@culturasp - secretaria da cultura do estado de são paulo

Auditório Claudio Santoro recebe Samba de Roda Nega Duda no dia 19 de novembro

Publicado em 13 de novembro de 2018

Os ingressos estão à venda na bilheteria da instituição por R$20,00 (inteira), R$15,00 (jordanense) e R$10,00 (meia-entrada)

A magia e animação do tradicional Samba de Roda do Recôncavo Baiano sobem ao palco do Auditório Claudio Santoro no dia 19 de novembro, segunda-feira, às 19h00, com a apresentação do grupo Samba de Roda Nega Duda. No mês em que é celebrada a Consciência Negra, o Museu Felicia Leirner e Auditório Claudio Santoro – instituições da Secretaria da Cultura do Estado de São Paulo, geridas pela ACAM Portinari – oferecem um espetáculo que exalta a fusão entre a cultura africana e o mais tradicional estilo musical do nosso país. Os ingressos estão à venda na bilheteria da instituição por R$20,00 (inteira), R$15,00 (jordanense) e R$10,00 (meia-entrada).

O samba de roda é um estilo musical afro-brasileiro, tocado por um conjunto composto por pandeiro, atabaque, berimbau, viola e chocalho, acompanhado principalmente por canto e palmas, trazendo referências do culto aos orixás e caboclos, à capoeira e à comida de azeite. A cultura portuguesa também está presente na manifestação cultural por meio da viola, do pandeiro e da língua utilizada nas canções.

Já o Samba de Roda do Recôncavo Baiano foi registrado como Patrimônio Cultural do Brasil pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), em 2004, e proclamado Obra-Prima do Patrimônio Oral e Imaterial da Humanidade pela Unesco em 2005. O grupo comandado pela Nega Duda irá ao Museu mostrar um pouco da cultura africana que corre na veia e nas tradições dos brasileiros.

O grupo é composto por João Emiliano, Gledson Lima, Edson Luna, Elisabeth Belisário, Anderson Rodrigues. Giselda Perê, Roberta Viana, Lilian Souza e Luciana Braga. À frente está a Nega Duda, baiana de São Francisco do Condo, que encantou o Brasil e outras partes do mundo com suas apresentações e, atualmente, mora em São Paulo. Assim como o próprio Samba de Roda, seu aprendizado deu-se dentro de um terreiro de candomblé (de tradição Angola), e também pelas palmas de sua avó, Dona Buzu. Após fazer mostras de Samba de Roda na região e além do estado da Bahia, foi convidada para o festival Prietemps dês Comédiens, na França e depois, para o Festival de Garanhuns, por Mestre Salustiano.

Já vivendo em São Paulo, nos encontros com os amigos, suas cantorias revelaram as peculiaridades das cantigas, da dança e das histórias que Nega contava. Shows e oficinas foram realizados e o Samba de Roda Nega Duda tornou-se importante locus artístico de um substrato rico da cultura brasileira. O grupo também é comprometido com a cultura baiana do Samba de Roda e com sua luta pela continuidade desse patrimônio histórico e artístico da nossa cultura. É reconhecido pela Associação de Sambadores e Sambadoras do Estado da Bahia.

O endereço do Museu e Auditório é Av. Dr. Luis Arrobas Martins, nº 1.880 – Campos do Jordão. Os visitantes poderão contribuir com a doação de livros (em bom estado de conservação) que serão destinados a apoiar ações da Secretaria Municipal de Cultura.

SERVIÇO:

Mês da Consciência Negra – Samba de Roda Nega Duda

Data: 19/11/2018 (segunda-feira)

Local: Museu Felícia Leirner – Auditório Claudio Santoro (Av. Dr. Luis Arrobas Martins, 1.880 – Alto da Boa Vista – Campos do Jordão/SP)

Horário: às 19h00

Informações: (12) 3662-6000

Ingressos: inteira R$20,00, jordanense R$15,00 e meia R$10,00 (os ingressos serão vendidos no dia do espetáculo, na bilheteria das instituições)

#SejaSolidário – os visitantes poderão contribuir com a doação de livros que serão destinados a apoiar ações da Secretaria Municipal de Cultura. Os livros devem estar em bom estado de conservação

Compartilhe!