@culturasp - secretaria da cultura do estado de são paulo

Na cultura, o acolhimento e a transformação

Publicado em 23 de outubro de 2017

“Tudo começou logo depois do massacre do Carandiru. Foi ali, em 1992,  que criamos o grupo de rap Realismo Frontal.  Indignados com tanta violência, queríamos, por meio da música de protesto, mostrar nossa dor e revolta”, conta MC Tó.

Moradores da Favela Godói, no bairro de Capão Redondo, Zona Sul da capital paulista, os irmãos Antonio, o MC Tó, e Wilson, ambos do grupo Negredo tomaram pra si a missão de transformar suas próprias realidades. E a de muitos outros.

Em 1997, o grupo de rap  Realismo Frontal ganhou o nome Negredo. Alinhados, amigos e parceiros de Mano Brown, dos Racionais MC’s, os irmãos e alguns amigos solidários da comunidade,  ganharam um espaço – abandonado – onde, a princípio, Brown montaria uma rádio, a Rádio Vida Loka.

Com o firme desejo de avançar na construção de áreas de lazer e de motivação para si próprios e para outros, criaram, em 2000,  a ONG Instituto Periferia Ativa. “Sempre com apoio de Brown, inclusive financeiro, arrumamos um cantinho especial para fazermos nossa música e para ler. Era, no início, um espaço para adolescentes que, na época como nós, não tinham opção de lazer”, relata MC Wilson.

“Oferecer um caminho melhor que as drogas para ajudar na formação de cidadãos de bem. Na periferia, a maioria é cidadão de bem que precisa apenas de oportunidade”

Somente no início,  porque, para surpresa dos irmãos, o espaço foi sendo completamente preenchido – com adolescentes, crianças e mais crianças. E são elas, entre 2 e 8 anos, que passaram a ser as ocupantes principais. E daí, a necessidade de espaço e de mais gente para ajudar, inclusive mulheres voluntárias.

E a nova realidade levou o Instituto Periferia Ativa a oferecer, além de oficinas de música, da biblioteca Negredo e de uma brinquedoteca, aulas em uma escolinha de futebol e ainda oferecer o aprendizado em  computação. “Para o futebol, entre 2010 e 2014, fechamos uma parceria com a Nike e  chegamos a ter duzentas crianças cadastradas. Os uniformes foram todos encomendados para as costureiras da comunidade”, revela MC Tó.

“Entendemos que nosso trabalho é melhorar – todos juntos – a autoestima da comunidade”

Com prêmios, como o Prêmio Governador do Estado de São Paulo para a cultura – territórios culturais (em 2017), parcerias, apoios e realização de festas como a 100% Favela (quando há  distribuição de alimentos), além da venda de rifas e de DVDs, o Instituto Periferia Ativa tem conseguido sobreviver. Suas portas continuam abertas e acolhedoras, mas em horários alternativos, como lamenta MC Wilson. “Falta, claro, recurso.  Recurso constante para contratar pessoas para as atividades de formação, como alfabetização, internet e leitura. Nossa principal angustia é começar com voluntários um trabalho com as crianças e ter que pará-lo porque as pessoas precisam ganhar seu pão”. E comenta:  “São 17 anos de muito trabalho, dificuldades  e alegrias, como encontrar alguns dos nossos  adolescentes, hoje formadas e com filhos frequentando o Instituto. Isso dá força para continuar. Essa é a razão”.

Quem resume a situação é MC Tó. “Entendemos que nosso trabalho é melhorar – todos juntos – a autoestima da comunidade.  Abrir caminhos. Facilitar as decisões corretas. Oferecer um caminho melhor que as drogas para ajudar na formação de cidadãos de bem. Na periferia, a maioria é cidadão de bem. Precisam apenas de acolhimento e oportunidade. Dar espaço. Cada um com seu jeito de se expressar. Vamos seguir em frente. Como uma grande família em que todos se ajudam”.

Faz dez anos que é possível entrar e sair, passear, sem assalto, sem morte na Favela Godói.  A comunidade fez e vem mantendo uma aposta: a cultura como uma poderosa ferramenta de acolhimento e de transformação.


Envie  sua história ou de alguém que você conheça para comcultura@sp.gov.br.
As melhores histórias vão virar entrevistas e ser publicadas.

Compartilhe!