um quarto de hotel em Los Angeles. O filme acompanha o cantor desde sua juventude, mostrando como ele se escondeu do mundo exterior.

Sinopse

Pink é um astro do rock que consome drogas para poder entrar em órbita e, assim, construir uma parede imaginária que o separe do público. Ele recorda sua relação de dependência materna, a morte de seu pai e os castigos de seus professores.

Visite

Vai ter oficina gratuita de animação no Museu do Futebol – Participe!

O futebol vai virar cinema animado. Essa é a proposta de uma oficina que a Matiz Filmes e o cineasta Ralph Friedericks promoverão no Museu do Futebol no dia 19/5, sábado, a partir das 11h. Na atividade, gratuita e direcionada a crianças a partir dos cinco anos, o público aprenderá a desenvolver personagens com massinha de modelar e transformar essas figuras em filme usando técnica de animação quadro a quadro.

A oficina terá cerca de duas horas de duração. Depois desse período, os participantes poderão levar para casa os bonecos e os filmes produzidos. Há apenas 30 vagas, e por isso o evento terá distribuição de senhas na bilheteria do Museu do Futebol, a partir das 10h.

A técnica de animação quadro a quadro, escolhida por eles para a oficina no Museu do Futebol, utiliza personagens estáticos e cria roteiros a partir de sequências de fotos. Também conhecido como stop motion, esse processo foi a base de filmes como “O estranho mundo de Jack” (dirigido por Tim Burton em 1993), “A fuga das galinhas” (dirigido por Peter Lord e Nick Park em 2000) e “O fantástico senhor Raposo” (dirigido por Wes Anderson em 2009), por exemplo.

O uso do stop motion como recurso cinematográfico, contudo, é bem mais antigo. Em 1902, o francês George Mélies já havia usado a técnica para produzir o curta “Viagem à Lua”, que narra a trajetória de um foguete com tripulação humana.

 

Visite

No Theatro São Pedro, trilhas sonoras de filmes de Charlie Chaplin

Seguindo com a série Música de Câmara, o Theatro São Pedro, apresenta um programa especial que une cinema e música. Nos dias 7 e 8 de abril, um Quinteto de Metais e Bateria da Orquestra do Theatro São Pedro será responsável por musicar duas produções de um dos grandes nomes da sétima arte: os curtas O Balneário e O Imigrante, de Charlie Chaplin, que em abril celebramos 129 anos de seu nascimento. As apresentações ocorrem no sábado, às 20h00 e domingo, mais cedo, às 17h00, e a entrada é gratuita.

Os filmes serão exibidos com trilha sonora dos músicos Fábio Simão e Fábio de Oliveira (trompetes), Rafael Nascimento (trompa), Maurício Martins e Ricardo Pacheco (trombones) e Rubens de Oliveira (bateria), que estarão no palco. Para acompanhar as histórias de Carlitos, eles interpretam obras dos séculos 19 e 20 escritas por Claude Debussy, Edgar Dowell, Léo Debiles, Scott Joplin, entre outros.

Esta programação de Música de Câmara do Theatro, intitulada Cine São Pedro, visa preservar com frescor a relação do público com o cinema mudo, tendo a música como principal elemento de cena e promover o contato com a sétima arte em uma sala de concerto. O espetáculo também tem por objetivo resgatar a história centenária do São Pedro, inaugurado em 1917 como cinema

O Imigrante

Em O Imigrante, Carlitos chega aos Estados Unidos ou “a terra das oportunidades”, onde é mais um imigrante que foi tentar a vida. No navio conhece uma jovem, que acompanha sua mãe, e os dois se apaixonam. Ao término da viagem, os dois se separam. Ele tenta encontrá-la, e o encontro acontece em um restaurante. De lá, partem para um dos poucos finais felizes de Chaplin.

Direção e Roteiro: Charles Chaplin

Elenco: Charles Chaplin, Edna Purviance, Eric Campbell

Duração: 20 minutos

 

 

O Balneário

Em O Balneário, que se passa em uma estação de águas térmicas, vemos Carlitos, bem trajado, porém bêbado, tentando entrar por uma porta giratória, em uma das cenas clássicas do cinema. Neste curta, ele encarna um homem que tenta se recuperar da bebedeira, em um local que deveria emanar saúde. Um funcionário do hotel descobre que a mala de Carlitos traz, na verdade, diversas bebidas, e a joga pela janela. As bebidas vão parar na fonte de águas, e todos os hóspedes acabam bêbados.

Direção Charles Chaplin

Roteiro: Charles Chaplin, Vincent Bryan

Elenco: Charles Chaplin, Edna Purviance, Eric Campbell, Henry Bergman

Duração: 19 minutos

MIS tem nova programação de cinema!

Foto de "Ed Mort" longa de Alain Fresnot - Acervo MIS

 

O MIS inicou uma nova programação, o Cinema Paulista Já!. Idealizado por Isa Castro, Diretora Cultural do Museu, o programa busca mostrar como o cinema paulista se renovou a partir de uma geração de cineastas independentes que fizeram seus primeiros longas-metragens de ficção nos anos 1980.

O programa traz, a cada edição, um personagem desta geração e uma retrospectiva de seus filmes. O primeiro convidado é Alain Fresnot, diretor de filmes como Lua cheia, Ed Mort, Desmundo e Família vende tudo. Para que esses filmes possam ser exibidos, a pesquisa não se resume ao acervo do Museu da Imagem e do Som, mas se estende a acervos universitários e de espaços como a Cinemateca Brasileira. A segunda edição do Cinema Paulista Já! Será em junho e tem como convidado André Klotzel.

Entre os filmes dessa geração que se destacam estão Asa Branca – um sonho brasileiro (1981), de Djalma Limongi Batista; A marvada carne (1985), de André Klotzel; Anjos da noite (1987), de Wilson Barros; A dama do Cine Shanghai (1987), de Guilherme de Almeida Prado; Cidade oculta (1986), de Chico Botelho; Jogo Duro (1986), de Ugo Giorgetti; Romance (1988), de Sérgio Bianchi e Feliz ano velho (1988), de Roberto Gervitz.

“O que nos diferencia de outras gerações era o espírito colaborativo: todos se conheciam, assim trocávamos experiências, emprestávamos equipamentos e atuávamos em diversas funções e em projetos de todos os amigos.”
MESSAGE-ICON
Isa Castro
Diretora Cultural do MIS

 

Cinema Paulista Já! convida Alain Fresnot

 

Nesta primeira fase do projeto será realizada uma mostra de filmes com uma seleção de obras de Alain Fresnot, diretor de curtas como Nitrato e Amor que fica, e dos longas Lua cheia, Ed Mort, Desmundo e Família vende tudo. O Museu também apresenta uma exposição composta por fotos, cartazes e roteiros de filmes que traçam a carreira cinematográfica de Alain Fresnot, além de uma retrospectiva de suas obras de artes plásticas produzidas nos últimos dez anos. A programação ainda conta com um show do cineasta na abertura.

 

Exposição Alain Fresnot

A exposição traz materiais de divulgação de filmes dirigidos pelo cineasta, incluindo cartazes, folhetos, lambe-lambe, além de outros itens como fotos, roteiros, storyboard, maquete e tira de jornal. Já em seus trabalhos de artes plásticas, Alain Fresnot busca exercitar o componente lúdico que a prática artística traz consigo. A exposição faz um recorte da produção que o artista realizou nos últimos dez anos e apresenta a diversidade de técnicas e materiais que utiliza na criação das esculturas, tais como bronze, metal, aço, couro, plástico e madeira.

Programação

“É uma honra abrir o projeto Cinema Paulista Já!, no MIS. Em um cenário de crescimento vertiginoso da exibição dos filmes via streaming, que vem acompanhado da necessidade de regulamentação de cota no VOD, é cada vez mais necessário não apenas o esforço pela digitalização dos filmes em película, mas também o resgate da produção guardada nos acervos e a abertura de espaço para sua exibição, sob pena de perdermos nossas coisas, nossas histórias e nossa língua.”
MESSAGE-ICON
Alain Fresnot
Diretor

18h00 | Abertura

20h00 – 21h00 | Show Disco de freio, samba de breque

Disco de freio, samba de breque é o nome do projeto musical, realizado em parceria com o músico e compositor Elio Camalle, que Alain Fresnot apresenta na abertura do evento. “O álbum é o resultado de minha parceria com o musico e compositor Elio Camalle. Adoro samba, sou letrista e poeta bissexto. Conheci o Elio ao fazer o casting para o filme Família vende tudo.”, conta Fresnot. Participam do show Rodolfo Gomes da Silva (cavaquinho), Alfredo Hacl Castro (percussão) e Douglas Alonso (percussão). No repertório, estão Cineasta brasileiro, Conselho, Sim, Ensina e Samba de breque, entre outras canções.

18h30 – 19h50 | Bate-papo sobre direção cinematográfica com Alain Fresnot mediado pelo cineasta Pedro Urizzi.

20h00 | Filmes

Capoeira (Dir. Alain Fresnot, Brasil, 1975, 10 min, 35 mm)

Sinopse: Cerimônia de batismo na capoeira na Barra Funda, o canto e a dança da luta nos anos 70.

Lua cheia (Dir. Alain Fresnot, Brasil, 1988, 85 min, 35 mm) Elenco: Lima Duarte, Otávio Augusto, Lúcia Alves, Antonio Abujamra

Sinopse: Guimarães (Lima Duarte) é um grande empresário duro e inflexível. No entanto, seu comportamento é totalmente modificado quando bebe. Uma das vítimas mais frequentes de sua dupla personalidade é seu chofer particular, Wellington (Otávio Augusto). Um casamento de conveniência é armado para unir Lia (Lúcia Alves), filha de Guimarães, a Montês (Roney Facchini), filho de uma família decadente, mas de prestígio.

20h 00

Ed Mort (Dir. Alain Fresnot, Brasil, 1996, 100 min, 35 mm) Elenco: Paulo Betti, Claudia Abreu, Ary Fontoura, Otavio Augusto

Sinopse: Em São Paulo, Ed Mort (Paulo Betti) é um detetive de nona categoria, que mora em um cubículo, está sempre sem dinheiro e no café da manhã come pastel e garapa (fiados, obviamente). Um dia, Ed é procurado por Dayse (Roseane Lima), uma sensual e misteriosa mulher que quer ajuda para encontrar o marido, que é um mestre em disfarce. Mas é o marido de Dayse que encontra Ed para revelar-lhe que descobriu na Delbono, uma indústria de salsichas onde trabalha, um maquiavélico plano. Ed se defronta com Nogueira (Ary Fontoura), o presidente da fábrica, e ainda precisa evitar o delegado Mariano (Otávio Augusto), um corrupto que sempre está perseguindo Ed.

20h00 | Filmes

Amor que fica (Dir. Alain Fresnot, 1986, 11 min, 35 mm)

Sinopse: Dois casais diferentes se relacionam num bar da moda. Uma troca de casais movida a fantasia e modernidade.

Desmundo (Dir. Alain Fresnot, Brasil, 2002, 100 min, DVD) Elenco: Caco Ciocler, Simone Spoladore, Osmar Prado

Sinopse: Em 1570, chega ao Brasil um grupo de órfãs enviadas pela rainha de Portugal para desposar os primeiros colonizadores. Entre elas vem Oribela, uma jovem sensível e religiosa. Contra sua vontade, ela se casa com Francisco de Albuquerque, que a leva para seu engenho de açúcar. Apesar de rude, Francisco trata Oribela respeitosamente: quer que ela seja a senhora da casa, mãe de seus filhos brancos. Contudo, na fazenda moram a mãe e uma jovem irmã de Francisco, num estranho e incestuoso núcleo familiar. Certo dia, aproveitando a passagem de Ximeno, um comerciante vendedor de escravos, Oribela foge. Ela quer pegar um navio e voltar para Portugal, mas o marido a captura. Furioso, ele a acorrenta num galpão. Sozinha e ferida, a jovem passa os dias chorando. A índia que lhe leva comida é quem, pouco a pouco, ajuda-a em sua recuperação.

20h00| Filmes

Pé de pato (Dir. Alain Fresnot, 1994, 10 min, 35 mm)

Sinopse: Apelido popular dado aos “justiceiros”, assassinos a serviço dos comerciantes que fazem chacinas pela periferia de São Paulo, ontem e hoje.

Família vende tudo (Dir. Alain Fresnot, 2011,90 min, DVD). Elenco: Lima Duarte, Vera Holtz, Caco Ciocler, Marisol Ribeiro, Luana Piovani

Sinopse: Uma família com dificuldades financeiras – após a apreensão de suas muambas vindas do Paraguai – tem uma brilhante ideia: fazer com que a filha Lindinha engravide do famoso cantor Ivan Carlos para, assim, garantir uma pensão que tire todos do sufoco. Eles planejam o dia em que a garota deve sair com o astro para engravidar e passam a acompanhar sua agenda de shows. Mas só não contavam com um detalhe: a ciumenta Jennifer, mulher de Ivan.

Museu Catavento recebe ação promocional do filme “Uma Dobra no Tempo”, da Disney

   

 

De 29 de março a 02 de abril, os visitantes do Museu Catavento – Espaço Cultural da Ciência da Secretaria da Cultura do Estado de São Paulo, poderão tirar fotos com totens gigantes com uma frase do filme “Uma Dobra no Tempo”, da Disney.  Da diretora visionária Ava DuVernay, a aventura épica é baseada no clássico eterno de Madeleine L’Engle, que transporta o público através de dimensões de tempo e espaço, examinando a natureza do bem e do mal e o triunfo do amor. Por meio da jornada transformadora de uma garota, liderada por três guias celestiais, o público descobre que a força vem de abraçar a individualidade de cada um e que a melhor maneira de vencer o medo é viajar através da luz da própria pessoa.

Sinopse

 

Meg Murry é uma aluna típica do ensino fundamental com problemas de autoestima e que quer apenas se encaixar. Filha de dois físicos renomados, ela é inteligente e tem dons excepcionais, assim como seu irmão caçula, Charles Wallace, mas ela ainda não se deu conta disso. Para piorar tudo, o misterioso desaparecimento do Sr. Murry deixa Meg desolada e sua mãe de coração partido. Charles Wallace apresenta Meg e seu colega Calvin a três seres celestiais (Sra. Qual, Sra. Queé e Sra. Quem) que viajaram a Terra para ajudar a procurar seu pai, e juntos embarcam em uma busca formidável. Viajando através de uma dobra no tempo e espaço conhecida como “tessering”, eles são transportados a mundos além de sua imaginação, onde precisam confrontar uma poderosa força do mal. Para voltar a Terra, Meg precisa enfrentar a escuridão dentro dela mesma para dominar a força necessária e derrotar a escuridão, que está rapidamente envolvendo o universo.

 

 

“Uma Dobra no Tempo” tem direção da indicada ao Oscar® Ava DuVernay e roteiro da vencedora do Oscar Jennifer Lee, baseado no adorado romance de Madeleine L’Engle. O elenco traz a atriz duas vezes indicada ao Oscar® Oprah Winfrey como Sra. Qual, a vencedora do Oscar Reese Witherspoon como Sra. Queé, a indicada ao Emmy® Mindy Kaling como Sra. Quem, Gugu Mbatha-Raw como Sra. Murry, Michael Peňa como Red e apresentando Storm Reid como Meg Murry, com o vencedor de dois Emmy Awards Zach Galifianakis como Happy Medium e o indicado ao Emmy Chris Pine como Sr. Murry.

Saiba quem são os vencedores do Prêmio Governador do Estado para a Cultura 2018!

Aconteceu na noite do dia 26/3 a cerimônia do Prêmio Governador do Estado para a Cultura 2018! Os finalistas concorreram em nove categorias: arte para crianças, artes visuais, cinema, circo, dança, música, teatro, territórios culturais e instituições culturais. 

Os vencedores escolhidos pelo júri especializado receberam, no total, R$ 580 mil em prêmios, o que faz da premiação uma das maiores do país no segmento cultural. Além da premiação em dinheiro, no valor individual de R$ 60 mil, os vencedores escolhidos tanto pelo júri quanto pelo voto popular receberam um troféu exclusivo confeccionado pela artista Edith Derdyk.

A votação popular foi realizada no site www.premiogovernador.sp.gov.br e contou com mais de 95,5 mil votos, 25% a mais que na edição anterior, que contabilizou 71,3 mil.

Quer saber quem foram os grandes vencedores da noite? Acompanhe a matéria:

Destaque Cultural

A categoria homenageou o gestor cultural Eduardo Saron. Mestre em Administração e gestor cultural há 16 anos, Saron é diretor superintendente do Instituto Itaú Cultural e diretor da Associação Nacional de Entidades Culturais Não Lucrativas (ANEC). É também conselheiro do Museu de Arte de São Paulo (MASP), da São Paulo Companhia de Dança e membro do Conselho Nacional de Política Cultural (CNPC) do Ministério da Cultura, além de vice-presidente executivo da Fundação Bienal de São Paulo. O prêmio foi um reconhecimento à sua trajetória profissional e por sua contribuição para a democratização do acesso, incentivo, difusão e valorização da arte e da cultura. O troféu foi entregue pelo secretário da Cultura do Estado, José Luiz Penna, que celebrou a escolha e destacou a importância do evento. “Estamos em um dia de festa, mas também de resistência. A cultura é fundamental para enfrentar, com uma onda de alegria e criatividade, a situação atual do país”, declarou Penna.

"A gente vem pontuando por muitos anos uma coisa que é importante e fundamental: a democratização do acesso à arte e cultura do Brasil."
MESSAGE-ICON
Eduardo Saron
Gestor do Instituto Itaú Cultural

Arte para Crianças

Lizette Negreiros

Lizette Negreiros

Escolhida pelo júri. É responsável pela programação de teatro do Centro Cultural São Paulo, onde desenvolve projetos para o teatro infantojuvenil, recebe e coordena temporadas de grupos e artistas há mais de trinta anos. Foi presidente da Associação Paulista de Teatro para a infância e juventude – APTIJ, jurada de vários festivais de teatro e do Prêmio Femsa. No cinema, participou, entre outros, dos filmes “Eles não usam black-tie”, “Vera” e “A Hora da Estrela”.

Trupe Banana's

Trupe Banana's

Escolhida por votação popular. O grupo foi fundado em 2010 na cidade de Atibaia, interior de São Paulo. Com foco no público infantil, o grupo busca levar diversão e reflexão não só para as crianças, mas também aos adultos que as acompanham. Os espetáculos da Trupe são interativos e dinâmicos, quebrando a barreira entre palco para levar cultura e risadas para todo o país e todas as classes sociais.

"Arte para crianças é o que a gente carrega, que transforma e que queremos que elas vivenciem."
MESSAGE-ICON
Lizette Negreiros
Destaque na categoria "Arte para Crianças"

Artes Visuais

Tomoshige Kusuno

Tomoshige Kusuno

Escolhido pelo júri e pelo voto popular. Desenhista, pintor, artista visual, professor e gravador, foi parte do Núcleo de Arte de Vanguarda, em Tóquio, Japão, na década de 1950. Imigrou para o Brasil em 1960, onde trabalhou como orientador de atividades artísticas na Comunidade Yuba, além de participar ativamente de exposições que deram ao movimento artístico nacional e internacional condições de se desenvolverem. Já realizou 36 exposições individuais em diversos países e participou de diversas coletivas e salões.

Cinema

Cinemateca Brasileira

Cinemateca

Escolhida pelo júri. Criada em 1946, possui o maior acervo audiovisual da América do Sul e é responsável pela preservação da produção audiovisual brasileira, além de documentação não fílmica da área, do acesso e da difusão deste acervo. Abriga 240 mil rolos de filme – cerca de 42 mil títulos – de obras de ficção, documentários, cinejornais, filmes publicitários e registros familiares produzidos desde 1913. O acervo não fílmico começou a ser constituído também em 1946 e reúne mais de um milhão de documentos.

Mostra Ecofalante de Cinema Ambiental

Mostra Ecofalante de

Cinema Ambiental

Escolhida pelo voto popular. A Mostra é conhecida por fomentar discussões sobre os assuntos mais urgentes da atualidade, e promove exibições gratuitas em salas de cinema, espaços públicos, além de instituições culturais e de ensino. Desde sua primeira edição, em 2012, a Mostra Ecofalante e as atividades educativas da ONG já atingiram diretamente mais de 190 mil pessoas. Foram exibidos 424 filmes, de todos os continentes, em 26 cidades paulistas.

"Essa é maior mostra gratuita de cinema de São Paulo que, há 7 anos, promove o debate com a sociedade. No ano passado conquistamos um público de 77 mil pessoas."
MESSAGE-ICON
Chico Guariba - representante da Mostra Ecofalante de Cinema Ambiental
Destaque na categoria "Cinema"

Circo

Grupo La Mínima

Grupo La Mínima

Escolhido pelo júri. A companhia de circo e teatro foi fundada por Domingos Montagner e Fernando Sampaio em 1997. O circo e a arte do palhaço de picadeiro conduzem o trabalho do grupo com um repertório de 14 espetáculos, sendo o último “Pagliacci”, de 2017, em comemoração aos seus 20 anos de história. Ao longo de sua trajetória já passou pelos mais renomados festivais nacionais e internacionais, como Festival Paulista de Circo, Festival de Curitiba, Festival Mundial de Circo de Demain, Teatralia e Festclown, e recebeu alguns dos mais importantes prêmios da categoria.

Circo Escola Diadema

Circo Escola de Diadema

Escolhido pelo voto popular. Fundado em 2008 por um grupo de artistas circenses, técnicos e arte educadores, atualmente é o carro chefe da Associação Cultural e Educacional Circense Tápias Voadores. O resultado do trabalho pode ser visto no atendimento a 1800 pessoas nas faixas etárias de três a 80 anos, garantindo a perpetuação da arte circense nas suas diversas modalidades, por meio das suas nuances e estética. O Circo Escola de Diadema é uma referência desde as suas estruturas, qualificação técnica e parcerias com o poder público, colaboradores e sociedade civil.

"O La Mínima tem o pé fincado na tradição - Stankovich e Circo dos Sonhos que estão aqui presentes - temos o maior respeito por todos. Estar aqui hoje só aumenta a nossa dívida com o Circo."
MESSAGE-ICON
Fernando Sampaio - representante do Grupo La Mínima
Destaque na categoria "Circo"

Dança

Companhia de Danças de Diadema

Companhia de Danças de Diadema

Escolhido pelo júri. Criada em 1995 por Ivonice Satie, realiza espetáculos, oficinas, mostras e projetos de dança por todo o país. Desenvolve um programa que proporciona o acesso à linguagem da dança e das artes em geral, valorizando a inclusão cultural, incentivando a produção artística e fomentando o interesse de novas plateias, sempre com o apoio da Prefeitura do Município de Diadema e outros colaboradores. Os profissionais da Companhia, além de bailarinos, são também artistas orientadores, ministrando oficinas de danças de diversos estilos para os integrantes da comunidade local.

CIa. Discípulos do Ritmo

Cia. Discípulos do Ritmo

Escolhido pelo voto popular. A companhia de danças urbanas foi criada em 1999 pelo diretor por Frank Ejara e é o primeiro grupo brasileiro a trabalhar danças urbanas nas artes cênicas de forma híbrida e profissional. A intenção da companhia desde o princípio não foram os festivais competitivos e as batalhas de dança, mas a defesa das danças urbanas em prol das artes cênicas. A Cia. Discípulos do Ritmo tem em seu repertório espetáculos como “Tá Limpo”, “Fresta”, "Urbanóides 2.0", “O Som do Movimento”, “Caixa Preta” e “Lemniscata”.

"Essa trajetória não seria traçada sem a equipe que acompanha a Companhia, criada por Ivonice Satie, saudosa bailarina que teve uma ideia a frente do seu tempo."
MESSAGE-ICON
Ana Bottosso - representante do Companhia de Danças de Diadema
Destaque na categoria "Dança"

Instituição Cultural

Instituto Alfa de Cultura

Instituto Alfa de Cultura

Única categoria eleita somente por voto popular. A instituição privada e sem fins lucrativos, que administra o Teatro Alfa, tem 20 anos de existência. O teatro foi pioneiro na oferta de espetáculos culturais diversificados e de alta qualidade. Além de produzir e receber espetáculos de dança, teatro infantil, música e teatro musical, o instituto desenvolve amplo trabalho com as escolas e ONGs do entorno. As crianças e jovens são convidados a assistir e participar de programas que visam aproximá-los das artes cênicas, tanto do ponto de vista técnico quanto artístico.

"Recebemos, ao longo desses anos, 3,5 milhões de pessoas em mais de 7,5 mil espetáculos. O prêmio é um incentivo para que continuemos desenvolvendo um trabalho de grande importância social para todos."
MESSAGE-ICON
Fernando Guimarães - representante do Instituto Alfa de Cultura
Destaque na categoria "Instituição Cultural"

Música

Jonnata Doll & Os Garotos Solventes

Jonnata Doll &

Os Garotos Solventes

Escolhido pelo júri. Surgida em 2009 em Fortaleza e residindo em São Paulo, a banda traz uma música baseada na subcultura punk e na biografia dos excluídos, mostrando rock em estado bruto. Seja nos palcos pelo Brasil – ou mesmo no teatro ou nas telas de cinema – a performance do quinteto é intensa e visceral, de quem desnuda a alma. Jonnata Doll andrógino, canta, dança, cai, arrasta-se no palco. Suas letras são ecos de literatura beat e de filmes de terror, amores perdidos, misturados a uma biografia de excessos.

Thereza Alves

Thereza Alves

Escolhido pelo voto popular. Cresceu no bairro da Vila Rezende em Piracicaba e aprendeu a cantar junto da mãe, ouvindo os programas de rádio da Mayrink Veiga, Tupi e da Rádio Nacional. Com 15 anos, iniciou sua carreira artística na Rádio Difusora de Piracicaba, cantando em programas de calouro. Cantou na Rádio e TV Record de São Paulo, nos programas de Geraldo Blota e Iani Junior. Gravou o LP “Roda de Violeiros” em 1961 e um 78 rotações pela gravadora RCA Camden como prêmio musical da Rádio Bandeirantes. Apresentou-se ao lado de grandes nomes da música popular no Brasil e no exterior.

"Quero dedicar esse prêmio à galera que dorme no chão, às mulheres, ao movimento negro, ao movimento LGBT e a todo o rock 'n' roll de São Paulo, que ainda tem muito a dizer sobre as diferenças."
MESSAGE-ICON
Jonnata - representante da banda Jonnata Doll & Os Garotos Solventes
Destaque na categoria "Música"

Teatro

Lenise Pinheiro

Lenise Pinheiro

Fotógrafa paulistana especializada em teatro, vem retratando, desde 1983, o que há de mais expressivo nos palcos brasileiros. Já trabalhou para José Celso Martinez Corrêa, Antunes Filho, Daniela Thomas, Antônio Araújo, Fauzi Arap, Enrique Díaz, Mário Bortolotto, Deborah Colker, Marco Antonio Rodrigues, José Possi Neto, Miguel Falabella, Marco Antonio Braz, Gabriel Villela, Marcelo Drummond, Gerald Thomas e muitos outros. Em suas exposições, manteve o foco no teatro, participando ao todo de 38 mostras, sendo oito coletivas e 30 individuais.

Grupo Caixa Preta de Teatro

Grupo Caixa Preta de Teatro

Fundado por Fernando Barbosa e Fabiano Muniz há 24 anos, o grupo produz atividades que potencializam e desenvolvem a educação e a cultura na Região do Vale do Ribeira, promovendo ações independentes de caráter sociocultural. O grupo já produziu cerca de 25 espetáculos e se apresentou por diversos estados do Brasil, tendo sido convidado em novembro de 2017 a produzir e dirigir o espetáculo “Romeu Ma Julieta – Uma Tragédia Crioula”, na cidade de Mindelo, Cabo Verde, para a abertura do 23º Mindelact – Festival Internacional de Teatro do Mindelo.

"Dei início aos meus trabalhos aqui, no Teatro Sérgio Cardoso. Receber um prêmio dessa magnitude faz com que nossos ânimos se renovem!"
MESSAGE-ICON
Lenise Pinheiro
Destaque na categoria "Teatro"

Territórios Culturais

Coletivo Cultural Cenário Urbano

Coletivo Cultural Cenário Urbano

O grupo atua há 17 anos, realizando grandes e pequenos eventos, além de manifestações culturais como Consciência Negra e Aniversário do Bairro. Desde 2014 vem focando na reeducação ambiental, tendo a cultura como valorização do espaço. A grande mídia, prefeituras e até uma empresa de lixo urbano deram apoio, tendo visto no projeto um grande potencial de reunir famílias para falar de arte, de consciência ambiental e de como o lixo pode nos prejudicar. Os eventos realizados pelo Coletivo Cultural Cenário Urbano contam sempre com a participação de todos os presentes.

Hangar 110

Hangar 110

Foi inaugurado em outubro de 1998, com o intuito de abrir espaço para o cenário artístico underground. Além de shows de música alternativa, o espaço sediou palestras, exposições de fotos e feiras de gravadoras independentes, entre outros eventos. O Hangar tornou-se uma referência do rock nacional e internacional – passaram por seu palco nomes como Ratos de Porão, Inocentes, Cólera, Titãs, Raimundos, CPM 22, NX Zero, Dead Fish, Marky Ramone, CJ Ramone e Ritchie Ramone, Shelter, Toy Dolls e New York Dolls. Foram mais de 9000 shows em 19 anos de atividades.

"Através do diálogo, o Cenário Urbano conseguiu fazer com que um ponto de lixo virasse espaço para a cultura, para a poesia, para o hip hop, para o graffitti, para a arte de rua."
MESSAGE-ICON
Coletivo Cultural Cenário Urbano
Destaque na categoria "Territórios Culturais"

Fábricas de Cultura exibem curta infantil sobre diversidade e infância sem preconceito

O curta fala sobre a importância da representatividade e respeito à população LGBT desde a infância

(mais…)

Curso gratuito sobre cinema e literatura LGBT!

No mês de abril a Casa Guilherme de Almeida tem um curso especial para o público que deseja aprender sobre Cinema e Literatura LGBT (mais…)

Casa Guilherme de Almeida promove pré-estreia de filme baseado na obra de Edgar Allan Poe

A exibição de Berenice será seguida por um debate com Wellington Darwin, diretor do filme, e Flávio Ricardo Vassoler, escritor e crítico literário

(mais…)

“The Square” tem exibição gratuita no MIS

Exibição é gratuita e será seguida de debate!

Multipremiado, o filme sueco The Square – A Arte da Discórdia pode somar mais uma nobre estatueta à prateleira: o longa de Ruben Östlund integra a lista de indicados ao Oscar 2018 de Melhor Filme estrangeiro. Enquanto a premiação não vem (a 90ª edição do Oscar será realizada no dia 04 de março) o filme ganha sessão especial seguida por debate aberto ao público na quarta-feira (07/02), no auditório do MIS.   O evento, realizado em parceria entre a Pandora Filmes e a revista de ensaios Peixe-elétrico, será conduzido pelo editor Tiago Ferro, que recebe o psicanalista Tales Ab’saber. A dupla compartilha com o público olhares sobre o longa que arrancou elogios de Almodóvar ao colocar em foco um respeitado curador de arte que tenta desesperadamente atrair mais visitantes ao museu que dirige em Estocolmo. O filme parte do universo da arte para discutir limites e liberdades em uma crônica sobre o comportamento humano contemporâneo.   Foto: Divulgação The Square nos leva até o beco sem saída no qual chegou a modernidade ocidental com seu projeto universalista de emancipação do homem. A sensação é que ética e estética afundam de mãos dadas sem qualquer tipo de salvação individual. Se a arte perde o pé dentro da trama, o filme acerta em cheio os dilemas dos nossos tempos”, comenta Tiago. Sinopse  Grande vencedor da Palma de Ouro no Festival de Cannes, o longa gira em torno de Christian, um respeitado curador de arte que tenta desesperadamente atrair mais visitantes ao museu que dirige em Estocolmo. Quando seu celular é roubado, Christian perde o controle de sua vida, afetando todos a seu redor e provocando consequências inesperadas.      

Cinema ao ar livre: primeira exibição do ano com o filme Orfeu Negro de Marcel Camus

As sessões do “Jardim Paradiso” são gratuitas e uma vez por mês diferentes filmes são apresentados ao público

(mais…)

Casa Guilherme de Almeida tem cursos gratuitos durante os meses de Janeiro e Fevereiro

 As atividades discutem os gêneros Cyberpunk e Giallo, além de abordar a adaptação de Psicose

(mais…)

Sala Cinematographos: resgata espírito de cineclubes em São Paulo

O espaço, com exibições de filmes, cursos, palestras e mostra, preserva a memória de Guilherme de Almeida como pioneiro na crítica cinematográfica brasileira (mais…)

Projeto Um caso de cinema traz sessões de filmes seguidas por debate no MIS

Com entrada gratuita, evento acontece sábado (9), às 16h00. Serão exibidos dois longas que abordam os relacionamentos familiares, seguidos por debate (mais…)

MIS seleciona cinéfilos para produção coletiva de filme!

Núcleo Experimental de Cinema do MIS busca interessados na produção coletiva de um curta

(mais…)

Cinema ao ar livre: Conversa com exibições de filmes do cinema construtivista russo

Atividade traça panorama do cinema soviético após 100 de Revolução Russa (mais…)

Palestra com Ugo Giorgetti discute atuação para o cinema

O renomado cineasta será recebido na Casa das Rosas para um debate sobre a linguagem cinematográfica (mais…)

Casa Guilherme de Almeida promove Mostra Futuro do Cinema Brasileiro

Cineastas e estudantes da área podem mandar suas produções de temática livre até o dia 20/11

(mais…)

MIS traz espetáculo multimídia Cineópera Contemporânea HawwwaH em novembro

A apresentação, que une teatro, cinema e música, tem como pano de fundo o uso da internet, que é discutido/espelhado cenicamente por meio de diversas pequenas histórias sobrepostas (mais…)

MIS participa da 41ª Mostra Internacional de Cinema

Cinco longas do diretor Alain Tanner serão exibidos em 35mm. No Museu, a mostra acontece entre os dias 22 de outubro e 1º de novembro

(mais…)

Secretaria da Cultura do Estado cria projeto para municípios receberem produções internacionais

O secretário José Luiz Penna anunciou a criação de uma Film Commission, que visa colocar os municípios paulistas como vitrine para produções cinematográficas internacionais. As cidades interessadas em integrar a Film Commission deverão se inscrever em chamamento público e criar incentivos – que podem ser desde alimentação, hospedagem e transporte até recursos financeiros – para a produção. Acompanhe o site da Secretaria da Cultura do Estado – em breve serão divulgadas mais informações.

MIS realiza Semana do Terror com programação especial de cinema!

De 8 a 13 de outubro, Museu tem atrações para fãs de cinema do gênero, entre elas, Maratona Stephen King

(mais…)

Secretário Penna lança o Filma São Paulo

Iniciativa engloba série de ações para fomentar a produção audiovisual paulista (mais…)