@culturasp - secretaria da cultura do estado de são paulo

acessibilidade

Contação de histórias na #CulturaSP: curso, encontro e mais!

Seja para explicar mais sobre uma exposição, ou para introduzir as crianças no incrível universo literário, as contações de histórias são destaques na programação fixa dos espaços da Secretaria da Cultura do Estado. A atividade, que pode ser apreciada por pessoas de todas as idades e gostos, ganha no mês de maio uma programação especial. Confira:

Curso gratuito na Casa das Rosas

 

A Casa das Rosas recebe, em maio, um curso gratuito de contação de histórias realizado pela Arte Despertar! As inscrições já estão abertas, e podem ser feitas aqui. O curso, que começa no dia 3/6, apresentará fundamentos, técnicas e benefícios de se trabalhar a narrativa oral, assim como a relevância da contação de histórias para o autoconhecimento e o desenvolvimento de competências e habilidades. O conteúdo programático abordará os vários tipos de histórias – como lendas, mitos, fábulas, história de origem, contos de fadas, entre outros; a relação com a música; abordagens para se contar uma história; técnicas de interpretação, oralidade e improvisação; e o papel do narrador de história ao longo da história universal.

Saiba mais aqui.

Encontro Internacional de Contadores de Histórias

 

Para quem já é contador de histórias, a Oficina Cultura Oswald de Andrade recebe o 8º Encontro Internacional Boca do Céu de Contadores de Histórias, que promove um espaço de reflexão, criação e ação cultural, focalizando a arte da palavra, que ao longo da história foi, e ainda é, explorada na forma de narrativas orais. As atividades, que são livres e abertas ao público, vão de 22 a 26/5, sempre das 9h às 18h30. Além da Oficina Oswald de Andrade, entre os dias 22 e 25/5, o Encontro Internacional Boca do Céu de Contadores de Histórias também terá ações complementares na Fábricas de Cultura das regiões Norte e Sul.

A programação completa está aqui.

Hora do Conto nas Bibliotecas

 

Semanalmente, as Bibliotecas de São Paulo e do Parque Villa-Lobos promovem a Hora do Conto, sessões gratuitas de contação de histórias. Realizada por companhias e artistas convidados, o objetivo é despertar o hábito da leitura, fomentar a criatividade e exercitar o lado lúdico do público.

No mês de maio, a atividade será realizada às sextas-feiras, a partir das 15h, e aos sábados e domingos, às 16h.  Este mês a contação terá a participação dos grupos Arte Negus, Cia. do Tok Tok, Grupo Mãos de Fada, Trupe Pitirilo, Núcleo Educatho, entre outros, além dos contadores Paula Dugaich, Mirela Estelles e Amarilis Reto. Nos dias 20, na Biblioteca de São Paulo, e 26, na Biblioteca Parque Villa-Lobos, a contação será realizada com interpretação em Libras.

A programação completa está aqui e aqui.

Museu Índia Vanuíre promove parcerias e realiza programações inclusivas

Foto: Secretaria da Cultura do Estado de São Paulo

O papel social do museu vai além da exposição de seu acervo. Por isso, o Museu Índia Vanuíre está sempre preocupado em ser um espaço de troca de experiências, vivências e aprendizados entre diferentes públicos, estabelecendo contato com grupos específicos e oportunizando a sua aproximação com a instituição. Anualmente são oferecidas três programações periódicas inclusivas: o “Aguçando as Memórias” – para a terceira idade, o “Museu e Cidadania” – para o público deficiente e o “Olhar é o Sentir Pelas Mãos” – para cegos.  

O primeiro deles é a parceria com a Universidade Aberta à Terceira Idade (Unati), vinculado à Unesp, e a Casa dos Velhos. Desde sua criação, 622 pessoas já fizeram parte das ações que buscam a prática da cidadania e a sociabilidade.  

Já o “Museu e Cidadania” teve 289 participações, a Clínica de Repouso Dom Bosco, a Residência Terapêutica e a Apae de Tupã são os parceiros. O programa é destinado à inclusão sociocultural de deficientes intelectuais, explorando o acervo e as exposições de forma lúdica e acessível. O “O Olhar é o Sentir Pelas Mãos” é uma ação com Programa Vida Iluminada (Unimed), para promover a inclusão dos cegos para que se tornem frequentadores da instituição. Até o momento foram atendidas 170 pessoas.

Mostra Mãos que Criam

Pelo segundo ano, o Museu promove uma mostra inclusiva com o objetivo de oferecer acesso às informações sobre a história de cada projeto inclusivo desenvolvido durante o ano de 2017 e expor os itens produzidos, possibilitando que os envolvidos compartilhem essa experiência com familiares, a sociedade local e os visitantes. Neste ano, a ação recebeu o nome de “Mãos que Criam”, segue em cartaz na instituição e pode ser vista de terça-feira a domingo, das 9h00 às 17h00.

“É direito de cada cidadão ter acesso à arte, à cultura e ao conhecimento. Nesse sentido, não pode haver barreiras, sejam elas físicas ou intelectuais. Por isso, o Museu Índia Vanuíre busca continuamente construir atividades culturais capazes de potencializar a ação e compreensão do acervo exposto nas montagens de longa duração ou temporárias, promovendo a qualidade da experiência vivenciada no espaço museológico e garantindo a inclusão dos diversos tipos de públicos, incluindo e incentivando a visitação daqueles que habitualmente não são frequentadores da instituição”, explica a gerente da instituição, Tamimi Rayes Borsatto.